sexta-feira, 20 de janeiro de 2017



Dia 20 de janeiro será sempre um dia especial. Um dia para brindar à vida e para agradecer ter pessoas tão especiais na minha vida. Aquela coisa de dizerem que o tempo cura tudo, é mentira. Pode atenuar a dor. Mas cada dia que passa sinto mais a ausência. Sinto falta das conversas na cama, de segurar nessa mão forte, dos silêncios por baixo da figueira, dos risos. Mas hoje é dia de brindar. Hoje é o dia que viu nascer um grande homem: aquele que será sempre o homem da minha vida. Aquele que me ensinou a superar todas as adversidades, a dar valor às coisas simples e a nunca esquecer de onde vim. A ti, pai. 

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Sushic Palácio



Fui ao Sushic de Almada há cerca de ano e meio, e tenho ido algumas vezes ao Sushic do Mercado de Algés, e em todas as ocasiões adorei as peças que me serviram: foi sempre uma experiência gastronómica de grande nível.

Quando surgiram notícias a informar que o Sushic Palácio (no Palácio Chiado) iria lançar um Menu Executivo, vi uma óptima oportunidade para experimentar este novo espaço com chancela Sushic, localizado perto do escritório. O menu promete um amuse bouche, uma entrada e um combinado de 14 peças de sushi ou um prato asiático, pelo valor de 16,50€.




E aquilo com que me deparei foi surreal. Primeiro, o empregado de mesa não tinha maneiras. Muito inoportuno, a falar muito alto, a dizer piadas a roçar o inconveniente, etc. Num espaço deste nível, espero outro tipo de tratamento que posso receber sem qualquer problema numa tasca familiar que frequento regularmente. Falando de comida: o Amuse bouche foi bom, mas a seguir serviram-me um panado de peixe: sem graça, sem sabor, sem tempero. Francamente, come-se um panado melhor em qualquer lado. Escolhi o combinado de sushi... e apareceu-me isto:


Ninguém diria que isto é de assinatura Sushic. Nunca. As peças são mais elaboradas no Sushic Mercado. O peixe era fresco mas as peças eram muito simples, o corte do sashimi demasiado grosso... enfim foi uma desilusão total. Acho mesmo que o restaurante deveria repensar o conceito de menu executivo: percebo que seja um menu mais económico, mas não pode perder a identidade. Nem que para isso o menu deva ser mais caro. 

Mas esta experiência teve um revés. Uma das amigas com quem fui almoçar é jornalista, pelo que fomos convidadas a experimentar novamente o menu executivo. A segunda experiência foi francamente melhor. A entrada de taco era muito boa e o sushi também, mas não nos serviram o combinado do menu executivo, mas sim o Combinado de fusão Sushic (só o combinado tem um valor de cerca de 23€ e penso que eram 16 peças), por isso não é possível fazer comparações. Uma das pelas tinha maçã verde: adorei. Ainda testei a sobremesa de chocolate e é deliciosa (e de tamanho generoso).





Não voltarei ao Sushic Chiado porque a qualidade não vale mesmo o dinheiro que se paga. Já fui mais "feliz" em sítios como o Sushisan ou o Sushi At Home e paguei bem menos.

Na minha lista de japoneses está agora O Nómada. Alguém já foi lá?

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

O Carrasco do medo | Chris Carter


Depois de ouvir falar tão bem deste autor, sobretudo por esta menina, dediquei-me ao Carrasco do Medo. Ultimamente só tenho lido policiais e thrillers e admito que estou com saudades de um bom romance histórico.

Gostei deste livro: os capítulos curtos criam um ritmo alucinante, que nos fala de um assassino em série que mata as suas vítimas de acordo com os seus maiores medos. As descrições dos crimes e do estado dos corpos criam por vezes um certo desconforto no leitor. O livro mantém o suspense até ao fim, as personagens estão muito bem construídas, e a história é bastante negra e perturbante. Ou seja, tem todos os ingredientes necessários para ser um óptimo livro. E é-o. Quero muito ler o outro livro do autor já publicado em Portugal: O Assassino do crucifixo. Como muito recentemente li o Stalker, acho que este não chegou à mestria do primeiro, mas mesmo assim é uma leitura a não perder. 

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Muffins de amêndoa






Vamos começar a semana com um post que nos aconchegue a alma e o corpo?

Experimentei estes Muffins de Amêndoa que foram considerados os "meus preferidos" pelo mais jovem membro da família. Por isso, são capazes de agradar aos mais pequenos, e são uma óptima sugestão para diversificar os lanches para a escola.

