segunda-feira, 4 de julho de 2011

Desabafo matinal


Sinto que estou a perder tempo precioso. Que estou a encalhar a minha vida num trabalho que deixou de me fazer feliz e de me motivar. Estou a menosprezar energia e capacidades preciosas. Não quero ser mal-agradecida, porque com o estado do desemprego sou uma privilegiada. Mas este trabalho tornou-se um fardo físico e psicológico. Já nada me motiva. Passo os dias ansiosa para que cheguem as 17h30, que tudo termine para chegar o fim-de-semana. Vivo por aqueles dois dias que passam a correr. Domingo, a pensar que vou voltar para aqui, fico triste e ansiosa.

Eu sei que tudo depende de mim, mas não consigo encarar uma mudança. Estou num estado tão letárgico que tenho poucas forças para procurar outro trabalho. E desempregar-me está fora de questão, seria um suicídio. Passo as semanas assim apática no trabalho. Preciso de ar fresco, de revigorar-me nas horas de expediente. A culpa também não é minha, os poucos projectos têm sido tão desinteressantes. Mas o resto da minha vida também não está a correr assim tão bem. O destino continua a bater-me na face, e eu continuo a dar a outra. Mas não sei até que ponto um ser humano tem forças e esperança para se levantar e cair, e levantar-se outra vez.

19 comentários:

Ana FVP disse...

Espero que esse espírito melhore e que surja algo que volte a captar o teu interesse e entusiasmo!

susiedesonho disse...

Ó Dina, não gosto de te ver assim. Será que ajuda se eu pedir para te lembrares que há certamente quem esteja pior? Tenta encontrar algo que te anime. Há uns meses atrás estava tal e qual assim e lembrei-me de criar o meu blogue. Não te digo para fazeres o mesmo por razões óbvias mas tenta fazer algo que te traga alegria para não te sentires a vegetar pelos dias. FORÇA!!

sempre[im]perfeita disse...

Olá, querida conterrânea

Eu para evitar estar (novamente) assim, inscrevi-me numa Pós-Graduação. Assim para o próximo ano vou ter uma coisa para me dar muito alento: Conhecimento. Adoro aprender coisas novas e estudar vai dar mais ânimo à minha vida. For sure! Apesar de me ir sair do corpinho, mas pronto.

Beijinhos e bom ânimo!

Liliana disse...

A nível profissional entendo-te perfeitamente. As corridas ao fim do dia actualmente são o meu objectivo e dão-me mais força p o dia seguinte...! Experimenta qq coisa do gérnero ;)

Beijocas

Mami ( Sónia ) disse...

Espero que esta fase passe rápido. é terrível quando nos sentimos assim sem animo para nada...
força querida!

Purple disse...

Não te quero ver assim, tu és mais forte do que isto e não te podes ir abaixo.
Sei que é fácil falar, mas tens de acreditar que vais dar a volta por cima. Estou aqui tão perto de ti, é só dizeres que estou mesmo à distância de um abraço.

Beiju enorme

ariel disse...

agora está complicado arranjar trabalho...pelo menos tens emprego e salário enquanto não arranjas melhor. pensa positivo!

Tsuri disse...

Já passei por isso e cheguei a um ponto tal que esgotei. Procurei para outra área até mas correu mal. Mas não desisti, e muito menos me dava para brincar dadas as responsabilidades, e olha, hoje estou na minha área e gosto.Por enquanto ainda me enche a alma. Vais ver que vais conseguir o mesmo, tenho a certeza que assim que vires a porta a abrir vais aproveitar a oportunidade:)
Força!
beijinho

Princess disse...

Realmente deve ser angustiante fazer-se uma coisa que noa gostamos, mas da maneira que esta o país ter um emprego é um luxo!!

*C*inderela disse...

compreendo-te perfeitamente. estou integrada em dois projecto e um deles é de cortar os pulsos.

força*

Nokas disse...

Sei bem o que isso é...e deixa-me tão triste!

Isa disse...

Identifiquei-me muito com este comentário. Há umas semanas atras podia ter sido eu a escrever. Tal e qual! Mas estoua tentar que as coisas mudem!

ninita disse...

Já passei por uma situação bem parecida á uns 4 anos atrás... tive mesmo de sair de lá, não aguentava mais.
Espero que encontres uma soluçao e melhores.

beijinhos e força

Verita disse...

Olá querida! Fico bastante nostálgica com as tuas palavras. Eu própria saí da minha zona de conforto para vir para outra cidade para poder trabalhar na minha área de formação. Um ano e meio depois a motivação começa a escassear, fico doente com a falta de organização e de liderança das pessoas. É um desinteresse contagiante que me vai afectando cada vez mais e me faz perguntar: “o que estou aqui a fazer?” Principalmente porque estou longe do R., da minha casa e da minha família. O meu trabalho era a única motivação que tinha para aqui estar. No fim do ano vamos ver se tenho novidades!
Força para ti e espero que consigas, de alguma forma, dar a volta por cima!

Alminhas disse...

Força! Tudo se há-de resolver. Beijinhos

Claudia Matos Silva disse...

Felizmente o meu trabalho é o que me agarra...de resto é a desolação total. Houve uma altura em que odiava o que fazia e lembro-me de beber a felicidade em pequenos momentos no dia a dia...nem que fosse, naquele cafezinho matinal...está bem longe de ser a solução, mas talvez seja para já o penso rápido...

Nana disse...

Poderia ter sido eu a escrever esse post...
Também estou na mesma. Apática, desmotivada, sinto que parei no tempo e não quero isso.
Tenho ido a entrevistas, mas as condições são piores, precárias, salários baixíssimos... Mas vou continuar a concorrer a anúncios, deixar de tentar é que não!!!
Entretanto é arranjar coisas fora daqui que me alegrem, me motivem...

Bjs.

Dina disse...

Pois, actividades que motivam foram do local de trabalho também tenho, e dão-m bastante prazer. O problema é mesmo as 8 horas que passo aqui. Os projectos são aborrecidos e as chefias cada vez mais difíceis: não querem inovar, não querem arriscar... E estou a trabalhar na minha área :/

Enfim, acho que gostava de mudar de rumo, e tenho que tentar, tentar, tentar. Mas é como a Nana diz: é tudo recibos verdes (e eu já estou a contrato), salários miseráveis....

E nesta conjuntura não sei se me posso permitir condições mais baixas em nome da minha satisfação pessoal/ profissional. O meu marido apoia-me em todas as decisões, mas eu não me esqueço das obrigações que tenho para com a casa...

joana disse...

Talvez seja só uma fase...