quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Nem Preto nem Branco


Odeio estados de indecisões. Para mim as coisas têm que ser pretas ou brancas. É sim ou não. Não gosto de meios termos, em que tudo fica indefinido ao ritmo da maré...

Ontem durante uma reunião interna, foi anunciado que se o volume de clientes não crescer, a empresa fechará portas a 31de Março. E agora? Não é a primeira vez que oiça esta conversa aqui, e nunca nada sucedeu. Mas não deixo de me perguntar, e agora? Não tenho vergonha de trabalhar onde for (o mercado da comunicação está tão mal), mas é chato depois de 5 anos de estudo e 5 anos de trabalho na área...

O pior é organizar a minha vida. Se houvesse uma certeza de desemprego, podia planear os próximos meses com base nisso. Mas foi uma promessa no ar. E agora adio os meus projectos pessoais para este ano? Ia marcar avião e hotel em Itália esta semana: mas estando desempregada, ir a Itália, parece-me um luxo pouco sensato. Mas se não marco e depois continuo na empresa... E os meus planos pessoais, também estes não me apetece adiá-los!

Estou um pouco desamparada. Vou seguir a minha vida como se esta ameaça não existisse (mas é difícil) e logo se verá. Se se concretizar tentarei ver isso como uma oportunidade, quem sabe. Digo-vos: muitas empresas estão a aproveitar-se da crise. Mais de uma dezena de empresa com as quais trabalhamos desde sempre, com muito trabalho (produtor de vídeos, empresas de webdesign, consultores em marketing, etc.) , estão a fechar portas para o director-geral trabalhar a partir de casa, por conta própria, fugindo assim aos impostos.. Trabalho não tem faltado aqui, mas a crise...

11 comentários:

Bailarina disse...

O que digo, é que as pessoas fazem mais do que aquilo que é... Estamos em crise sim senhora, mas acho que não é tanto como se diz!!

Ana disse...

Eu já passei por esse susto algumas vezes. Aqui na empresa, o patrão passa a vida a ameaçar fechar a porta se as coisas não melhorarem. Inicialmente, ficava em pânico, mas depois comecei a perceber que era bluff. Neste caso, já deu para perceber que ele (e a família, uma vez que dependem todos da empresa) ficariam pior que nós se a empresa fechasse, uma vez que não sabem fazer nada (a não ser mandar). No teu caso, pelo que leio, a coisa poderá ser diferente. Penso que o melhor será ter sempre um plano B à mão, para o caso de acontecer alguma coisa. Mais vale prevenir...

beijinhos

Lillipops disse...

Eu sou adepta de não sofrer por antecipação.
As coisas resolvem-se a seu tempo.

Sara disse...

Não ligues muito ao que te vou dizer, mas se há coisa que a vida me ensinou foi a não deixar de fazer coisas que nos fazem felizes por pensa na eventualidade de alguma coisa estar na eminência de acontecer! Eu, nunca (mais) deixarei de fazer o quero (e posso, claro) a pensar "E se.....".
Deixei-me disso!!! Mas isso sou eu!
Um beijinho.
PS- Espero que seja mesmo blufff, porque não é brincadeira nenhuma ficar desempregada nesta altura.
Boa sorte!

La Boheme disse...

Espero que corra tudo bem, mas de qualquer forma deixar uma ameaça dessas no ar em jeito de pressão psicológica para toda a gente desatar a tentar vender mais é uma treta (para não dizer mais). Compreendo que isso te deixe em ansiedade mas se fosse a ti tentaria fazer a vida como se nada fosse e ia a Itália sem dúvida:)

Bjos

P.S.: Se tiveres paciência passa no meu blog para leres o último post...

Verinha disse...

Então mas agora fiquei a pensar, para te despedirem não teriam de te avisar por carta reegistada com aviso de recepção com 60 dias de antecedência?! Assim sendo como é que fecham dia 31 de Março?!
Ah e mais, fechando a 31 de Março acho que vão ter de pagar o IES referente a 2011 na mesma! Para se livrarem do IES tinham de encerrar a empresa a meio de Março ou inicios de Março se não estou em erro. E quando as empresas vão fechar tentam-se sempre livrar do IES.
Por isso parece-me que isso é tudo bluff. A não ser que façam tudo mal feito e em cima do joelho...

Não consegues adiar Itália por uns tempos, tipo uns meses? Se calhar seria o melhor. Sempre ganhavas tempo para perceber se de facto vão mesmo fechar ou não...

Eu estou exactamente na mesma situação que tu, mais tardar até ao fim do Fevereiro a empresa vai fechar, mas eu tenho a certeza que não é bluff, sou eu que estou a organizar toda a papelada que é necessário. Sendo que ainda não me despediram espero continuar por aqui com os meus patrões. Pelo menos é nisso que quero acrediar!

Boa sorte ;)

Bjks***

Faz de Conta disse...

Não é uma situação fácil :( e mesmo que faças de conta que não se passa nada, no subconsciente fica sempre a ideia que as coisas podem correr mal.
Só posso desejar que corra tudo bem.

Lux disse...

Bem, penso que neste momento Itália não deve ser o maio dos teus problemas, mas se o ambiente na tua empresa está assim, o prefe´rivel, na minha opinião, é manteres o lugar e ir procurando alternativas... Mais vale um pássaro na mão que dois a voar.
Depois, logo vês, se a empresa fecha ou não... Agora, convém começares a enviar CVs o quanto antes para não seres apanhada desprevenida e seres mais um número na estatística!!!

xoxo
lux

Dina disse...

Ana: Sabes, estou aqui há quatro ano. E nesta altura do ano, oiço sempre esta música, por isso não sei se é bluff ou não. Se fechar mesmo, é mesmo com a desculpa da crise, porque trabalho não tem faltado...

Lillipop: Que Deus te oiça ;)

Sara: Acho que tens razão e sei que é essa atitutde que devo tomar. Obrigada :)

La Boheme: Obrigada pelas palavras... eu passei pelo teu blog, li mas fui incapaz de comentar, desculpa...

Verinha: Não sabia que estavas nesta situação. Espero que corra tudo bem para ti!

Nokas* disse...

Não podia estar mais de acordo contigo. Acho que esta ideia da frise favorece e muito os patrões. Nós muitas vezes sugeitamo-nos a aceitar empregos onde deveríamos de ser melhor pagos mas entre isso e estar em casa, o que é melhor? Mais vale pouco que nenhum. Infelizmente é mesmo assim. E na minha área (área social) a coisa também não está nada bem...

Dina disse...

Nokas: é bem verdade. há quem diga que a culpa é nossa. Que se ninguém aceitasse trabalhar por 500€ os patrões seriam obrigados a aumentar os salários. Mas a verdade é que se tu recusas há mais de mil candidatos dispostos a aceitar. E mais vale trabalhar a ganhar experiência do que ficar em casa...