Vão precisar de:

  • 25gr de farinha de aveia
  • 20gr de amêndoa moída
  • 100gr de compota de maçã (daquela para bebés, sem açúcar adicionado)
  • 1 clara de ovo
  • 40 gr de fromage blanc 0% (eu compro no Leclerc mas devem poder substituir por quark)
  • 1/2 colher de café de extracto de amêndoa amarga
  • 1 colher de café de fermento
  • 1 a 2 colheres de sopa de Stevia (facultativo: eu não pûs adoçante nenhum).
  • Amêndoas laminadas q.b para decorar
Numa tigela, misturar todos os ingredientes secos: a farinha, a amêndoa em pó, o fermento e o edulcorante. À parte, misturar todos os ingredientes húmidos: a compota, o queijo, a clara de ovo e o extracto de amêndoa amarga. Misturar tudo e colocar numa forma redonda com cerca de 12/13 cm ou então em formas de muffins. Colocar amêndoa laminada por cima. Levar ao forno pré-aquecido a 180ºC durante cerca de 40 minutos.


sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Divagação sobre relacionamentos


Sempre achei que relacionamentos nascidos na juventude resultam em casamentos mais problemáticos (generalizando, está claro). Existe demasiada bagagem conjunta. O casal conhece-se na juventude, com pouca bagagem emocional e pouca experiência amorosa. Vivem um momento louco de paixão e o amor assenta. No entanto, as pessoas crescem, amadurecem.

E muitas vezes a pessoa com 30 anos é completamente diferente da que tinha 15. Porque a vida molda-nos de uma determinada maneira, o que pode levar cada membro do casal a um caminho diferente. No entanto, o outro olha para a pessoa amada e não reconhece a pessoa por quem se apaixonou. Chegar aos 30 anos com uma história de 15 anos em comum pode fazer do casal um casal de "velhos", caídos completamente na rotina e no hábito. Demasiados habituados àquela pessoa.

E infelizmente há quem não percebe que é quando se deve lutar mais para reavivar os gestos de carinho e a paixão que nasceram há mais de uma década atrás. É difícil lidar com alterações de comportamentos, feitios e prioridades. É difícil viver com bagagens emocionais "conjuntas" porque se viveu tudo com aquela pessoa: os estudos, a entrada no mundo do trabalho, a morte de parentes, a doença, os medos, os deslizes, a felicidade extrema, os sonhos de juventude que não se concretizam.

Enfim, é difícil viver com outra pessoa. Saber partilhar, saber gerir expectativas e vontades que podem divergir com o passar dos anos, manter a chama acesa para que aquela pessoa não nos pareça por vezes um estranho. 

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Sushi@Home: sushi maravilhoso no conforto do lar ou do escritório



Há dias cancelaram-me uma reunião à última hora. Não tinha marmita e pouca vontade de sair do escritório. Decidi experimentar o serviço de entrega ao domicílio da Sushi@Home. Já tinha experimentado o Home Sweet Sushi e as experiências tinham sido péssimas.

Gostei muito do sushi do Sushi@Home: as peças são variadas, grandes, frescas e muito saborosas. Não é propriamente barato, mas é o preço justo para sushi de qualidade. Experimentei o menu de salmão (ideal para quem adora salmão). Mas também há menu de fusão e outro tradicional. Podem optar pelo menu de 16 peças com bebida por 15€ ou o menu de 32 peças (sem bebidas) por 25€. Depois têm várias variedades de extras (sashimi, gunkans, niguiris, uramakis, hossomakis). Provei os Gunkans de Manga e são deliciosos! Francamente gostei mais do sushi do Sushi at home do que do Sushic Chiado. 

Recomendo mesmo. O sushi é mesmo muito bom e é fantástico poder estar em casa, telefonar, agendar uma hora de entrega, e aparecerem-te com a encomenda bem condicionada e pagar por multibanco. Agora também têm loja em Sacavém (a entrega vai até à Póvoa de Santa Iria) e Algés. Se forem buscar às lojas, oferecem hot rolls. 

Se quiserem experimentar: http://www.sushiathome.pt/ 

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

A Ordem Oculta | Brad Thor


Já me tinham falado de Brad Thor e dos seus romances que misturam suspense, agentes secretos e luta contra o terrorismo internacional. Nunca me despertou muito a atenção mas depois de tantas recomendações, peguei no seu mais recente romance "A Ordem Oculta."

Tenho de admitir que foi uma agradável surpresa: uma história bem construída, muito suspense até à última página, e ainda uma boa dose de dados históricos e sobre a economia mundial. Foi difícil largá-lo, pois o enredo é mesmo emocionante e repleto de acção, conspiração e intriga. Gostei muito e fiquei com muita vontade de ler mais livros de Brad Thor. Haja tempo para devorar todos os livros da minha lista.... 

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Para começar bem a semana...


Este fim-de-semana foi bom, sem nenhuma razão em especial. Sou feliz quando consigo gozar os dias sem a pressão do tempo, aproveitando ao máximo o pequeno, sem stress nem preocupações. Houve tempo para muito mimo, brincadeiras e momentos felizes. No sábado, juntámos alguns amigos lá em casa e experimentei uma sobremesa nova que fez as delícias de toda a gente. É tão boa que não podia deixar de partilhar. É daquelas bem simples e deliciosas.

