segunda-feira, 24 de julho de 2017

Visitar Paris - Disneyland Paris









Quem for a Paris e não for à Disney, é como ir a Roma e não ver o Papa. É uma experiência que qualquer criança e adulto deve viver pelo menos uma vez na vida. É um lugar mágico, sobretudo para os mais pequenos. Os olhos do Simão brilhavam ao ver as suas personagens favoritas. A mim, nunca me encantou muito e, desta vez, achei que tinha parado no tempo: sem grandes novidades em termos de atracções em relação há 20 anos atrás e houve imensos problemas técnicos que levaram ao fecho e evacuação de atracções várias vezes por dia. Não se tratando propriamente da festa da aldeia, e estando a falar de uma Disney, achei inadmissível. 

Na minha opinião, as atracções ou são demasiado radicais ou muito bebés. Mas conseguimos divertir-nos sendo que a nossa preferida foi a montanha russa Big Thunder Mountain e o Star Tours (o pequeno ficou fã da série). Nunca tinha ido ao Parque Walt Disney Studio e vale a pena a visita mas não é prioritário. Centra-se mais na área dos filmes e dos seus bastidores. A atracção do Ratatouille foi a nossa preferida.



A Parada é linda, e conta com várias das personagens Disney. O Simão só ficou triste porque a Ana e a Elsa (Frozen) nunca estão disponíveis para fotos. O espectáculo dos 25 anos não nos cativou. Mas o espectáculo de luz à noite - Disney Illuminations,  é de cortar a respiração, com luzes, água, fogo de artifício. Deixa-nos literalmente de boca aberta e a sonhar. Maravilhoso, mesmo!



Comer na Disney é caro e péssimo. Pelo menos para o primeiro dia, venham prevenidos com comida. O parque tem inúmeros locais para encher as garrafas de água. Muitos dos restaurantes fecham muito cedo. À noite sobram meia dúzia de locais muito caros e péssimos. No último dia jantámos umas tostas mistas gordurosas e pagamos quase 50 euros! Mas às 21h00 já não havia mais opções disponíveis. 

Aconselho mesmo a adquirirem os bilhetes online, directamente no site da Disney. Foi o sítio mais barato que encontrei. Depois é só imprimir. 

Em relação à estadia, podem optar por ficar hospedado num hotel do Parque, mas não é para todas as bolsas. A vantagem é que as entradas do parque estão incluídas e que podem entrar no parque duas horas antes da abertura oficial, o que permite fazer as atracções mais concorridas mais facilmente. Nós ficámos num hotels associado que fica muito próximo do  Parque e oferece transfer entre o hotel e o Parque. Ficámos no Kyriad e gostámos muito. O quarto é simples mas tem tudo para uma estadia confortável em família, o pequeno-almoço buffet é muito variado, tem serviço gratuito para guardar as malas. Para chegar à Disney desde Paris, aconselho mais uma vez o RER C, uma opção acessível e rápida. 


sexta-feira, 21 de julho de 2017

Teia de mentiras | Heather Guderkauf


Há muito que um thriller não me prendia desta maneira. Uma história diferente, personagens misteriosas, com muitos segredos, um mistério difícil de desvendar (pelo menos para mim). Desconfiei de algumas personagens mas só no final é que descobri a verdade. 

Jack Quinlan vive durante muitos anos assombrado pelo assassínio de sua mãe, cujo corpo ele encontrou na cave da casa da família. Muitos anos depois, Jack tem de voltar à terra natal quando a sua tia Julia, que o criou depois da morte da mãe, sofre uma queda aparatosa nas escadas. O que poderia ser um simples acidente faz renascer segredos e medos antigos... Sarah, a mulher de Jack, decide desvendar os segredos que o marido guardou durante décadas...

Gostei mesmo da história e estou ansiosa pelo próximo livro da autora (parece que está para breve). Não o vão conseguir largar e acho mesmo que pode ser uma óptima companhia para as férias de verão. 



quarta-feira, 19 de julho de 2017

Paris - o que visitar



Paris tem uma enorme oferta a nível cultural. Existem centenas de museus, igrejas e locais de interesse. Há os mais óbvios e os menos conhecidos. Este site foi bastante útil para planear a nossa viagem e conseguir organizar os nossos dias por bairros. 

O que não podem mesmo perder em Paris? É sempre relativo: gostam mais de arte moderna ou antiguidades? De vida nocturna ou momentos relaxantes? Descobrir Paris para mim continua a ser percorrer as ruas, dar um passeio à beira do rio, ir experimentando a pastelaria e as especialidades locais... 

