domingo, 12 de dezembro de 2010

Nuvem negra


Ensinam-nos a gerir uma casa, um ordenado, uma equipa. E os sentimentos, quem nos ensina a conviver com eles? principalmente quanto são tão contraditórios. Quando a felicidade convive de mãos dadas com o tormento e o sufoco?

Tento rir e seguir em frente. Nunca gostei de sentir sobre mim o olhar de pena dos outros. Também nunca fui de dizer o que sinto realmente a ninguém. O Luís é o único a quem me mostro verdadeiramente. Tenho momentos em que vivo numa realidade paralela. Sinto a sua presença, e sorrio por ele, e acredito mesmo que ele não morreu. Vivo tranquila, com ele ao meu lado. Vivo. Depois há momentos que desencadeiam a minha morte: uma publicidade, um cheiro, uma comida, um tique, um garoto a chamar o pai no supermercado. E sofro. Nunca pensei que a dor psicológica pudesse ser tão física. O aperto no peito é real. Sinto que me arrancam o coração. Afinal éramos só um, e não imagino a minha vida sem ele. Não sei viver sem ele mas tenho que o fazer, por ele.

Arrancaram-me parte de mim, do meu corpo e da minha alma. E qual deficiente tenho que reaprender a viver com as minhas limitações. Nunca mais serei a mesma. Quando alguém perde um membro ou um sentido, dizem que os outros ficam mais fortes. Será que me vou tornar mais forte com a sua ausência? Não sei ,mas continuo frágil sem o seu sustento..

Cada dia que passa é mais insuportável que o anterior. Dói-me a minha ingenuidade, dói-me a alma por tudo o que não fiz. Às vezes, penso que não vou ser capaz de ultrapassar. Só quero estar sozinha e chorar agarrada à sua roupa preferida e à sua foto.

Devia ser proibido amar assim. Porque sem amor, a perda é bem menor. Mas também a vida não valeria a pena ser vivida. É a única coisa que me resta: o seu amor e todo o seu ser que vive em mim. Porque eu sou aquela que chamam de Armandinho...

Este fim-de-semana tomei a minha decisão: tenho que procurar ajuda médica. Sinto-me doente, o meu corpo já mostra sinais evitentes de desgaste psicológico. Tenho que parar de pensar que sou forte. Há quatro meses que não durmo (média de 2/3 horas por noite), estou sempre ansiosa, e sinto que a minha cabeça já não responde por mim... Sábado quase tive um acidente de viação por falta de reflexos. Custa-me admitir mas preciso urgentemente de cuidar de mim..

15 comentários:

Maçã e Canela disse...

Eu estou aqui. Eu estarei sempre aqui ás horas que forem. Nunca serás sozina a aguentar esta luta, eu sei a luta que é. A perda, a dor, a aceitação da morte.
Eu sei o que custa fazer o luto de quem parte, eu só o fiz depois de sete anos, quando consegui ir ao cemitério pela 1 vez. Só ai assumi a morte, só ai assumi a perda.
Ainda choro, ainda vivo infeliz e nunca mais fui a mesma, mas sei que vivo todos os dias na ânsia de ser melhor, de ser capaz e sei que ele, esteja onde estiver desejaria que assim fosse.

Eu estou aqui. Hoje, Amanhã e enquanto me quiseres aqui*

Mami ( Sónia ) disse...

Felizmente não sei ainda o que é perder assim alguém, mas consigo facilmente imaginar a tua angustia, a tua dor.
Fico feliz por saber que vais procurar ajuda, fazes bem. Precisas de descansar a mente e claro o corpo.
Deixo-te aqui um beijo enorme e um abraço apertadinho, se precisares ando sempre por aqui.
Beijo

a Gaja disse...

