sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Os aditivos alimentares e outros segredos escondidos nos rótulos



O Marketing tem várias estratégias para nos levar a comprar produtos supostamente mais saudáveis. Recordo com um sorriso o mais recente chavão "biológico" nos cubos Knorr. Dizem ser produtos light, sem açúcar adicionado, rico em fibras, receita tradicional, detox,... mas se olharmos com atenção para os rótulos, afinal são poços de ingredientes refinados e de aditivos, que podem ter um efeito muito nefasto na saúde. Actualmente existe mais de 300 aditivos autorizados... 

Desconfiar é a palavra de ordem
Corantes, edulcorantes, conservantes, etc., os aditivos alimentares invadiram a nossa alimentação.  Olhem sempre para as etiquetas e tentem perceber se estão a fazer uma boa opção. As listas de ingredientes mais curtas são as melhores, porque normalmente pertencem a alimentos com menos aditivos.

Hoje os aditivos são usados para dar mais sabor, uma cor mais atractiva e para aumentar os prazos de conservação. 

Basicamente, existem 5 categorias:
- Os corantes (E100)
- Os conservantes (E200)
- Os edulcorantes (E900 ou E400)
- Os antioxidantes e acidificantes (E300)
- Os agentes de textura (E400) 

Evitem alimentos com muitos "E". E atenção, mesmo os aditivos naturais podem ser perigosos para a saúde, em determinadas doses. 


Por isso, prefiram alimentos simples, pouco processados: frutas, legumes, carne, peixe frescos; produtos lácteos mais simples, queijo, etc. Evitem produtos de charcutaria. E cuidado com os edulcorantes: é preferível reduzir a quantidade de açúcar de uma forma geral. Desconfiem sempre nas publicidades. 

E lembrem-se: os rótulos apresentam os ingredientes que compõem o produto por ordem decrescente de quantidade. Assim, alimentos que tenham como primeiros ingredientes o açúcar, óleo e gorduras devem ser escolhidos com muita modelação. 

Produtos Light, 0% ou magros
O marketing gosta muito destas denominação, mas nem sempre quer dizer que estamos perante um produto saudável, porque muitas vezes o que se retira em açúcar é compensado em teor de gordura e vice-versa. Há casos em que o produto original é mais interessante nutricionalmente. 

Um produto light significa que teve uma redução de pelo menos 30% na quantidade de gordura ou sal ou açúcar em relação ao produto original. Um produto 0% indica a eliminação total de um desses nutrientes. Os alimentos magros são os que têm uma redução no teor de gordura (como o leite). 

Resumindo: é preferível apostar sempre em produtos frescos, da estação, de origem local e ler sempre com atenção os rótulos dos alimentos.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Snack de emergência (quando a TPM ataca)


Digam-me que não sou a única a ter dias em que tenho mesmo de atacar (literalmente) doces a sério? A última vez, ao serão, apeteceu-me tanto chocolate que me lembrei de uma receita que me tinha passado pelo instagram. Só fiz meia dose mas ficou muito bom. A textura não é bem a de um bolo mas é muito saboroso. Basta esmagar (numa caneca) uma banana, juntar 2 colheres de sopa de cacau magro em pó, 2 colheres de sopa de manteiga de amendoim, colocar 1 minuto no micro-ondas e esperar que arrefeça. Podem polvilhar com pepitas de chocolate ou frutos secos.

Fotografia daqui: @panelinha_de_sabores

Se tiverem curiosidade, este blogue tem várias receitas saudáveis interessantes: http://panelinhadesabores.blogspot.pt/ 

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Tríptico | Karin Slaughter



Sou fã dos thrillers da Karin Slaughter. Infelizmente, mais uma vez, as editoras têm optado por não seguir a ordem de publicação dos livros da mesma série. Este é o primeiro livro protagonizado por Will Trent. Quando soube que a meio do livro me seria revelado quem é o assassino, pensei que iria perder logo o entusiasmo, que não faria sentido. Mas é de mestre! Vamos descobrindo aos poucos como a história das várias personagens se encaixa. A construção das personagens e dos meandros da história é excepcional e única. A autora dá-nos várias pistas subtis que só fazem sentido para o leitor quando a autora nos revela a verdade. Neste thriller psicológico, ninguém é mesmo quem parece ser: todos escondem traumas, mentiras e um lado obscuro... 