Não percam a Torre Eiffel (para comprar bilhetes online, pensem em fazê-lo com pelo menos dois meses de antecedência), o Dôme des Invalides, as pontes, a Opéra Garnier, o Louvre, Jardin des Tuileries,  la Place de la Concorde, le Jardin du Luxembourg, l´Arc de Triomphe, les Champs Élysées, le Grand Palais, le Petit Palais,  le Panthéon, le Moulin Rouge, Montmartre, le Sacré Coeur, les Forum des Halles, le Centre Pompidou, la Sainte Chapelle (top!), Norte Dame, les passages couverts, l´Église de la Madeleine, ... Paris tem tanto para ver e descobrir. Reservem pelo menos 3/4 dias para conhecer Paris. 

Aconselho mesmo a visita ao Château de Versailles, onde facilmente passam um dia, entre o palácio principal, os jardins, a casa de Marie Antoinette, le Petit Trianon. Podem levar piquenique para comer nos Jardins. Aconselho a visita aos fins-de-semana, terças ou quintas porque é quando as fontes são accionadas (embora durante poucos minutos). Comprámos o bilhetes online para evitar as filas (que foram enormes na mesma), e para aceder a tudo pagámos 27€/ adulto. Chegar a Versalhes é fácil: basta apanhar o RER C. 

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Visitar Paris







Paris é a cidade das Luzes, do amor. É uma cidade maravilhosa para deambular pelas ruas e jardins, sentar-se na esplanada de um bistrô a conviver, fazer um piquenique no Trocadéro. É uma cidade em que cada prédio é uma peça de arte. Quem ainda não conhece, não pode deixar de visitar Paris. Embora seja um destino bastante caro.

Gostava de deixar algumas sugestões e dicas para quem tenciona visitar Paris. Vou tentar ir publicando alguns posts sobre o tema.

Viagem
Hoje em dia os voos são a opção mais económica de viajar para Paris. Existem inúmeras low cost a fazer a ligação aérea e os valores dos bilhetes são bastante acessíveis. Recomendo viajar para o Aeroporto Paris Charles de Gaulle (CDG) ou Paris Orly. Nós viajámos pela Easyjet até CGD. No terminal existe ligação de RER (comboio) para o centro da cidade. É bastante rápido e cómodo e custa cerca de 10€ por adulto.

Estadia
Ficar hospedado em Paris é caro. Optámos por alugar um apartamento através da Airbnb, o que nos permitiu poupar na estadia, nos pequenos-almoços e nos permitiu fazer muitas refeições mais baratas (preparava quase sempre farnel para o almoço). A vantagem de Paris é que tem uma grande rede de metro (dizem que se encontra uma estação a cada 500m), pelo que se pode optar por zonas menos centrais e é cómodo na mesma (ficámos na zona de Bastille). 

Transportes
Paris é uma cidade plana e, como já disse, a magia da cidade reside em passear pelas suas ruas, encontrar estátuas, praças, edifícios lindíssimos. Andar de metro faz perder grande parte da magia e da beleza da cidade. Nós só fazíamos 2 viagens por dia de metro: para ir até à zona da cidade que iríamos explorar naquele dia e para regressar a casa. Existe uma tarifa especial/ por dia, que dá acesso a toda a rede de transportes em Paris. Para as 5 zonas (que permite ir à Disney e a Versalhes, por exemplo), para 5 dias fica a 52,20€ por adulto. As crianças a partir dos 4 anos pagam uma tarifa especial.

Mapas
Antes de partir descarreguei a aplicação Ulmon e é fantástica. É grátis, dá para aceder offline e indica-nos a nossa localização no mapa e conseguimos rapidamente identificar os melhores percursos para os locais onde pretendemos ir. Também nos indica supermercados, restaurantes, etc., mais pertos. Foi uma grande ajuda. Recomendo.

Neste site encontram também vários mapas que facilmente podem imprimir e levar convosco na mala. 

Sightseeing
Nunca tínhamos feito, e desta vez decidimos contratar um tour à noite, para fazer o Paris by Night. Paris é muito gira à noite e com o Simão seria difícil percorrer ruas de noite, porque às 22h00 ele já estava a querer dormir. Fizemos com a Paris Tourisme, ficou em 19€/ adulto, com audioguia em português em autocarro aberto. Valeu muito a pena. Recomendo. Também fazem passeios no Sena. 

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Férias!!


Chegou a altura de gozar as férias de verão. Como é habitual rumamos ao Norte. Estou sem vontade porque não queria ir para casa da minha mãe. Por isso nem sei quantos dias vou estar por lá. Desejem-me sorte e paciência, porque cada vez acredito mais que nasci sem ela!

