sexta-feira, 1 de julho de 2011

(In)Justiça Materna


A Inveja é um sentimento mal visto pela sociedade. Isso porque associamos logo este sentimento a uma pessoa malvada que só deseja mal a outrem. Mas não, inveja pode ser simplesmente olhar para alguém e pensar «quem me der ter igual.» Simplesmente, sem maldade ou rancor. Acho que não é algo mau. Por vezes chegamos a definir mal Inveja, porque o que sentimos verdadeiramente é um sentimento de injustiça.

Esta semana a mulher de um amigo do meu marido, anunciou-nos a sua gravidez. Não me chamem má, egoísta ou invejosa, mas nem todas nascemos para ser mães. Não quero dizer que sou melhor que os outros, mas há mulheres que não nasceram para isso. E o que tenho vindo a ver é que elas costumam engravidar tão facilmente enquanto há mulheres com grande poder maternal que não o conseguem.

Quando nos anunciaram a boa-nova, ela foi categórica: «ai comigo não dá. Ele vai dar que se adaptar. Eu preciso das minhas oito horas de sono. Nem pensar em acordar de 3 em 3 horas para lhe dar de comer. Se for preciso vai passar os primeiros meses à casa da minha mãe». Férias, «nem pensar. não abdico das minhas férias sossegada em Tróia e das minhas viagens anuais a resorts mundiais. A avó que trate dele». «Amamentação nunca, e espero não engordar porque se ficar flácida eu vou culpá-lo para sempre». E outras pérolas do género, todas ditas com muito sentimento, e como se fosse o mais óbvio do mundo. E nós, mulheres que estávamos naquela sala, ficamos de boca aberta a pensar que justiça divina é aquela.

41 comentários:

Gelatina de morango disse...

A sério que ouviste essas coisas? A sério que existem mulheres grávidas a dizer essas barbaridades? Estou chocada.

Brandie disse...

Eu acho que uma mulher que não se sinta destinada à maternidade, antes do filho nascer, pode dizer isso e mil outras coisas. O que é certo é que depois de ele nascer tudo muda.
Tinha uma colega minha que dizia essas coisas, mas depois da filha nascer anda rendida e já fala em ter outro. E hoje diz muitas vezes "abdico de ir de férias por ela, e se me perguntares se me importo digo-te que não". Tudo muda e a realidade antes de ter filhos é diferente do depois.
E depois também acho que a gravidez é uma época de dúvidas e de medos, perder horas de sono, as saídas e as férias que deixam de ser as mesmas, passam pela cabeça de todas as mães. Agora, numa sociedade como a nossa é quase impossível verbalizar isso sem se ser condenada. Por isso a maioria das grávidas prefere estar calada e dizer "ser mãe é a melhor coisa do mundo" mas não é o que pensam.

Dina disse...

Gelatina: Sim, infelizmente é verdade!

Brandie: Compreendo perfeitamente o que dizes. E acredito que haja casos assim, como o que contas. Mas conhecendo esta pessoa como conheço, acredito que não se enquadra nesse exemplo. Esta pessoa é extremamente egoísta. E tem um feitio muito especial. Nunca apoiou o companheiro, nunca foi capaz de um sacrifício por ninguém. Enfim, não sei se irá mudar com o acto de ter um filho. Veremos. Espero estar errada

Ana na Suécia disse...

Olá Dina,
Eu não sou mãe, sinceramente é coisa que gostava de ser, mas para mim esse não é o meu objectivo de vida. Se tiver um filho algum dia serei muito feliz, se não tiver certamente serei feliz na mesma.
Penso que a sua amiga disse isso da boca para fora, também conheço N pessoas que assim que começaram a ver a barriga a mexer, e que tiveram os filhos nos braços mudaram de opinião.
Na minha opinião isso terá sido um desabafo, talvez motivado pelo receio não assumido de uma grande responsabilidade.
E ter um filho não é a mesma coisa que ter um companheiro, talvez não faça nada pelo companheiro porque não é filho dela, porque não esteve com ele 9 meses dentro da barriga, etc.
Espero que não me leve a mal, mas penso que dizer que há mulheres que não nasceram para ser mães, talvez seja um pouco duro, de facto há pessoas que podem ou não ter mais empatia para crianças ou até mesmo em deseja-las, mas não quer dizer que por lhes faltar isso não quer dizer que "não nasceram para isto".
XOXO

Suspiro disse...

Tive um caso semelhante na família, mas não tão "grave" como esse que falas... e sabes, pode ser que na altura as coisas mudem, quando tiver a criança nos braços! ;) beijocas

Dina disse...

