quarta-feira, 22 de março de 2017

Panquecas de Cacau


Tenho de estar sempre a variar à mesa, por isso estou sempre a experimentar receitas novas. E estas panquecas de cacau estavam maravilhosas, mesmo sem topping, ficaram muito saborosas. Mas devem ficar boas com iogurte e frutos vermelhos. Experimentei com um pouco de doce Dalfour de amora e gostei.

Para recriar estas pequenas maravilhas, vão precisar de:
  • 1 ovo
  • Meia chávena de farinha de centeio 
  • Meia chávena de farinha de aveia
  • 1 colher de café de fermento
  • 2 colheres de sopa de cacau magro
  • 1 chávena de leite (à escolha)
  • (a receita dizia 1 colher de sopa de mel, mas não coloquei nenhum tipo de adoçante)
Batem o ovo, adicionem o leite, e misturem. Juntem as farinhas, o cacau e o fermento. Batem com uma vara de arames. Depois é só fazer as panquecas e deliciar-se. Foram aprovadas por todos lá em casa. 

terça-feira, 21 de março de 2017

História de quem vai e de quem fica | Elena Ferrante


Elena e Lila, as duas amigas que temos vindo a acompanhar desde A Amiga genial e História do Novo Nome, são agora duas mulheres adultas que enfrentam os anos 70, numa época de mudanças sociais, culturais e políticas, marcadas pela emancipação da mulher e confrontos de classes. 

Este livro é apaixonante, maravilhoso. Rendi-me completamente. As personagens são complexas mas Elena torna-se mais "humana". Vivemos, ao longo do livro, várias reviravoltas surpreendentes e fascinantes. O final deixa-nos completamente em êxtase pelo volume seguinte. Adorei este livro e recomendo mesmo esta série. 

segunda-feira, 20 de março de 2017

Peito de frango com quark




Cuidar da alimentação não significa que só se pode comer comida aborrecida. Em casa, facilmente ficam fartos de grelhados, por isso tenho de estar constantemente a inovar. Tinha uma embalagem grande de quark aberta e pensei fazer um género de strogonoff mais saudável. Ficou delicioso e é muito rápido de fazer, por isso decidi partilhar:

Ingredientes:

  • 2 peitos de frangos cortados em tirinhas
  • 200 gr de cogumelos laminados
  • 1 pimento e meio (eu prefiro vermelho) cortados em tiras
  • 1 cebola cortada em meias luas
  • 8 tomates cereja, cortados em metades
  • 8 colheres de sopa de queijo quark 0%
  • 4 colheres de sopa de polpa tomate
  • 2 colheres de chá de mostarda de dijon
  • 3 colheres de chá de molho inglês
  • Azeite q.b
  • Sal e pimento q.b

Preparação:
Tempere o frango com sal e pimenta. Numa frigideira anti-aderente, coloque um fio de azeite e cozinhe o frango. Quando estiver completamente cozinhado, retire da frigideira e reserve.
Na mesma frigideira, coloque um fio de azeite e refogue a cebola até ficar translúcida. Junte o pimento, tomates e cogumelos e deixar saltear (deixar os legumes crocantes).
À parte misture a polpa, o molho inglês, a mostarda, sal e pimenta. 
Junte este molho à frigideira. mexer bem. Retirar do lume, juntar o frango e misturar. Juntar o quark. Mexer bem e está pronto a servir. 
Comi com salada à noite e levei na marmita com arroz branco. Prometo não me tornar um blogue de culinária, mas gosto de partilhar receitas mais saudáveis quando correm bem porque sei que há por aí muita gente interessada em comer melhor. 

quinta-feira, 16 de março de 2017

Oopsies: o "pão" sem hidratos de carbono


 À saída do forno

Quem está de dieta, costuma ter um cuidado redobrado com a quantidade de hidratos de carbono que ingere. Eu adoro pão e não consigo viver sem ele. Mas não deixei de ficar curiosa com os Oopsies, o chamado pão sem hidratos. Digamos a verdade: de pão não tem nada. Quem gosta de pão não encontra ali um substituto à altura. Mas é mesmo saboroso, com um toque de queijo, e é muito bom para o lanche, para comer com fiambre, queijo, doce ou mesmo assim simples. Outra vantagem: é que não tem glúten. Experimentem: são simples de fazer e são mesmo saborosos e fofos. 

Vão precisar de:

  • 3 ovos
  • 90 gramas de quark
  • pitada de sal
  • Sementes de chi, sésamo, girassol, orégãos, etc. 