Até breve!

Vou tentar ir dando notícias ano Facebook 

quarta-feira, 12 de julho de 2017

13 anos para sempre Marion | Nora Fraisse


Este livro fala-nos de bullying. Do Assédio entre crianças que leva ao suicídio. Admito que só peguei neste livro porque tenho um sobrinho que sofre exactamente do mesmo problema e que tentou o suicídio como escape. E, como no livro, os pais deparam-se com o silêncio e a inércia das instituições que deveriam proteger as crianças, nas suas próprias escolas. 

Estas situações são revoltantes e nem quero imaginar a revolta, o sentimento de impotência e injustiça que os pais sentem. Tenho um filho, e assusta-me muito. É um tema sério. Embora muita gente o menospreza e o justifica dizendo que sempre houve bullying. O problema é que hoje em dia as redes sociais e a tecnologia aumentou o nível de assédio, tornando-o mais "mediático", mais forte, mais fácil (a cobardia que as redes sociais potenciam), mais duradoiro (24/24h e não apenas no recinto das escolas). 

É fundamental que a sociedade esteja atenta e consiga proteger às suas crianças. Este livro vale a pena pela consciencialização. 

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Saiko



Lá em casa adoramos sushi e estamos sempre à procura de novas experiências. Há muito tempo que queria conhecer o Saiko, pois muita gente (nomeadamente o "Onde Vamos jantar") dizia que era o melhor da Grande Lisboa. No dia de aniversário do pequeno já é tradição irmos almoçar a dois. Este ano fomos até ao Estoril.

Ia com a ideia de experimentar o menu executivo de fusão, mas ainda bem que desisti da ideia porque teria ficado desiludida. De fusão não tinha nada e felizmente fui bem aconselhada pelo empregado que nos atendeu. Escolhemos o combinado Saiko San de 42 peças e cada peça foi uma surpresa em boca. Delirámos. A fusão está bem presente, mas deixa o peixe brilhar, nota-se a frescura do peixe, o bom corte, sem ser necessário recorrer a muitos molhos e artifícios. A variedade das peças é estupenda, e o Chef foi acessível às nossas preferências. 

O espaço é pequeno mas muito trendy e cosy, onde predomina o branco e o dourado. É um espaço muito elegante. Fantástico para um serão a dois. Deu-nos mesmo vontade de voltar para explorar melhor a Carta. Os preços não são os mais baratos, mas não achei caro. Passo a explicar: o valor é justificado pela qualidade e pelo tipo de peças que nos servem. Infelizmente, nem todas as bolsas (a minha inclusive) não suporta ir regularmente ao Saiko mas vale a pena ir lá em ocasiões especiais. 

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Salame de chocolate e avelã (mais fit)


As crianças estão de férias e é preciso mimá-las. Qual é o miúdo (e o graúdo) que não gosta de uma fatia de salame? Fiz esta receita no aniversário do pequeno e foi um verdadeiro sucesso. Se pudermos satisfazer a gula de uma forma mais saudável, porquê resistir? O resultado não é muito doce e vai depender do teor em cacau do chocolate que usarem. A quantidade de etapas da receita pode assustar mas é fácil. Nunca tinha feito salame da vida e correu lindamente. Se eu consegui, qualquer pessoa consegue!

Vão precisar de:
  • 200 gr de bolacha maria
  • 100 gr de chocolate negro amargo (eu usei de 85% com um pouco de 50% por causa das crianças)
  • 1/2 chávena de avelãs
  • 2 colher de sopa de leite vegetal
  • 3 colheres de sopa de açúcar amarelo
  • 3 colheres de sopa de manteiga vegetal (devem poder substituir por óleo de coco...)
  • 1 colher de café de extracto de baunilha
  • 1 colher de sopa de linhaça moída
  • 2 colheres de sopa de água quente

Parta as bolachas em pedacinhos (não use o processador), coloque-as num saco transparente fechado e bata com um rolo da massa. 

Separe os quadrados de chocolate.

Pique grosseiramente as avelãs com uma faca afiada. Leve a tostar numa frigideira anti-aderente (sem gordura) por cerca de 3 minutos ou até dourarem.

Aqueça o leite e dissolva o açúcar. Acrescente a manteiga e o extracto de baunilha e mexa. Retire do lume e junte os quadros de chocolate, mexendo até obter um creme liso.

À parte, misture a linhaça com a água quente e mexa energicamente até formar uma goma. Deite a goma da linhaça, o creme de chocolate e as avelãs na taça das bolachas e envolva bem para obter uma massa pegajosa.