Tarte de Maracujá
  • 1 embalagem de massa quebrada fresca 
  • 1 lata de leite condensado magro
  • 2 dl de polpa de maracujá
  • 2dl de natas para bater
  • 4 ovos
Pré-aquecer o forno a 200ºC (a receita original fala em 180ºC mas o meu forno precisa de mais).
Colocar a massa numa forma para tartes, com fundo amovível. Picar o fundo da massa com um garfo. Numa tigela misturar bem o leite condensado (eu não coloquei a lata toda, deixei um pouco no fundo), a polpa de maracujá, as natas e os ovos. 
Verter o preparado sobre a massa e colocar no forno durante 35 minutos.
Depois de cozinhada, deixar arrefecer. Colocar com a ajuda de uma colher alguma polpa de maracujá por cima (coloquei uma camada fina, mas quem preferir pode colocar mais, mas atenção que torna a tarte mais doce). 

A fotografia não é a melhor, mas só sobrou uma fatia no final da noite....

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Batom líquido de longa duração da KIKO | Smart Colour Eyeshadow KIKO



Se há loja do demo, é a Kiko. Sempre que lá entro, saio sempre com alguma coisa. Da última vez, trouxe comigo o Unlimited Double Touch, um batom líquido de longa duração. A vendedora prometeu-me que não manchava a roupa, que era o batom da vida dela. Que era possível beijar sem deixar marcas e que aguenta o dia todo sem retoque, nem mesmo depois de comer. Impingiu-me um desmaquilhante bifásico porque senão era impossível de retirar à noite com um desmaquilhante normal. Atenção, eu fui a duas lojas e recorri a três vendedoras e todas me vieram com a mesma conversa. Comprei-o: a promessa de uma longa duração foi mais forte.

Agora a verdade. Gosto do resultado: não cola, não seca os lábios e aguenta mais tempo do que os meus outros batons todos (de qualquer marca). Se usarem só o lado da cor, conseguem um efeito mate e dura ainda mais do que com brilho. Mas tudo o resto é uma verdadeira treta! Normalmente coloco sempre batom  no carro depois de deixar o Simão. Desta vez pûs antes e dei beijinho ao Simão... que ficou todo marcado! (e sim, na pele é difícil de tirar). Se for beber, o batom deixa marca no copo. E não, não aguenta todo o dia sem retoque. E sim, consegue-se retirar (o pouco que resta ao fim do dia) com um desmaquilhante normal. 

Mesmo assim, recomendo o batom porque efectivamente tem uma duração maior do que aqueles que já usei. Mas se forem à Kiko e ouvirem os mesmos argumentos, não acreditem, nem comprem de propósito o bifásico. Custa 8,95€ e tem 24 cores disponíveis (eu comprei o 108 - Satin Currand Red - o da imagem).

Aproveitei para comprar também a sombra "Smart Colour Eyeshadow", num tom dourado/ metálico (segundo uma stylist é a cor que me fica melhor).  Gostei imenso do resultado: a cor é intensa mas discreta, a textura é cremosa, suave e macia e aplica-se facilmente. Aguenta todo o dia impecável. Tem um preço de 2,50€ e há mais de 32 cores disponíveis. (comprei o nº12 - o da imagem). 

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Stalker | Lars Kepler



Sou fã dos livros de Lars Kepler. Recomendo qualquer um (O Hipnotista, O Executor, A vidente [o que gostei menos] e o Homem da Areia), mas sugiro que comecem pelo O Hipnotista para acompanhar o desenvolvimento da personagem Joona Linna.

Stalker é um livro de cortar a respiração, que nos mantém cativado até à última linha, sempre com desenvolvimentos inesperados. É daquelas histórias que nos fazem sentir um peso no estômago. Não vão conseguir largar o livro. Recomendo mesmo por isso façam o favor de ir a correr para a livraria mais próxima :) 

Stalker fala-nos de um voyeurista assassino em série que aterroriza Estocolmo. Este filma as suas presas, sempre mulheres, na intimidade dos seus lares, coloca os vídeos no Youtube e envia-os também para o Departamento da Polícia Criminal.  Os homicídios são violentos e a polícia recorre ao hipnotista Erik Maria Bark para recolher informações de uma testemunha, mas o que esta lhe conta leva Erik a mentir à Polícia....

É um policial mesmo incrível, com um enredo muito bem construído, que nos faz suster a respiração e olhar por cima do ombro. Felizmente que não moro num rés-do-chão.

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

A Tarte - uma sugestão gulosa a não perder




Diz que a amêndoa sonhou ser tarte... e que tarte! Lá em casa, somos fãs de tarte de amêndoa. E esta superou todas as nossas expectativas. Quando via fotos, parecia-me demasiado doce. Mas é deliciosa e altamente viciante (acho que ninguém consegue ficar-se com uma única fatia). A massa é areada, fina e leve e a junção com a amêndoa é fantástica. Só vos digo: provem. Não se vão arrepender. É divinal e é impossível resistir-lhe. 

Eu fui buscar à minha ao El Corte Inglés (Lisboa) mas encontra-se em mais de 100 pontos de venda, e existe no Tarte Café no Terminal dos Cruzeiros de Santa Apolónia. Ganhei a minha num passatempo, mas o preço da tarte é de cerca de 19€  e 2,5€ a fatia.