segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Quando o bulling te bate à porta



E quando o bullying te bate à porta? 
Hoje, vou contar uma história cruel, que vai além da pura maldade infantil...

O meu sobrinho tem 13 anos. Nasceu em França, de pais franceses. O pai dele é mesmo de "sangue" francês. O meu sobrinho é loiro e de olhos azuis. É uma criança doce, calma, que quer ser bombeiro, e que tem uma grande curiosidade pelo mundo. O meu sobrinho acaba de ter alta de um hospital psiquiátrico. Tem 13 anos e ia simplesmente atirar-se por baixo de um comboio, frente à mãe, pai e irmã. Porque sofre de choque pós-traumático. Porquê?

Porque é francês. Porque há 3 anos que o meu sobrinho sofre de bulling. Simplesmente porque é francês, a viver em França. Vive na região parisiense onde porventura mais de 95% da população estudantil é estrangeira. E então decidiram que aquele francês não valia nada. Foram 3 anos a ouvir constantemente"sale français", "devias morrer", "racista", "vamos matar-vos a todos". Sofreu agressões. Porque é francês em França. Ele que não é agressivo, cujos melhores amigos são de nacionalidade chinesa, da Malásia e de África. 

A minha irmã recorreu à direcção da Escola Pública que frequentava, mas nada podia ser feito porque têm medo da comunidade árabe. A minha irmã tentou mover montanhas, num país que clama "Liberté, Égalité, Fraternité". Um país com tantos valores e que não é capaz de proteger as suas crianças, no seu próprio país. Que chora atentados e manda as suas tropas para as portas da escola, mas que não consegue proteger as suas crianças dentro dos estabelecimentos de ensino.

O meu sobrinho deixou de dormir e passou a fazer crises de pânico. Mas impossível de faltar a escola, porque a minha irmã incorria numa pena de prisão. Finalmente conseguiu mudá-lo de escola, uma escola privada, quando a minha irmã era a defensora louca do ensino público, porque sempre acreditou que é com uma sociedade heterogénea que aprendes, cresces, e te fazes homem. Sem esquecer que ela é filha de portugueses. 

O meu sobrinho de 13 anos ia matar-se. Pelos vistos há imensas crianças e pais na mesma situação. E estamos todos com a vida em suspenso, porque não sabemos o que fazer. E o sentimento de injustiça é tão amargo. Eu que sempre amei a minha pátria, aquela que me deu tudo, hoje só me apetece desdenhar a bandeira tricolor manchada pela indignidade, pela injustiça, pela fraude, pela cobardia.

O que é de um país que não sabe proteger as suas crianças?

14 comentários:

Maggie F. disse...

Meu Deus dina que pavor. Fiquei aterrorizada e de lágrimas nos olhos com o teu post. Não posso ajudar infelizmente, o que todos temos obrigação de fazer é ensinar as nossas crianças a respeitar os outros. E isso já faço, sou intransigente com as minhas filhas. Não imagino o pãnico dos pais e a sensação de nada poderem fazer, fico tão triste a sentir me tão pequenina…
Só posso desejar que tudo se componha rapidamente e que o teu sobrinho fique bem.

Muitos beijinhos

Maggie

L. das horas disse...

Sem palavras dina... Espero que se recomponha sem sequelas. um beijinho

Saltos Altos Vermelhos disse...

:( tenho tanto medo disso :( e da nossa impotência tamanho monstro!

Gelatina de morango disse...

Estou completamente arrepiada. Que história mais triste.
Desejo do fundo do coração as melhoras para o teu sobrinho, que consiga ultrapassar tudo isso e voltar a ser feliz.

Jo disse...

Fiquei toda arrepiada Dina... Não faço ideia de como se sentiram/sentem a tua irmã e cunhado... Muito menos a própria criança! Juro que é uma das coisas que me mete medo: ter alguma criança próxima que passe por situações de bullying. Não sei como se age, como se pode ajudar a criança, como se pode tentar resolver alguma coisa... Espero, sinceramente, que as coisas melhorem de algum modo... e que o teu sobrinho possa desfrutar da sua infância como qualquer criança tem o direito de fazer!! Beijinho grande

Géraldine disse...

Nem tenho palavras... que murro no estômago ao ler este post!
Desejo as maiores felicidades e muita força para todos vós.

sandra disse...

Tive que partilhar este seu relato porque retrata o que está a acontecer um pouco por quase toda a Europa. E o pior, é que estas supostas "minorias" reinam onde quer que se instalem e fazem o que querem.
Coragem e tudo de bom para o seu sobrinho.

Sónia Valadão disse...

A sério, estou chocada...
Não consigo perceber como é que isto acontece nos dias de hoje, faz-me confusão.
Espero que fique tudo bem com o teu sobrinho!*
Beijinho

Dina disse...

Muito obrigada a todas pelas vossas palavras de carinho e apoio. Um beijinho grande

Monika Kardoso disse...

Não consigo imaginar o que deve sentir o teu sobrinho, e o resto da familia. Espero que consiga ultrapassar isso tudo. Esse é um tema assustador!! um beijo

AMOR XXS disse...

Completamente chocada, nem tenho palavras! Muita força para a tua família e, principalmente, para o teu sobrinho. Nenhum menino merece passar por qualquer tipo de violência. Beijinhos.

Messy Jessy disse...

Que choque, não fazia mesmo ideia que isso se passava e Paris!!
Muita força para o teu sobrinho!!

O Diário de Pi disse...

Que pais louco!! Pior Mundo louco ;(

Moa disse...

que horror :( infelizmente há mtos casos...espero que nunca acontece nada disso com as minhas filhas. Passo-me!