terça-feira, 3 de julho de 2012

Um amor perturbado

Sou apologistas que há "pecados" que têm que ser confessados. É em parte por muitas mulheres não admitirem a verdade que outras se sentem as piores do mundo porque se sentem diferentes, anormais. Claro que nem todas passam pelo mesmo mas sei que não sou a única.

Os primeiros dias da maternidade foram muito difíceis. Apesar de muita gente avisar, nunca imaginamos o que vivemos no corpo e na mente. Além de ter tido um pós-parto complicado nos primeiros dias, é um misto de emoções que me deixaram de rasto. Só chorava pelos cantos a sentir-me a pior mãe do mundo. Nem consigo explicar o que me passava pela cabeça. A criança só chorava, não dormia, não se queria na cama, etc., e a exaustão das mamadas de 2 em 2 horas. E a amamentação que sempre correu mal, entre dores, mamilos super gretados, más pegas, enfim... Uma pessoa vai-se abaixo sem perceber porquê. E sentimos-nos ainda pior porque esta deveria ser a fase mais feliz da nossa vida.

Ainda hoje é um bebé difícil, mas estou mais serena e mais feliz. Sei gerir melhor esta fase. O marido foi sempre uma grande ajuda. O S. continua a não gostar de estar sozinho, de odiar dormir na cama dele, de abrir as goelas de forma invulgar, de detestar estar sem roupa e de dificultar o processo de amamentação, mas estou mais segura e forte para tratar dele.

E sim, estou cada vez mais apaixonada por ele!

22 comentários:

MissBlueEyes disse...

Oh minha querida, eu tb fui abençoada com a "tua" sorte. Sei bem o que isso é. E olha, queres um conselho? Não gosta de estar sozinho, paciência! Deixa-o! Ele chora, mas é os primeiros tempos. Não fiz isso com o S. e até na creche ele nunca quis estar sozinho, assim como agora. Assim que a professora e as auxiliares o deixavam sozinho, ele chorava, está em todas as avaliações dele. Por isso, habitua-o desde cedo! Olha que no próximo vou fazer isso! Eu sei que falar é fácil...

Enviei uma mensagem para ti quando ele nasceu, mas recebi a dias o aviso de que não foi enviada. Isto porque o sistema android, se não tiveres a net activa, quando uma mensagem normal é grande passa automaticamente para mms e não envia sem internet móvel activa, e não sabia. Só este fds é que consegui resolver a situação. Por isso cá vai o que te tinha dito. Quando puderes e achares que estas em condições de receber visitas diz qualquer coisa, que gostava de ir ai levar um miminho para ele. Ok? Beijo grande. E pensa que nos primeiros tempos nos sentimos as pessoas mais incompetentes do mundo, mas isso é completamente absurdo. Damos o nosso melhor, e isso é o suficiente! Abraço apertado cheio de força!!!!

Joa disse...

Compreendo...

Opinante disse...

Forcinha para todos :)

Alminhas disse...

Olá Dina:) Coloquei um post no meu blogue que vai de encontro ao que disseste.Eu também fiz cesariana e sei o que queres dizer com dias difíceis! Mas eles são uns anjinhos lindos e o amor que sentimos por eles é tão infinito, que compensa tudo:) Beijinhos grandes para vocês

Sara disse...

A cada dia é mais fácil! É mesmo...
Força, Dina, sei muito bem o que isso é...
Beijinho

Isa disse...

Imagino que não seja fácil! Principalmente porque temos a tendência de apenas ouvir as descrições boas, e depois vamos a ver e as coisas não se passam tão bem connosco.. Espero que tudo corra bem! Beijinhos

dreams disse...

O meu já fez no passado dia 22, onze anos e ainda hoje tenho tantas inseguranças em relação a ele, acho que ser mãe é mesmo isso. O meu pós-parto tb foi muito complicado, mas fiz realmente o meu melhor, segui sempre o que o meu coração e bom senso me diziam, porque quando ouvimos as outras pessoas ficamos completamente baralhadas. Devemos ouvir experiências de outros, mas cada um é como cada qual e em toda a tua vida nada melhor para o teu filho que seguires sempre o teu instinto de mãe, para mim, uma mãe sabe sempre o que é o melhor para o filho. Beijokas para os dois, e votos de que os tempos melhores e mais serenos cheguem muito depressa!!!

Cris disse...

estás a apaixonar-te? tás feita :) isso nunca mais se despega!

Coragem e não o deixes "abusar" de ti, é treino para o futuro!

CAlma que ele são pequeninos mas rijos

Miss L. disse...

O teu texto poderia ser meu!

Só não tenho tido tantos problemas com as noites...de resto sinto-me como tu...aliás, como bem sabes! Ao início acho q ainda me senti pior...e agora tb já tenho mais força...mas andar sempre nos medicos tem-me deixado de rastos!

