quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Rumos da vida...


Ser mãe nunca foi o grande sonho da minha vida. Há quem olha para mim com olhos esbugalhados, mas nunca foi de todo o meu sonho, a minha meta de vida que me deixaria completa. Penso que o medo do parto e o facto de acreditar convictamente que se consegue ser feliz a dois ajudou nesta maneira de pensar.

Mas tenho que admitir que nas últimas semanas a ideia de ser mãe tem-se cimentado em mim. Porquê? Porque adoro os meus pais, e esta cumplicidade extrema que vivemos é a melhor coisa que tenho na minha vida. Nos dias em que estive lá em cima (principalmente quando o meu pai ainda interagia), pensava o quanto era bom termo-nos um ou outro, as nossas brincadeiras, confidências, os nossos silêncios. É um amor tão puro: então porque é que eu não quereria sentir isso enquanto mãe?

Esta altura não é a melhor para isso, mas ser mãe começa a entrar nos meus planos de vida. Apesar de continuar a dizer que não é o meu objectivo final, e ODEIO quando oiço que não se é totalmente mulher enquanto não se é mãe. O meu maior sofrimento: saber que um dia o meu filho não terá a honra de conhecer o maravilhoso homem que é o meu pai...

9 comentários:

Verinha disse...

Eu não acho que uma mulher por não ser mãe, ou por não querer ser, é menos mulher!!

Eu ás vezes olho para as mães com putos pequenos e penso "ainda bem que não tenho filhos!"
Primeiro temos de curtir a vida e depois logo se vê.
Concerteza que deve realmente ser muito bom e gratificante ser mãe, mas ainda assim posso esperar mais uns anos!

Nem sempre pensei assim, já quis ser mãe com 19 anos, depois com 23 e agora por enquanto deixei-me disso lololol
Lá prós meu 28 talvez, se entretanto não voltar a mudar de ideias! lolol

Nokas* disse...

Já ouvi pessoas a dizer que de facto não nasceram para ser mães e que não queria. E depois certas circunstancia da vida levaram a que mudassem de ideias. Pessoalmente sonho um dia ser mãe, mas para já não faz parte dos meus planos. Um dia =)

Rit♥Catita disse...

Linda, estou grávida de 10 semanas e só agora comecei esta longa viagem de ser mãe. E digo-te uma coisa, estou a vivenciar coisas que pensei nunca vir a sentir.
Tal como tu, procurei sempre realizar grande parte dos meus objectivos pessoais (tive uma infância feliz, namorei bastante, formei-me, vivi a vida, aproveitei ao máximo os momentos com os amigos, aproveitei ao máximo os momentos com o marido, tive um casamento de sonho, entre outras coisas). Tudo isto são objectivos de vida que não devem ser desperdiçados.
Em breve, irei ser mãe, não “o grande objectivo” mas sim mais um dos meus objectivos. Ser mãe é apenas mais uma etapa da vida. A vida não acaba aqui! Irei continuar a aproveitar ao máximo os momentos com os amigos e com o marido, irei continuar a viver a vida da melhor maneira que posso e consigo, apenas com uma diferença… terei mais um membro na minha família para partilhar esses momentos.
A minha vida ainda agora começou e ainda vou querer fazer muita coisa! :)

Miss Star Pink disse...

Pela primeira vez encontro alguém q escreve aquilo q eu penso. Apesar de ser professora e adorar crianças, nunca me vi muito no papel de mãe. Também nunca achei q fosse isso q me faria mais feliz e muito menos mais mulher.
No entanto, estive a reflectir durante as férias (vi imensos bebés) e cheguei à conclusão q estava a ser egoista. Se nasci, se sou quem sou e se venero a minha mãe foi pq ela me deu a vida. Um dia com toda a certeza também vou gostar de ser amada e venerada como ela. :)
Beijoca

Rita G. disse...

Não acho de todo que se é mais mulher por se ser mãe, e houve uma altura da minha vida que ser mãe tb era um pensamento muito distante. Mas sempre quis ser e fui aos 30, no que considero a altura certa ( para mim pelo menos...). Uma coisa é certa, ser mãe é algo que desperta em ti uma amor nunca antes sentido, mas tb existem muitos momentos menos bons como em tudo na vida. É preciso estar preparada para as mudanças que ocorrem com a maternidade, mas garanto-te que se escolheres ser mãe um dia, vais sentir que a partir daí a tua vida nunca mais fará sentido sem o teu rebento:) bj!

teardrop disse...

Concordo contigo, acho que uma mulher pode ser bastante realizada e feliz sem ser mãe. No meu caso, ainda estou muito empenhada na minha carreira e ainda queria fazer inúmeras coisas antes de ser mãe. Mas já sinto o apelo da maternidade, sobretudo porque tenho a certeza que encontrei a pessoa com quero partilhar essa enorme responsabilidade. Às vezes vejo o tempo a esgotar-se e o que mais queria era ver os meus filhos a serem mimados pelos avós!

Clara disse...

Mais uma vez tenho de concordar contigo nesta questão da maternidade. Eu detesto essas pessoas que se escandalizam e tentam mudar as minhas ideias quando digo que não quero ser mãe. Por vezes os comentários são tão maus que dou por mim a pensar "será que sou um monstro?". E quando digo que prefiro os animais a crianças? Aí vem tudo abaixo... porque eu não tenho coração, porque sou a pior pessoa à face da Terra!
Por outro lado, tenho os exemplos dos meus pais, pessoas fantásticas que lutaram pelo sucesso das filhas, para que nada nos faltasse. Cumplicidade e abertuda, nada escondemos uns dos outros. Sinceridade e amizade, ajuda e compreensão é o que existe. Se um dia assumir o papel de mãe, espero conseguir ser como eles, porque merecem e seria a maior homenagem que lhes poderia fazer.

a strange girl disse...

eu acho que mais dia menos dia o instinto maternal desenvove-se em nós.
tb era daquelas q dizia filhos nunca!
E agora sei que mais ano menos ano hei-de ser mãe!

Pim Pim disse...

Também sempre disse que não queria ter filhos e de repente aos 26 anos isso mudou. Porquê? Há quem lhe chame relógio biológico. Eu chamo-lhe desejo de ter uma desculpa pra ter a barriga grande lol