Compreendo pelo que estás a passar e por mais pessoas que tenhas por perto nada conseguirão fazer por ti. Há uns meses também precisei de ajuda de um profissional e foi isso que me salvou porque se fosse contar por aqueles que me diziam que estavam ali para mim a esta hora já cá não estaria. Se precisas de ajuda procura-a. Se te sentes bem a falar com as pessoas que te são chegadas fala com elas mas não te deixes levar por essa tristeza...isso só te vai destruir aos poucos e quanto mais tempo deixares passar mais difícil vai ser superar. a perda de alguém que nos é muito querido é difícil, demasiado e infelizmente não conseguimos superar isso sozinhos...Força, procura a ajuda que queres e dá a volta por cima. Vais sempre sentir a falta mas vai ser mais fácil.
Sei que é um assunto delicado e que talvez não devesse dizer nada mas vais ver que aos poucos é menos intenso e por ele vais viver a tua vida porque isso era o que ele mais queria.

rakel oliveira disse...

olá
peço desculpa pela intromissao ainda mais num assunto tao delicado
mas eu sei bem o que estas a passar pois senti igualmente na minha pele pois perdi o meu pai a 5/2/2009 com 60 anos com cancro galopante no pancreas e sei que tudo o que descreves e verdade e custa muito ultrapassar eu tb precisei de ajuda ou seja dormia so com calmanmtes mas sabes com o tempo a ferida vai sarando a saudade essa nunca passa e quanto mais passam os dias maior e a dor da saudade olha espero que consigas superar esta fase e que tudo te corra bem e tenta ser a pessoa que o teu pai conhecia e se orgulhava um santo natal muita força para ti e para a tua mae
beijos

Manuela disse...

Dina, quando nos sentimos sem forças, é bom termos a noção que necessitamos de ajuda especializada.
Muita força e beijinhos.

Luisinha disse...

Olá Dina, ainda bem que consegues pelo menos reconhecer que estás a precisar de ajuda... já é um passo muiuto importante para a recuperação...
Bjinhos

Bomboca do Amor disse...

Acho incrível como tens forças para procurar ajuda, eu acho que não teria.
Qualquer coisinha estou por aqui.
Beijinhos querida,
Bomboca do Amor.

Nokas* disse...

Minha querida, procurar ajuda médica é o melhor que podes fazer neste caso. E não há mal nenhum nisso, Quando uma pessoa dorme 2/3 horas por noite isso é muito mau, em termos de recuperação do cansaço físico do dia-a-dia, já para não falar do cansaço psicológico. Por isso só espero que esta decisão que tomaste seja o início de um reencontro com a Dina antiga, mais feliz e completa.

Vânia disse...

Doi muito perder alguem que gostamos muito...

Cada um tem a sua dor, diferente de uns para outros...

So espero que consigas encontar a tua paz interior...

Tânia disse...

Revejo-me neste post e nem o consegui ler até ao fim porque as lágrimas e as lembranças saltaram da gaveta das memórias!
É verdade ensina-nos a viver com udo menos com a sua ausência e quando esse dia chega doi para sempre e até á eternidade!

Dina disse...

Vocês são mulheres fantásticas. São das melhores coisas que me aconteceram: são fantásticas, sempre me apoiaram, e sem me julgarem. Obrigada :)

aprendereorganizar disse...

Querida Dina. O maior passo já deste admites que precisas de ajuda, só poraí já estás a contribuir para que fiques melhor.
A tua perda foi sentida um bocadinho por todas nós por isso todas queremos que fiques melhor... Espero do fundo do meu coração que melhores rapidamente...Um doce beijinho cheio de energia positiva...

Ana Costa disse...

Faço das tuas palavras, as minhas...compreendo-te tão bem!
Beijinho
Ana

Clara disse...

Dina, ainda bem que tomaste a iniciativa de encontrar ajuda médica, é muito importante teres essa atitude!!! Não digas que te custa admitir que precisas de ajuda, porque ninguém é o super-homem e até as GRANDES MULHERES como tu precisam de uma mãozinha nos momentos mais delicados, tb elas "vão abaixo"... Há pessoas que, orgulhosamente, não procuram ajuda até ser tarde demais! Concerteza que o teu pai não quer isso e deve estar mais alegre em saber que estás a pensar em ti! Ele está guardadinho no teu coração e na tua recordação que se manifesta em saudade... e isso é o mais importante, porque ele foi/é para ti a pessoa mais importante e tu, apenas terás que continuar o seu trabalho aqui na terra, transmitindo aos outros aquilo que ele te ensinou.
Um beijinho enorme para uma vencedora como tu és!

Tany disse...

Felizmente ainda não passei o mesmo que tu, se bem que muitas vezes pense nisso e que mais cedo ou mais tarde acontecerá tb comigo.

Mas se sentes que precisas de procurar ajuda só podes estar no bom caminho.

Bjs e muita força pra ti***