Mas somos fortes e vamos conseguir! Ninguem disse q era fácil! Tb gostava de ter tido quem me contasse a sua experiência enquanto ainda estava grávida!

Beijocas

Unknown disse...

parece que estou a ler o que me vai na cabeça neste momento. A minha princesa nasceu dia 23/6 e acho que hoje foi o unico dia em que não chorei :-( tem sido verdadeiramente desgastante, ela só quer estar a dormir ao colinho , e não se aguenta na caminha dela nem por nada :-(
andamos arrasados de cansaço.
tenho-me sentido a pessoa mais inútil do mundo, até parece que me sinto má mãe por não estar a aproveitar esta fase como devia :-(
se te disser que desde que viemos para casa ainda nem lhe consegui tirar uma foto como deve ser.
as prendas que fomos recebendo por estes dias, ainda estão nos sacos encostadas a um cantinho no quarto dela...
para ir simplesmente ao wc é uma odisseia porque ela só está bem ao colinho.
E as noites ainda são piores :-/
enfim...tenho esperança que daqui a uns dias consiga falar com o mesmo optimismo que tu.

beijinhos

Mary disse...

Ainda não sou mãe, mas através do convívio com as amigas que já viveram essa experiência, consigo perceber-te muito bem!

Acho que todas as mulheres devem passar por isso. Só que umas conseguem disfarçar melhor e agem como se estivessem fantásticas, quando na realidade sentem exactamente todo esse turbilhão de emoções.

Força mamã! :)

i. disse...

Sou novinha, não sei o que é ser mãe, e por isso posso estar a falar sem saber.. Mas eu acho que não te deves julgar por nada :) É o teu primeiro filho (e mesmo que não fosse, se tiveres mais filhos, vão ser diferentes, vais ter que aprender a lidar com o jeito de ser deles), estás insegura e cheia de medo de não lhe dares o que ele precisa.. Mas, acima de tudo, és mãe :) E as mães sabem sempre aquilo de que um filho precisa. E o amor incondicional que lhe têm é a melhor coisa que lhe podem dar! Força nisso e as maiores felicidades :D

Devaneios.de.mestra disse...

Interessa é que o casal, junto, ultrapasse esta fase com muito amor e paciência :)

disse...

Olá Dina:
A felicidade também se constroi nas dificuldades. Tudo faz parte de um aprendizado, o importante é realmente ires gerindo as coisas da melhor forma possível e com muito amor.
Num futuro muito próximo não passará tudo de boas recordações.
Felicidades!

Lara disse...

Olá,
Parabéns pelo post sincero, apesar de haver bebés que facilitam um pouco mais a vida aos pais e outros que são mais difíceis nos primeiros tempos, acredito que todas as mulheres passam por esse turbilhão de sentimentos, nem que seja pelas danadas das hormonas.
É de facto uma fase que pode ser exaustiva, tanto física como psicologicamente, mas ao mesmo tempo, como dizes, vai sendo acompanhada por um amor cada vez maior. Nós, as mães, vamos aprendendo a gerir tudo e vamos também criando mais cumplicidade com os nossos filhotes, até um dia tudo se tornar tranquilo sem muito esforço, é algo natural, estamos programadas para isto :)
Olha, apesar de não gostar de dar palpites de fora, deixo só uma ideia que funcionou muito bem com o meu filhote (e claro está, pode não funcionar com o teu, pois cada um tem as suas necessidades): quando o punha no berço ele chorava que se fartava e então adormecia-o à mama e depois passava-o para o berço. Um dia experimentei pô-lo a dormir na alcofa (do carrinho, tinha um trio) e a partir daí dormiu lá até caber. De dia e de noite. Não sei se sentia mais aconchegado, só sei que foi uma maravilha.
Beijinhos e felicidades!

Je disse...

Os primeiros tempos são horriveis. As noites pincipalmente. A minha era "fácil" mas houve uma semana que tive vontade de a atirar janela fora, literalmente. Espetei-a no colo do pai e disse "desaparece-me daqui com ela que eu preciso de dormir 10m senão rebento, já nem a posso ver". Foi tão desgastante que apetecia-me fazer uma vénia ás mães com 2 ou mais filhos e tinha pena das que tiveram gémeos e foram obrigadas a pasar por tudo a dobrar. Achava que eram malucas por se aventurarem novamente. Agora a maluca sou eu, que estou a tentar novamente...vou ter dias que me vou arrepender de-cer-te-za! Mas não há mal que nunca acabe, uns dias melhores, outros piores e descansa (era o meu maior medo) quando chegar a altura de voltar ao trabalho eles já têm alguns horários e já se suporta melhor.