Em Tríptico, Michael Ormewood é chamado para um homicídio num bairro social de Atlanta e depara-se com uma cena de crime dantesca (e sim, a autora brinda-nos com descrições à altura). Rapidamente se percebe que não se trata de um crime isolado, e o agente especial Will Trent é chamado para ajudar a resolver o caso. Crimes que estão ligados ao passado...

Adorei o livro e recomendo vivamente a quem gosta do género. Acho é inadmissível a quantidade de erros e gralhas que este livro contém. Mais um cartão vermelho à TopSeller, pois deveria apostar em revisores mais competentes.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Tarte de pêra deliciosa... e healthy


Não sei se é um sentimento partilhado, mas as segundas-feira têm-me custado cada vez mais... O que vale é que para a semana vou gozar alguns (poucos) dias de descanso.

A semana passada testei mais uma receita. Chama-se "tarte" mas tem mais a consistência de bolo, mas é deliciosa na mesma. Esta tarte de pêra faz-se muito rapidamente. Querem a receita?

Precisam de:
  • 2 ovos
  • 20 gr de açúcar (a receita original fala em 50gr)
  • 120 gr de leite
  • 130 gr de farinha (eu usei de centeio integral, de trigo integral e trigo)
  • Fermento qb
  • 1 iogurte natual (ou de soja)
  • 3 pêras 
  • Essência de baunilha
  • Açúcar amarelo para polvilhar a tarte antes de ir ao forno
Basta bater os ovos com o açúcar. Adicionar o leite, a essência de baunilha (coloquei a olho) e o iogurte. Misturar bem. Adicionar a farinha com o fermento. Numa forma de tarte, colocar uma folha de papel vegetal. Verter a massa para a forma. Descascar e cortar as pêras em dois. Retirar os caroços e cortar em fatias finas mas sem ser completamente. Colocar por cima da massa. Polvilhar com açúcar amarelo e cozer em forno pré-aquecido a 180º C durante 25 minutos. Deixei arrefecer. Está aprovadíssima.

Boa semana!

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Terasu - uma maravilhosa sugestão para amantes de sushi




Este restaurante foi-me recomendado por uma pessoa muito especial. Vi as fotografias e opiniões no Zomato e fiquei com muita vontade de experimentar. E foi uma agradável surpresa. Adorámos! Dos melhores all you can eat que já experimentámos. O menu tem várias entradas: sopa miso, carpaccio de salmão com pasta de azeitona, salmão braseado, guiozas e legumes panados. Depois vem o sushi: peixe fresco, bom corte, com peças variadas. As peças são criativas, algumas com combinações improváveis que resultam maravilhosamente bem. O serviço é feito aos pouco, dando-nos tempo para apreciar cada prato, e no final podemos repetir as peças que quisermos. Gostei mesmo do menu e quero repetir (o sushi é o nosso péché mignon, nada a fazer).

O menu infantil é que não é o ideal para uma criança com 5 anos. Tem basicamente as mesmas variedades de peças que os adultos, mas o pequeno arriscou e comeu quase tudo. Recomendo mesmo a visita. E parece-me que é um local pouco conhecido e acho que merece mais visitas. Supera de longe o Sushisan (menos molhos, mais variedades, mais equilíbrio nos ingredientes). 

Quem quiser ver a ementa, pode fazê-lo aqui 

Terasu
Praceta Gago Coutinho Bloco 1 Loja 1A - Santo António dos Cavaleiros 

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Mousse de Gelatina Royal


Finalmente testei a Mousse de gelatina da Royal de ananás. Prepara-se em 2 minutos: basta adicionar água fresca e bater com a varinha mágica. A mousse é saborosa e tem mesmo textura de mousse.