Estenda uma folha de papel de alumínio ou um pedaço de película aderente na bancada. Deite a mistura ao longo da folha, cubra e molde em forma de rolo, pressionando com as mãos, para que fique compacto.

Leve ao frigorífico para solidificar durante pelo menos 6 horas. Sirva cortado em fatias.

Deliciem-se!

A fotografia não corresponde à receita. Foi retirada da net. 

Bom Fim de semana!

terça-feira, 4 de julho de 2017

Ground Burguer, a melhor hamburgueria de Lisboa?




Muita gente afirma que o Ground Burguer é a melhor hamburgueria de Lisboa. Não consigo confirmar, porque nunca vou a uma hamburgueria. Esta despertou a minha curiosidade com todas as fotografias que via no instagram de hambúrgueres suculentos e bem apetitosos. E as críticas têm sido muito positivas. Por isso, tive mesmo de experimentar. Eu bem disse que o mês de junho foi o mês da desgraça!

A decoração do espaço é muito simpática, muito industrial, com prateleiras feitas com tubos, e azulejos bem temáticos. Escolhemos os dois hambúrgueres mais pedidos da casa: o Ground Burguer (carne, queijo cheddar, alface, tomate, cebola roxa, e molho especial) e o Baconcheese (carne, queijo cheddar, bacon crocante fumado, alface, tomate, cebola roxa, molho BBQ fumado). Os dois são muito saborosos mas o BaconCheese foi o preferido, com um sabor mais acentuado. Nota-se a qualidade dos ingredientes, sobretudo do pão levemente tostado. Gostámos imenso. E as batatas fritas com alho e alecrim, servidas com maionese de alho, são altamente viciantes. A Carta de cervejas artesanais é muito interessante. Os colaboradores são muito simpáticos, sempre com um sorriso nos lábios. Foram muito atenciosos com o Simão. 

Foi uma boa experiência, mas a verdade é que o valor é um pouco proibitivo. Como não vamos regularmente a hamburguerias, acho que vale muito a pena. A verdade é que também tenho ouvido falar muito bem do B Temple, e sou bem capaz de experimentar um dia destes... 

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Bowlcake de Snikers


Depois de toneladas de croissants, pains au chocolat, pains aux raisins, caracóis de passas, macarons e outras delícias da melhor pastelaria francesa, tenho de regressar aos bons hábitos. Junho foi o mês da desgraça. Tantas festas, tantos convívios, férias e nem sempre comi pratos saudáveis... Mas aos poucos vamos voltando aos bons hábitos. 

Esta é uma nova receita de Bowlcake que tem por nome "Bowlcake de Snikers". O Snikers é o meu chocolate preferido [suspiro] e, com este nome, claro que só poderia ser delicioso, certo?

Ingredientes:

  • 1 ovo
  • 1 banana madura esmagada
  • 40gr de flocos de aveia
  • 1 colher de café de fermento
  • 2 colheres de sopa de manteiga de amendoim (colocar um pouco menos)
  • Pepitas de chocolate negro 75% qb
  • Também podem colocar amendoins (mas eu não tinha)

Nada mais simples e rápido: numa taça é só esmagar a banana, adicionar o ovo, a manteiga de amendoim, os flocos, o fermento. Misturar bem e juntar algumas pepitas de chocolate a gosto. Misturar mais uma vez. Colocar no micro-ondas cerca de 3 minutos e meio. Deixar arrefecer, sentar à mesa e deliciar-se com este pequeno-almoço fantástico. 

sexta-feira, 30 de junho de 2017

4 3 2 1 | Paul Auster



Nunca tinha lido nada de Paul Auster, e comecei pelo último livro por ele publicado (depois de estar sete anos sem publicar nada). A capa dizia que se tratava do livro mais complexo do autor: mas não me demoveu. 

O livro conta a história de vida de Archie Ferguson, ou antes, 4 variantes da vida de Archie. O autor mostra-nos como cada pessoa é fruto das circunstâncias da vida. Como acontecimentos que podem parecer banais, e por vezes sem importância, nos podem levar por outros caminhos, para braços de outras pessoas, para sítios diferentes, para vidas totalmente opostas. 

Embora seja um livro complexo e denso, com quase 900 páginas, é uma leitura cativante. O livro está repleto de cenários e acontecimentos históricos modernos abordando temas sociais estruturantes como o racismo, a segregação racial, as classes sociais, a guerra, ideais políticos, homossexualidade, etc. 

Este livro mostra uma riqueza, uma maturidade de escrita e uma fluidez de pensamento enormes. É um livro para saborear e interiorizar com tempo. E deu-me vontade de ler mais livros de Paul Auster.