Saltos Altos Vermelhos disse...

O bom disto tudo é que a cada dia que passa aprendemos mais um bocadinho e é avassaladora a velocidade a que este amor cresce.

Faz de Conta disse...

Eu passei exactamente pelo mesmo, e mesmo vendo que a amamentação não corria nada bem, levei até ao fim. Mesmo, com sangue na boca dele dos meus mamilos e dores horríveis, insisti e a partir dos 4 meses, sim foram 4 meses sempre a sofrer em cada mamada, já começou a ser mais fácil. Foram precisos 4 meses para ele aprender a mamar bem, mas conseguimos :) e apesar de ter sofrido imenso, ainda hoje sinto saudades de o ter no meu colo a mamar e eu a apaixonar-me por ele cada vez mais :)
Força!

CS disse...

Olá querida,

a minha já vai com 6 meses mas parece que foi ontem que vivi tudo muito parecido.
Ela não ficava sozinha em lado nenhum. Quando a colocava no berço chorava como se tivesse a colocá-la sobre uma cama de pregos. Na amamentação ela pegava muito bem mas fiquei toda gretada porque mamava quase de hora a hora e durante mais de meia hora. Era um penar para a tirar do peito.
Fiz o que achei melhor. Dei todo o colo que ela pediu, toda a mama que quis, toda a companhia que precisava.
Nunca fui capaz de a deixar a chorar com a filosofia de que se habituam.
A minha pediatra aconselhava colo e mimo, muito mimo. Dizia que os bebés precisam de se sentir seguros e amados, que deixá-los chorar não os faz acreditar nisso. Depois dos 4 meses é que começa o processo de aprendizagem e a redução de colos e outro tipo de atenções. Disse-me ela. É uma opinião.
Agora (com os 6m) já fica no seu berço sem gritar. Já mama menos tempo (de noite continua de 2h em 2h). Já se entretem períodos de tempo sozinha.
Não acredito que seja nos primeiros 3 meses que vamos já educá-los a ficar sozinhos, a dormir sozinhos, a chorar sozinhos. É uma alteração tão grande na vida deles. Coisa impossível de saber e imaginar. Eu sou apologista do mimo sem fim e colo que pedirem nos primeiros tempos.
Tenho um caso na família de um bebé que com 1 mês de idade já dormia no seu quarto sozinho, sem reclamar (os pediatras falam no mínimo de 4 meses com os pais por causa da morte súbita. Há quem até aconselho 1 ano de idade. A minha diz: quando mãe e filho se sentirem preparados). Agora tem 2 anos de idade e dorme todas as noites no meio dos pais.
Não é a 1 mês de idade que educamos um bebé. Que ensinamos a estar sozinho ou a dormir na sua cama.
Isso tudo pode mudar quando começarem a falar e a ver realmente onde dormem os pais, a chorar e a gritar que para lá querem ir, mesmo que até 1 ano de idade estivessem sempre sozinhos.
Bem... cada cabeça sua sentença. Continua a fazer o que o teu coração de mãe diz.
O meu pós-parto, apesar de cesariana longa, foi excelente. Apesar dos meus 38 anos, acho que tenho um organismo de 20. Uma recuperação fora do normal. Uma disposição e forças invejáveis.
Continua a não dormir mais de 2h seguidas mas o cansaço, apesar de existente pois já regressei há 2 meses ao serviço, não é grave.
A energia que os nossos filhos nos passam é uma coisa incrível. No sorriso deles (estás perto a ver isso) vamos buscar a força que nos falta.
Toda a sorte do mundo nesta caminhada tão saborosa.

dinona disse...

Dina,
Tadinha de ti :( deve ser imensamente cansativo, mas acredito que é bastante recompensante.

Força aí rapariga :-D

Sónia disse...

Sei bem o que sentes, a Sofia nunca foi um bebe fácil e é complicado gerir tudo mas a gente aprende e com o tempo vamos lá!
Não desanimes que vale a pena e muito :)

Guinhas disse...

Eu não tenho filhos mas acho fantástica a frontalidade com que falas dessas coisas que são pura realidade. Fez me lembrar uma amiga que, embora a maior alegria dela fosse aquela gravidez, detestava estar grávida e dizia muitas vezes, especialemnte quandoo lia as revistas cor de rosa e as pessoas a dizerem q era um estado de graça. Ela dizia "Estou gorda, não me sinto atraente, pesada, não consigo calçar os ténis, tenho dificuldade em dormir...isto é lindo!!".E acredito q haja quem adore a gravidez, e outras mulhere que não. Agora que nem tudo é fácil e cor de rosa, acredito que não mas acredito tb que o sentimento é fantastico, unico e supera tudo!!