Mas entretanto li um post da Nutricionista Maria João Silva que me fez pensar. Gosto muito desta especialista porque apresenta factos, sem defender marcas. Refere que embora esta mousse apresente apenas 30 calorias por porção, esta pode não ser a opção mais saudável, pois a lista de ingredientes apresenta gordura de palmiste totalmente hidrogenada.

Passo a citar: "O processo de hidrogenação industrial consiste na adição de hidrogénio aos óleos vegetais polinsaturados para que passem de líquidos a pastosos ou sólidos. Na década de 90, começaram a surgir evidências que os compostos trans, formados durante a hidrogenação, poderiam ter um efeito perverso na saúde (aumento de colesterol e efeitos nefastos na saúde cardiovascular)."

Por isso, não se pode consumir regularmente este tipo de produtos. Será preferível fazer as suas próprias mousses: só assim é que se consegue controlar exactamente os ingredientes. 

Quem tiver interesse em seguir esta nutricionista no Facebook pode fazê-lo aqui. Faz a comparação de vários produtos da mesma gama e dá dicas valiosas.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Delícia de chocolate Bimby (versão mais saudável)


Todos devem conhecer a "Delícia de Chocolate" da Bimby, um bolo suave que fica com uma textura semelhante ao petit gâteau. A nutricionista de uma amiga sugeriu-lhe uma versão mais saudável com um toque After Eight. E ficou tão boa que não resisti em partilhar. 

Vão precisar de:

  • 6 ovos
  • 250 gr de chocolate negro com menta do Lidl (mas podem fazer com chocolate negro)
  • 50 gr de farinha de centeio
  • 2 colheres de sopa de stévia
  • 80 gr de manteiga (eu estranhei que a nutricionista deixasse a manteiga, mas enfim...)

Insira a borboleta na Bimby. Coloque no copo as claras e bata 6 minutos/ vel.3. Retire para uma taça e reserve. Pré-aqueça o forno a 200ºC.

Retire a borboleta e coloque no copo as gemas, a stévia e a manteiga e programe 5min/ 70ºC/ Vel.4. Adicione o chocolate, espere que funda e misture 20 seg/ vel.5. Adicione a farinha e misture 10seg/ Vel.5. Insira a borboleta e adiciona as claras reservadas e envolva uns segundos na Vel.2,5. Deite numa forma de silicone e leve ao forno cerca de 10 minutos. Como leva menos farinha do que a receita original, poderá levar mais alguns minutos. A nutricionista diz que é possível retirar totalmente a farinha.

Gostei mesmo do sabor a After Eight. O Simão também adorou o bolo "que sabe a pasta dos dentes"!

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

O caminho imperfeito | José Luís Peixoto


Este livro de não-ficção é surpreendente. São relatos soltos, que nos levam numa viagem entre recordações de infância (e que muito dizem sobre a nossa cultura e educação) e relatos de viagens até Banquecoque e Las Vegas, através dos quais conhecemos hábitos e as culturas locais. Muitas das reflexões fizeram-me repensar conceitos, maneiras de ser, e ideais. Fiquei deslumbrada com as introspecções do autor, os seus pensamentos soltos e as suas análises de vida. 

É um livro único: por depender da interpretação e leitura de cada um, de acordo com as suas  próprias vivências. 

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Bem-vindo Outono - Frutas para manter a boa forma

Será que é desta que o Outono chega mesmo? Admito que adoro estações intermédias, em que as temperaturas são amenas e pedem um aconchego extra no final do dia. Nasci no Outono e sempre amei o frio da manhã, saltar para as folhas caídas, aproveitar a chuva.

Chega o outono e as frutas da época. E ser saudável também é apostar nos produtos da estação, produzidos localmente. Convém é comê-los e não bebê-los: pois estaremos a ingerir mais calorias e a perder nutrientes essenciais que se encontram na polpa. 


Clementinas/ Laranjas
São ricas em vitaminas e fibras. A laranja tem cerca de 50 calorias por cada 100 gramas. Ajuda a diminuir os níveis de colesterol e ajuda na absorção do ferro (para quem sofre de anemias crónicas!). E claro aumenta a imunidade, ideal para a prevenção das constipações típicas desta época do ano. 


