terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Atirem-me pedras e chamem-me má pessoa. Eu deixo


Tenho vivido com um verdadeiro nó no estômago. Há uma situação que me tem deixado à deriva, e não consigo falar com ninguém sobre este tema.

A minha mãe veio visitar-nos de forma prolongada. Ela está meio adoentada (dores de ossos) e veio cá consultar especialistas. Correu tudo bem durante três dias mas depois tornou-se um verdadeiro inferno. Sei que deveria ter calma e paciência, mas não sou assim, não aguento pessoas que se estão sempre a queixar e a chorar pelos cantos. Odeio, não consigo ter pena, e em vez de dar mimos, ignoro ainda mais. 

É o típico idoso chato, resmungão, a mal com a vida. Já não fala com ninguém na aldeia por causa do feitio. Cá em casa não faz nada, nem o raio de uma chávena de leite aquece. Depois ninguém a pode contrariar (e quando digo contrariar é apenas dizer, não ponha isto aqui) e pronto começa as lamentações: "quero morrer, já nunca mais me curo, eu sou um estorvo para toda a gente, quero ir embora". Até o Simão se fartou e repete constantemente "não gosto da avó. A conversa chateia". E atenção não foi coisa que nos ouviu dizer. A avó nunca brinca com ele, nunca lhe dá mimo, está sempre a ralhar e depois o Simão não lhe liga nenhuma ou que ela começa logo "ninguém gosta de mim, nem o meu neto, vou-me embora," e o Simão farta-se.

Sei que deveria respirar fundo, mas não aguento. Não consigo viver com ela. Não consigo mesmo. Sei que é meu dever apoiá-la e cuidar dela, mas sou incapaz. E isso deixa-me louca, em conflito interior, a sentir-me uma péssima pessoa. Mas também não consigo tê-la cá comigo. Estava super entusiasmada com o Natal, e agora só peço que o Natal passe rápido.

13 comentários:

Ivone disse...

Olá,

Sei bem o que isso é. Não me parece que te devas recriminar. Todos nós temos o nosso papel na família, direitos e deveres, e a tua mãe se não percebe o mal que está a fazer a si própria e ao ambiente familiar, por muito que te custe, e eu sei que sim, tens de pensar no teu bem estar e da tua família. Pessoas como a tua mãe conseguem destruturar qualquer ambiente.
Muita força que há quem te entenda perfeitamente.

O Diário de Pi disse...

paciênciaaaa precisa-se muita!! Tb n consigo suportar pessoas assim!! boa sorte!!

Moa disse...

Não tens que te sentir péssima, não é por ser tua mãe que tens de aturar tudo! Olha muita força, não é fácil aturar pessoas assim...

Agridoce disse...

Estás no teu direito de te sentires assim. Não te sintas mal por isso nem culpada. Não deve ser nada fácil lidar com alguém assim e com o impacto que isso tem no teu ambiente familiar, na tua casa. Força e espero que passe rapidamente!

Cristina Martins disse...

Um dos nossos maiores receios.,. Eu nao percebo nada de medicina, mas percebi que as depressoes assumem mts caras e ha medicacao para coiss q eu nem sonhava. Com um medico de medicina familiar ou de geriatria consegues pelo menos uma opiniao, isso nao deixa de ser uma doenca, vale tentar.
A m mae apresentava uma especie de obsessao...e medicada melhorou..
Boa sorte

maria disse...

É uma situação muito complicada. Eu tinha uma relação complicada com a minha mãe, mas nada que se parecesse com isso. Eu diria (não leves a mal) que as tuas obrigações para com ela dependem da mãe que ela foi, como te criou, se te amparou quando precisaste, etc. Ela está assim agora, por causa da doença, ou foi sempre assim? Se foi sempre assim, eu diria que não tens obrigação nenhuma de a aturar. Se foi uma mãe carinhosa, sempre te apoiou, fez tudo por ti, acho que deves fazer o mesmo por ela. Mas é só a minha opinião, claro.

Jo disse...

Não acho que sejas má pessoa. Aliás, nem consigo mesmo imaginar o quão complicado é estar no teu lugar... Porque de facto não é NADA fácil lidar com pessoas assim. Força!!

Dina disse...

Obrigada pelas palavras de carinho.

Sei que é mau feitio potenciado pela idade. Não posso dizer que antes tinha uma relação má com a minha mãe, mas sempre fui muito mais cúmplice do meu pai. A minha relação com a minha mãe piorou com a doença dele e depois de ele morrer ela teve umas atitudes que me deixaram desconfortável. e a nossa relação foi piorando. E o mau feitio chegou ao limite máximo e a minha paciência também

VerdezOlhos disse...

Eu compreendo-te. Existem pessoas tão negativas que se tornam sufocantes de tão "pesadas" que são, constantemente. Ninguém aguenta, por muito boa vontade que se tenha. Lamento imenso que assim seja entre ti e a tua mãe mas eu percebo perfeitamente porque vivo algo semelhante. Infelizmente, de pessoas assim, não nos faz bem estar perto e por isso eu acho mesmo que só fazem bem estando mais longe de nós. Não é bonito de se dizer e muito menos de se sentir mas cada um traça o seu caminho e isso só pode ser resultado de escolhas que essa pessoa fez. Mais ninguém tem de ser obrigado a "escolher" o mesmo que ela! Beijinhos e coragem.

LURBA disse...

Aiiiiii... entendo tão bem o que estás a sentir!!! Venha rápido 2016!!! Beijinhos e feliz natal 🎁🎄🎅

м♥ disse...

Conheço uma senhora assim. Os filhos fazem de tudo, andam sempre com a casa Às costas para ela nunca estar sozinha, tem sempre com ela alguém para a ajudar... Mas nunca está bem! Dói isto, dói aquilo, ninguém lhe liga, quer morrer, só está a sofrer e mimimi. Deus me livre de me tornar numa velha chata como esta!!

Desabafa Comigo, vai! disse...

A minha avó mora comigo e com os meus pais. Passo pela mesma situação, sei bem como é. Não consigo ficar 1 minuto no quarto da minha avó conversando com ela, pois ela só sabe reclamar da vida e do mundo, isso quando não está brigando com a minha mãe que faz tudo por ela.
Fico irritada e chateada com isso tudo, ainda mais porque a minha avó nunca foi de cuidar de mim na infância, sempre brigava quando os netos iam para a casa dela, nunca foi uma avó muito presente.
Mas ela é minha avó e eu a amo muito. Tento me aproximar dela a cada dia. Conviver com um idoso não é fácil, mas pense que um dia nós que iremos ser os idosos e podemos ter manias que irritem nossos filhos e netos.
Compreendo muito a sua dor, mas tenha força, tente manter a calma e não fazer nada que você possa se arrepender depois que ela for embora da sua casa.
Força colega, estou torcendo por você!

http://desabafacomigovai.blogspot.com.br/

Petra disse...

Entendo-te bem Dina, e são situações tão complicadas, há tantos sentimentos ambivalentes em jogo... É muito bonito dizer ha e tal devemos cuidar dos idosos, devemos aturar e tal... Concordo, mas e cuidar de quem cuida? e Quando aquela pessoa foi nefasta na nossa vida e nos colocou medos e inseguranças na cabeça, quando nunca foi meiga? Que obrigação teremos? Da que pensar...