Ana na Suécia: Extrapolando para fora deste caso. Mulheres que maltratam os seus filhos, que os matam, que os abandona, que deixem que o companheiro as viola, etc. etc., não foram feitas para ser mãe. Desculpa mas é minha opinião :/

Saltos Altos Vermelhos disse...

jura?

Ana na Suécia disse...

Sim, sem dúvida. Mas só por uma pessoa dizer "coisas da boca para fora", não dá para avaliar o quanto se pode ou não ser boa mãe no futuro, até se efectivamente ser.
XOXO

Se eu pudesse... disse...

É estas coisas q ñ entendo.. tantas mulheres q sofrem por quererem ter filhos e ñ podem/conseguem, e depois há NABAS destas que geram um filho :| vida injusta!

Rita G. disse...

Essa mulher deseja ser mãe?? É que a dizer coisas dessas parece-me que não... se as pessoas não são capazes de abdicar de nada por um filho então é melhor encararem que não querem assumir o papel de mãe ou pai. bj

Isaal disse...

Ser mãe, é o melhor que há!!!!!
Se bem que considero que nem todas as mulheres têm que ter como objectivo serem mães, no entanto quem tem a benção de o ser, devia fechar a boquinha e não dizer essas "alarvidades", desculpem-me mas esse discurso foi tão triste que nem consigo dizer outra coisa......

Espero sinceramente que a criatura mude de ideias e que usufrua do estado de graça em que se encontra e que depois se delicie com a maternidade, com tudo o que tem de bom e menos bom!!!!!

Verita disse...

Mas essa pessoa queria mesmo engravidar? Ou foi acidente de percurso? É que não parece nada feliz com a boa nova!
Eu acho que muitas vezes as pessoas não têm noção da realidade e das mudanças que terão de ocorrer, mas na altura vamos ver se ela se mantém firme nessas barbaridades! Quanto mais cedo se levantar da cama para lhe dar de comer mais hipóteses tem que ele se cale, a não ser que queira passar a noite toda acordada…sim porque aí ela não tem voto na matéria ;)

Verita disse...

Mas essa pessoa queria mesmo engravidar? Ou foi acidente de percurso? É que não parece nada feliz com a boa nova!
Eu acho que muitas vezes as pessoas não têm noção da realidade e das mudanças que terão de ocorrer, mas na altura vamos ver se ela se mantém firme nessas barbaridades! Quanto mais cedo se levantar da cama para lhe dar de comer mais hipóteses tem que ele se cale, a não ser que queira passar a noite toda acordada…sim porque aí ela não tem voto na matéria ;)

Dina disse...

Sim, queria. Foi uma gravidez planeada, apesar de ter sido o companheiro a convencê-lo. E ela aceitou a troca de algumas concessões (ser ele a dar banho, a levantar-se de noite para dar o biberão, etc.)...

Daqui a alguns meses eu digo-vos se aquela cabeça foi ao lugar...

Bomboca do Amor disse...

Mas afinal quem é a mãe, essa senhora ou a avó?
Essa mulher sabe perfeitamente que ter um filho não é apenas ficar a ver a barriga a crescer, não sabe?
Esperemos que essa criança não cresça a pensar que nunca deveria ter vindo ao mundo!
Beijinhos,
Bomboca do Amor.

Nokas disse...

Até custa acreditar que uma pessoa que quer ter filhos, possa dizer tais barbaridades...

Anabela disse...

Infelizmente há muitos casos desses, eu própria conheço alguns.
E geralmente não mudam depois da criança nascer, em alguns casos até ficam piores.
De facto há pessoas que não nasceram para ser mães, e infelizmente quem acaba por pagar são as crianças.
Bjs e Bom fim de semana

Alminhas disse...

Sem comentários!Eu concordo contigo Dina,há mulheres que não foram mesmo feitas para ser mães! Enfim, algo me diz que esse casamento não vai durar muito. Até um filho é negociável! Eu não tinha permitido ouvir tal barbaridade e tinha-me virado para a dita cuja e "Oh tu, sua badalhoca, já pensaste que tu é que nem sequer devias ter nascido!! E dava um belo soco nessa ave rara! lol Desculpa a violência, mas é só o me deu vontade fazer enquanto lia o teu post. Beijocas e bom fds

Dina disse...

Alminhas: agora é que me fizeste rir!

Madrigal disse...

eu por vezes penso que devia haver uma lei que obriga-se quem quer ter filhos a submeter-se a um exame psicologico e só se o resulado fosse favoravel é que lhe era permitido ter filhos. Talvez isto seja uma pouco radical, mas perante a quantidade de homens e mulheres que descartam os filhos como se fossem coisas, parece-me que justifcava uma lei assim.
Espero que para bem do bebé que vai nascer, ela mude.

Mary disse...