Preparação:
Bater as claras em castelo com uma pitada de sal. Noutra taça, misturar as gemas e o quark. Envolver as gemas com o queijo nas claras de forma delicada, para não perderem muito ar. 
No tabuleiro do forno, colocar uma folha de papel vegetal. Colocar pedaços da massa com uma colher da sopa. Polvilhar a gosto com sésamo, chia, orégãos, girassol, etc.
Levar ao forno a 160 graus durante 25 a 30 minutos ou até ficar dourado. 


No momento da prova, com fiambre de peru. Gostei mais com orégãos por cima

quarta-feira, 15 de março de 2017

Cada maluco tem as suas taras






Gosto muito de decoração e regularmente vou mudando alguns apontamentos lá em casa, sempre reciclando e dando uma nova vida ao que já tenho. Mas há duas coisas que nunca verão em minha casa: relógios e estantes.

Adoro relógios e guardo religiosamente um de bolso do meu pai. São peças lindíssimas, mas não consigo tê-los expostos em casa. O único que tenho é o do forno. Gosto de estar em casa sem a pressão do tempo. Não gosto de ser sempre pressionada pelo passar das agulhas. 

Como devem imaginar, ao ritmo que leio (e felizmente muitos vou buscá-los à biblioteca local), tenho muitos livros em casa. Mas nunca terei aquelas estantes com os livros alinhados, certinhos, ordenados por cor, ordem alfabética, editora ou outro critério. Dá-me urticária. Para mim os livros são uma essência viva, que me tocaram, que fazem parte integrante da casa e de quem os leu. São muito mais do que um objecto decorativo. Por isso não consigo confiná-lo a um lugar marcado, guardados e esquecidos numa estante. Os meus livros estão espalhados pela casa, em lugares mais ou menos inusitados, desalinhados, mais ou menos escondidos. Inspirei-me nesta foto da Sofia do As nove no meu blogue, para o meu próximo "reaproveitamento". Quero recuperar a "valise en carton" dos meus pais, uma mala vermelha e preta que levaram para França quando emigraram para destacar uns livros especiais na sala. 

Mas gosto muito de estantes originais, mas não tenho espaço para elas... 


terça-feira, 14 de março de 2017

Crepes de centeio


Adoro centeio: no pão, nas panquecas, nos croissants da Padaria Portuguesa..., por isso quando dei de caras com uma receita de crepes de centeio no instagram, pensei "porque não?".

Gostei do resultado, mas as crepes de aveia têm um sabor mais acentuado. Mas é bom para mudar um pouco.

Se quiserem testar, vão precisar de:

  • 1/3 chávena de centeio integral,
  • 1/2 chávena de leite (a receita original diz 1/3 mas pareceu-me pouco)
  • 1 ovo
  • Fermento qb

Bater o ovo, adicionar o leite e depois a farinha com o fermento. Misturar bem com uma vara de arames. Fazer os crepes e rechear segundo os desejos do momento. O segredo para os crepes está numa boa crepeira anti-aderente, porque nem precisa de se pincelar com gordura nenhuma. Adoro a minha (da Tefal), mas queria comprar uma mais pequena.

segunda-feira, 13 de março de 2017

Como vento selvagem | Sveva Casati Modignani



Como vento Selvagem fala-nos de um campeão de Fórmula 1, Mistral Vernati, que sofre um grave acidente na pista de Monza. Enquanto luta pela vida, a autora apresenta-nos a história de várias personagens: Maria, a sua companheira; Chantal, a sua esposa oficial; os seus filhos, entre muitas outras.

Foi a primeira vez que a autora aborda a temática da Fórmula 1, mas mantém o registo habitual de relatar a história de vida de várias mulheres, de personalidades fortes, num registo que intercala passagens do passado e do presente. É um livro simples, que não traz grandes emoções. Não recomendaria: é daqueles livros bons para aqueles dias em que procuramos um livro como escape, sem grande envolvimento emocional da nossa parte. Depois de tantos livros, Sveva já não me emociona...

quarta-feira, 8 de março de 2017

Restaurante Absurdo





Depois de ouvir falar tão bem do Absurdo, o novo restaurante do Olivier em Lisboa, fui experimentar a sandes de frango e a de bacalhau. As notícias diziam "as sandes são tão grandes que chegam a ser absurdas". Não sou mulher de grande alimento, e estava a espera de sandes bem maiores. São grandes sim, dá para partilhar, mas uma pessoa que come bem, atreve-se bem com ela. 