Endívias
Podem ser usadas em salada com nozes e queijo, mas tem um sabor um pouco amargo, e nem toda gente gosta. Adoro gratiná-las, o que as torna mais calóricas, porque senão têm apenas 17 calorias por cada 100 gramas.

Rabanetes
Ideal para adicionar a saladas ou para degustar com uma pitada de sal. Os meus preferidos são a variedade da foto (mais compridos). 100 gramas de rabanetes tem apenas 16 calorias. 

Kiwi
É uma das frutas com mais vitamina C. Ajuda a regularizar o trânsito intestinal e a pressão arterial,  e reforça a imunidade. Tem um baixo índice glicémico, o que faz dele uma fruta adequada para diabéticos. 


Dióspiros
Desde miúda que é uma das minhas frutas preferidas. Pessoalmente gosto mais dos rijos. O dióspiro tem um grande potencial antioxidante, anti-infeccioso, anti-inflamatório e anti-hemorrágico. Dizem que tem um papel importante na saúde ocular. Experimentem com um toque de canela: é delicioso!

Castanhas
Mesmo sendo calórica, a castanha traz grandes benefícios para a saúde. Tem muito potássio e diz que ajuda a conciliar o sono. É preciso consumi-la com moderação. 


Marmelos
Até ontem os marmelos eram apenas sinónimos de marmelada. Mas descobri que são deliciosos assados no forno. Basta fazer gomos, colocar um pouco de mel/ açúcar amarelo, Vinho do Porto, canela e assar no forno. Vão encontrar o sabor a marmelada, de uma forma bem mais saudável. 

Romã
O problema da romã é mesmo descascá-la! Não tem gordura, pouquíssimos hidratos de carbono, é rica em água e nutrientes, é de fácil digestão e é pouco calórica

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Por treze razões | Jay Asher


Trata-se de um livro para adolescentes e jovens adultos que retrata temas polémicos e sensíveis como o bullying, violência entre jovens, afirmação entre os pares, amor, vingança, etc. Faz-nos pensar em como pequenos acontecimentos isolados podem tomar proporções incontroláveis e podem ter um impacto na vida de certas pessoas. Pequenos incidentes que, somando-se a outros, transformam a vida de um adolescente, e o pode isolar dos seus pares e levá-los a situações extremas. 

O livro começa assim: "Olá, sou a Hannah Baker. [...] Põe-te confortável. Porque vou contar-te a história da minha vida. Mais especificamente, por que razão a minha vida acabou. E se estás a ouvir esta cassete, é porque tu és uma das razões". 

Clay Jensen é um dos conhecidos de Hannah Baker que acompanha a sua história através das cassetes gravadas por ela. É uma maneira original de descobrir o que aconteceu, e como cada personagem está envolvida. Não é um livro fantástico, mas é uma leitura agradável e interessante. 

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Panquecas de abóbora


Quando vi uma receita de panquecas de abóbora e canela, pensei que iria reencontrar o sabor dos sonhos de abóbora. Mas a ausência de açúcar e a falta da "fritura" fizeram a diferença. Não são más, mas o sabor ficou aquém do esperado. Deixo na mesma a receita para quem quiser experimentar:

Vão precisar de:

  • 150 gr de abóbora cozida
  • 1 ovo L
  • 100 gr de farinha integral (ou outra à escolha)
  • 80 ml de leite
  • 1 colher de café de canela em pó
  • Fermento qb
  • Facultativo: 10 gr de stévia ou 1 colher de sopa de mel ou 20 gr de açúcar amarelo

Precisam de cozer previamente a abóbora em água. Eu cozi-a no dia anterior para facilitar. 

De manhã, esmaguei a abóbora cozida (previamente escorrida). Misturei com o ovo. Num tacho à parte, misturei a farinha, o fermento, a canela. Juntar tudo e misturar até obter uma massa homogénea. Depois é só fazer panquecas como habitualmente.