Vamos torcer para que quando o bebé nascer e ela o tiver pela primeira vez nos braços todos esses sentimentos egoístas caiam por terra e nasça aquele amor incondicional que uma boa mãe sente pelos seus filhos! Caso contrário, pobre criança!

O Blog da Framboesa disse...

Semm palavras mesmo! Acabei de ler o que escreveste e sinceramente só tenho uma coisa a dizer : Porque raio engravidou?? Acidente?? Pobre bébe quando nascer!

Bjcs

Tany disse...

Como te compreendo... infelizmente também conheço pessoas assim!

Liliana disse...

Infelizmente as prioridades das pessoas estão todas trocadas!

Parece-me que há muita gente que gosta de estar grávida e depois simplesmente entrega os filhos aos cuidados dos avós, sem abdicar de nada...isso revolta-me!

Bjokas

Brandie disse...

A propósito de negociar eu acho super normal dizer ao pai: ok vamos ter um filho mas também vais acordar de noite, vais mudar as fraldas, dar banho, etc se não nada feito. É por falta de negociações destas que vemos mães com depressões pós-parto porque se armam em super mulheres e como tendo a responsabilidade de fazer tudo em casa, com o filho e futuramente no trabalho. O tempo em que os homens eram reis em casa acabou.

ariel disse...

que croma!!! Não tem noção...Concordo contigo mtas vezes é sentimos injustiça e não inveja!

A Flor disse...

Pode ser que mude. Já conheci mulheres que diziam coisas do género enquanto grávida e quando os bebés nasceram mudaram, tal como conheci aquelas que diziam tudo certo e se revelaram umas bestas.

Fi ♥ disse...

Essa senhora precisava que lhe tirassem o filho das mãos a nascença e o desse a uma mãe que saiba o significado da palavra.

Filipa Moreno disse...

É pena haver pessoas que pensam dessa maneira... =(
Esperemos que mude de opinião quando tiver o pequeno...

beijinhos! Pi

susiedesonho disse...

Dina, a mim já nada me espanta. Porqe é que as pessoas não são frontais e dizem abertamente que não querem ser mães? Nem toda a gente nasceu para tal. Eu tenho uma amiga que diz claramente que não gosta de crianças e que os filhos dela são os três gatos. Essa senhora nem sabe a graça que tem. Imagino como aquela criança vai ser infeliz. Com uma mãe assim... Que ignorância, Senhor! Que nunca se arrependa das barbaridades que atira para o ar.

Bj

teardrop disse...

Fiquei sem palavras... Uma mulher grávida falar assim? Espero que essas ideias lhe passem quando tiver o filho nos braços!

pensativa disse...

Esperemos que tenha sido "conversa da treta" porque assim quem vai sofrer é a criança!! porque uu muito me engano ou essa senhora vai ser daquelas mães para quem os filhos é mais um acessorio de moda, para passear na rua com roupas xpto, dizer que anda no colégio mais chique, na equitação, nisto e naquilo etc etc. Infelizmente essas mais existem e andam por aí!! Falo com conhecimento de causa. É triste e lamentável´, mas a vida não é justa... Tantas mulheres que querem e não podem...

Mami ( Sónia ) disse...

conheci uma mulher assim e mudou de tudo assim que teve o filho nos braços.
Espero que ela mude de atitude para com essa criança que ai vem, mas que custa ouvir isso custa e muito principalmente quando nos custa tanto conseguir ser mãe.
Mas não desanimes o teu dia vai chegar!

Lara disse...

Olá :)
Na minha opinião acho muito injusto estarmos aqui a julgar a pessoa em causa, baseada no que ela diz. As pessoas dizem muita coisa, e são muita coisa, mas há sentimentos e experiências que falam mais alto. Acho perfeitamente possível ser-se boa mãe sem cumprir uma série de pré-requisitos que se tornaram regra, e muitas mulheres forçam atitudes só porque a sociedade assim o exige ou porque têm medo de serem julgadas. Não acho de todo correcto que as mulheres que não tratam a maternidade por "cutxi-cutxi" sejam vistas como alguém que está a ter direitos divinos que não devia ter, só porque há pessoas que têm dificuldade em engravidar. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Estou grávida, amo o meu filho de todas as formas possíveis, no entanto não me vêem a falar de fraldas, biberons e ursinhos a toda a hora, pelo contrário, aborrece-me essa conversa e torna-se chato estar com outras grávidas "tradicionais". E há quem não entenda isso.
Desculpem mas tinha de dar a minha opinião, pois é um julgamento que se vê recorrentemente. Cada pessoa é como é, e isso não significa que será melhor ou pior mãe.
Bjinhos a todas e em particular para ti, Dina, pois vejo que andas um pouquito em baixo. Apesar de nem sempre conseguir escrever, sigo o blog e gosto sempre de te "encontrar" por aqui :)

P M disse...