Vamos às sandes. A "Gaita de Bacalhau" leva bacalhau, ovo, humus coentros e salsa, portanto estava a espera de um festim de sabores. Mas a sandes é completamente desenxabida: não sabia a nada, literalmente. Passámos então à "Frango à Leitão", com frango temperado à bairrada e batata palha. Esta era bem mais saborosa, mas a quantidade de frango era mínima (um bocadinho de frango por bola é demasiado pouco na minha opinião). E para comer sandes só com pão, vou à tasca da esquina e não pago quase 8 euros por ela. Outro ponto negativo: as sandes chegaram à mesa completamente frias, e eu odeio comida fria (quando é suposto ser quente ou morna). Tal como odeio passar um frio de rachar num restaurante, como aconteceu nesse dia, em que não tirei o casaco (como a maioria dos clientes). O ponto positivo: o pão é realmente bom, leve, saboroso, levemente tostado, e diferente. A decoração é moderna e trendy. 

Moral da história: não achei mesmo nada de especial (ou então tive mesmo azar no dia) e não voltarei ao Absurdo. Estava com vontade de experimentar o Pito do Bairro, também do Olivier, mas até fiquei com receio.

terça-feira, 7 de março de 2017

O Rouxinol | Kristin Hannah


Este é um livro que fala de vários tipos de amor (o que une um homem e uma mulher, irmãos, amigos, pais e filhos) e também de amor próprio, de vergonha, de medo, de superação, de ideais. A história passa-se em plena Segunda Guerra Mundial: Kristin Hannah dá-nos a conhecer a vida de Vianne e Isabelle, duas mulheres que irão superar as atrocidades da guerra, cada uma à sua maneira. Muitas vezes esquecemos-nos do papel que as mulheres têm em tempo de conflito. É um livro que nos faz pensar sobre conceitos importantes através de comentários e opções de vida das personagens. 

Admito que no início o livro não me prendeu: as personagens não tinham aquela "aura", aquela garra e personalidade que cativa e que nos faz querer saber mais. Mas a autora consegue mudar o rumo da história, e começa a dar-lhe ritmo, a criar emoções fortes (sim, fez-me chorar), a fazer-nos crer que a história segue numa direcção, mas vai noutra oposta, de forma inesperada. 

É um livro com cenas tristes e apaixonantes que nos ensinam que o importante será sempre seguir em frente. E nisso, acho que as mulheres são sempre muito mais fortes do que os homens: na auto-superação, em nome do nosso amor e do amor que temos pelos nossos filhos. Leiam, acredito que vão gostar. 

segunda-feira, 6 de março de 2017

Waffles de Aveia



Este fim-de-semana revisitei a nossa receita de waffles para a tornar ainda mais saudável: e resultou na perfeição. O pequeno também aprovou. Acho engraçado esta geração que vê os pais a comer melhor. Quando lhe perguntei o que queria pôr por cima dos seus waffles estava à espera que me respondesse doce ou Nutella. Mas não, quis iogurte e sementes. 

Para quem quiser experimentar, vai precisar de:

  • 1 ovo
  • 125 gr de farinha de aveia
  • 1 colher chá de fermento
  • 240 ml de leite
  • Essência de baunilha (q.b) 


Basta misturar tudo, deixar aquecer bem a máquina de waffles, deixá-las cozer e deliciarem-se.

Boa semana!

[foto retirada da net]

quinta-feira, 2 de março de 2017

Banana Bread D.E.L.I.C.I.O.SO!



Há imenso tempo que queria experimentar um Banana Bread, mas são tantas as receitas disponíveis que foi difícil optar por uma. Mas acho que escolhi bem. Esta versão é mesmo deliciosa! Ideal para o pequeno-almoço ou para o lanche, para miúdos e graúdos e sem gordura adicionada. Tem uma textura muito boa e a junção de banana, nozes e chocolate negro é viciante. 

Vão precisar de:

  • 3 bananas maduras
  • 160 gr de farinha à escolha (eu fiz com 100gr de farinha de trigo com fermento e 60gr de farinha integral de centeio) 
  • fermento (dos bolos) q.b
  • 25gr de açúcar amarelo
  • 2 ovos
  • 30gr de nozes picadas
  • 40 gr de pepitas de chocolate preto amargo (usei de 80%)
Pré-aquecer o forno a 180ºC. Cortar as bananas às rodelas e esmagá-las com um garfo. Num taça, colocar a banana, e a farinha e o fermento. Misturar bem com um garfo. Juntar o açúcar e misturar bem. Bater os ovos e incorporá-los na mistura anterior. Adicionar as nozes e as pepitas de chocolate. Verter a massa para uma forma rectangular de silicone. Cozer durante 40 minutos a 180ºC.