terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Da escola



Ontem estava a jantar em tête-à-tête com o mais pequeno quando ele junta as mãos e começa a rezar. 

Pelos vistos foi na escola que lhe ensinaram. Eu sou católica e até batizei o Simão. Mas antes de mais acredito num Estado laico. Nomeadamente na laicidade da escola. Até porque não escolhi nenhuma instituição privada ou ligada a nenhuma ordem religiosa.

Pode parecer estúpido mas não apreciei a atitude. Afinal nunca ninguém me perguntou qual era a orientação religiosa da nossa família. Quem é que lhes disse que o Simão deveria ser criado com normas cristãs? Não gostei da atitude. Pode parecer picuinhice mas sou apologista e defensora da liberdade de escolha e de nenhuma imposição moral, seja em termos sociais, sexuais, religiosos e afins. 

3 comentários:

Agridoce disse...

Não és a única. Eu também não gostaria.

Moa disse...

Concordo contigo mesmo sendo católica acho que são coisas que não se devem impor, muito menos sem o consentimento dos pais.

Alice disse...

As pessoas, nem sempre, o fazem por mal. Estamos de tal maneira "Aculturalizados" à religião cristã, que muitas vezes sai sem que nos demos conta.

Vou dar-te um exemplo: um dia, ao visitar uns clientes por altura do Natal, desejei Bom Natal aos funcionários - assumi que todos eram cristãos. De todos eles, recebi uma calorosa reciprocidade de votos, menos de um. Achei estranho, e cheguei a conceber a hipótese que a pessoa estaria zangada comigo. Mais tarde, percebi que era Testemunha de Jeová, e que quem tinha "falhado" era eu. Assumi a parte pelo todo. Não foi por mal, mas passei a ter alguns cuidados, e não tomar toda a gente por cristã.

Acredita que, nestas coisas, raramente é por mal.