(Tinha que comentar! E comento anónima só pq costumava nunca fazer isso mas um dia alguém resolveu alterar o meu depoimento, ainda por cima num blog com comentários moderados! Enfim...)
Agora o cometário: sim há mulheres que não tem o menor instinto maternal e sim, engravidam. É assim a vida. Há outras que lutam para conseguir engravidar mas só isso não as faz as melhores mães do mundo.
A criança chega depois, é ela que se tem que adaptar. A amamentação é o ideal mas há sempre quem não se sinta bem com isso, há que aceitá-lo e não julgar. As avós, avôs, tias, tios servem para tomar conta sim! E de dormir uns precisam mais outros menos. Não acho que por dizer isso seja uma mãe menos digna. Conheço mães assim, que nem sempre que viajam levam os filhos atrás, e por acaso, são as melhores mães que conheço! Outras indo ou nem sequer indo de férias, andam sempre com as criancinhas (que, não sei pq, são sempre insuportáveis) atrás. Cada um sabe de si, mas oxalá todas as mães fossem "más" como essas que conheço e estão a educar (e muito bem) os filhos! É que são eles o futuro de tudo!

P M

P M disse...

Sim há mulheres que não tem o menor instinto maternal e sim, engravidam. É assim a vida. Há outras que lutam para conseguir engravidar mas só isso não as faz as melhores mães do mundo.
A criança chega depois, é ela que se tem que adaptar. A amamentação é o ideal mas há sempre quem não se sinta bem com isso, há que aceitá-lo e não julgar. As avós, avôs, tias, tios servem para tomar conta sim! E de dormir uns precisam mais outros menos. Não acho que por dizer isso seja uma mãe menos digna. Conheço mães assim, que nem sempre que viajam levam os filhos atrás, e por acaso, são as melhores mães que conheço! Outras indo ou nem sequer indo de férias, andam sempre com as criancinhas (que, não sei pq, são sempre insuportáveis) atrás. Cada um sabe de si, mas oxalá todas as mães fossem "más" como essas que conheço e estão a educar (e muito bem) os filhos! É que são eles o futuro de tudo!

Dina disse...

Lara e PM: Obrigada pela vossa opinião. Eu sei que o que vocês dizem é verdade. Por vezes, escrevo post em que generalizo certas situações. Aqui falo de um caso concreto, de uma pessoa que conheço já há alguns anos. Posso estar enganada, e ela mudar quando o filho nascer, mas pelo jeito dela, duvido (espero mesmo, mesmo estar enganada).

Não critico ninguém por não amamentar o filho, acho que férias com os avós é do melhor que há, férias a dois são indispensáveis. Mas tudo na medida certa. Os avós, por exemplo, não podem substituir os pais. Para que se quer um filho se se diz que nunca se vai fazer férias com ele até ter 10 anos? Estás coisas metem-me confusão. Esta pessoa é muito individualista. Espero que tudo mude com o nascimento...

Alice disse...

Essa pessoa não tem noção do que diz, porque se tivesse nunca diria essas barbaridades.
Passar os primeiros meses na casa da avó? Que mãe é que diz isso?
Coitada da criança, pelo menos é desejada pelo pai.

*

Débora disse...

Que horror, esse mulher parece ser um bicho. Espero mesmo que mude quando pegar esse bebé nos braços, que não tem culpa de ter sido gerado. Fez-me lembrar um livro horrível que li na semana passada, sobre uma mãe que nunca desejou a filha. Infelizmente não acontece só nos livros...

Mulher, Woman et Femme disse...

Essas palavras são verdadeira e tristemente atrozes... eu sou mãe de 2 meninas e não sinto a vertente da injustiça da mesma forma que tu Dina, mas sint~-a na medida em que a única coisa que me passa pela cabeça é que a essa mulher nunca deveria ser dda a benção de ter um filho!
Não gosto de julgar antecipadamente, e pode até ser que após o bebé nascer algo mude nessa cabeça, mas acho que nunca pode mudar tanto ao ponto de entender que quando pomos um filho no mundo, e connosco que ele conta, é em nós que deposita a sua confiança para crescer e ser feliz.
Concordo (e pratico!) que os pais têm que continuar a ter vida própria a dois e não devem, deixar de ser um casal, para passar a ser exclusivamente pais, mas para tudo existe um ponto de equilíbrio... ou não, pelos vistos...
Lamento que tenhas que ouvir essas barbaridades, mas acredita minha amiga, tem fé! Torço muito por ti, mesmo sem te conhecer!

Um beijinho,
Filipa

Dina disse...

Filipa: Obrigada pelo teu apoio. É bom sentir à nossa volta uma onda de apoio e força! Bjinhos!