segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Adiar um sonho

Há dias li um post sobre o adiar de um sonho. O da maternidade. É triste hoje em dia uma decisão desta se tornar uma decisão económica, tal como se pondera a compra de um carro ou de uma nova casa. É triste hoje não se poder realizar o sonho de uma vida por causa da incerteza do futuro e a instabilidade presente.
 
Mas também há pessoas que se queixam por adiar este sonho (e isto nada tem a ver com a autora do post ou alguém da blogosfera) por questões financeiras, mas estas mesmas pessoas não são capazes de fazer concessões. Sim, num mundo perfeito, deveríamos ter um filho e manter o mesmo nível de vida. Mas para a maioria isto é uma miragem. Quando se tem um filho tem que se ter noção que há que abdicar de muita coisa em prol dele. Deixar de comprar muita roupa para o vestir a ele, deixar de frequentar os restaurantes mais in para pagar vacinas, etc. Mas acreditam que tudo é feito naturalmente. Mas não se pode culpar o mundo por concessões ou sacrifícios que não se quer fazer. Há que definir prioridades.
 
Mas eu sei o que é adiar ou abdicar de um sonho. Sempre sonhei ter uma casa cheia. Não há maior felicidade do que uma casa repleta de risos de crianças. Mas não. Impossível. Porque infelizmente ter filhos é um luxo, e este é um sonho vedado a muitas pessoas que dariam pais tão bons...

13 comentários:

C. disse...

"Mas também há pessoas que se queixam por adiar este sonho (...) por questões financeiras, mas estas mesmas pessoas não são capazes de fazer concessões." TÃO verdade mas tão verdade...e também as que se queixam que não têm dinheiro para casar...enfim! Eu não me posso "entusiasmar" com este tema porque é algo que realmente me tira do sério. bj

Isa disse...

Pois é Dina... realmente não é fácil! Eu também gostava de ter alguns filhos, mas não sei como vai ser. Quanto às prioridades também concordo contigo. Nós eramos 3 irmãos, e os meus pais geriam a casa com mãos de ferro para ser possivel ter o que precisavamos (não o que queriamos, obviamente), e posso dizer que nunca me faltou nada, mesmo sabendo que eles abdicaram de muitas coisas para eles, e que se calhar gostavam de nos ter dado mais. Aí percebo que muito do que é dado às crianças hoje em dia, e que os pais acham que é imprescindivel, é na maioria das vezes um exagero.

abspinola disse...

Tanta verdade Dina nas tuas Palavras, eu adiei o sonho e ontem dei por mim a reflectir sobre a idade que fui mae pela primeira vez, adiei não por questões financeiras, mas foi pelo relogio ainda não tinha apitado em mim, hoje com 36 anos estou a espera do 2º filho, novamente planeado ao pormenor, desde o valor da creche e sé dá para pagar juntamente com o piolho, as roupas e como dizes e bem, assumimos desde logo em comprar roupa somente para eles e dá mos por nós a fazer sacrificios em prol deles.

Olhando para tras ao fim de 5 anos de mama não arrependo de nada faço tudo pelo meu filho e farei tudo por esta pulgazita que cresce dentro de mim.

Bjs
Bom dia

Purple disse...

Eu não poderia nem quereria voltar a viver sem a minha filha. As noites mal dormidas, a falta de tempo para nos sentarmos no sofá ou até a falta de dinheiro na conta bancária são uma migalha na enorme felicidade que o planeta maternidade nos dá.
Mas até eu já ponderei não dar um irmão à Di. É que convenhamos, a falta da luz ao fundo do túnel neste país é desesperante.
Beijinhu

Na Província disse...

Eu adiei esse sonho,não por questões financeiras mas por sentir que a pessoa que estava ao meu lado não era a tal, agora que tenho o "tal", marido fica desempregado...a vida nunca é como nós queremos !
Um beijinho

MissBlueEyes disse...

Nós queremos um segundo filho, não sei se vamos adiar ou não, mas no início de Janeiro será tomada a decisão, se ficamos por aqui, ou se mesmo com toda este PUTA desta crise, onde me encontro desempregada, vem mais um rebento. Sei que é uma decisão arriscada nos dias que correm, sei também que não será fácil com mais um filho, mas tb sei que tudo se cria. Ter menos dinheiro não pode significar não ter mais filhos, mas se a decisão for não ter ficarei muito triste por ficar com um filho único! Porque sempre gostei da casa cheia. Tenho à volta de 40 primos de 18 tios, e famílias grandes para mim sempre foi uma felicidade :)

Pedaços disse...

Hoje em dia as pessoas pensam bastante nisso...e sinceramente não sei se isso é bom!

Opinante disse...

Infelizmente hoje em dia é assim... e tenho esse sonho adiado... e não sei até que ponto não terei já abdicado dele! São opções!

Moa disse...

A verdade é que o egoísmo às vezes fala mais alto. Eu cansei-me de esperar por dias melhores...só tenho pena que se as coisas não melhorarem não possa ir ao segundo!

MissApuros disse...

Sim, há muitas pessoas que não conseguem estabelecer prioridades. Querem atingir certas coisas, mas não são capazes de abdicar de outras. Querem tudo e não tão estão dispostas a fazer sacrificios. Depois queixam-se... bjinhos

Ana Santos disse...

Recentemente estive internada no CTI e percebi que a vida não espera até que tenhamos melhores condições, o melhor emprego, ou bom plano de previdência, ela acontece agora. Tenho 28 anos e planejava um filho para daqui a 5. Hoje, enquanto me recupero, fico pensando se é necessário realmente esperar tanto tempo. Talvez eu e meu marido tenhamos de maneira bem simples, o que realmente uma criança precisa: um teto (ainda que alugado) e amor suficiente para abrir mão de muitas coisas para vê-lo crescer com saúde e descencia.
Bela postagem! Ótima reflexão!

Verita disse...

Concordo contigo!! Às vezes vejo pessoas a reclamar da crise e do desemprego e depois falam em escapadinhas pela Europa...a sério!!! São mentalidades que me transcendem!!

Cookie disse...

Concordo plenamente contigo. Também fui mãe (do 2º, 3º do casal, porque eu e o meu marido já tinhamos 2 meninas dos nossos primeiros casamentos) este ano. Foi uma decisão muito ponderada, mas admito que ainda hoje continuo a ter muito receio. É dificil decidir trazer uma criança ao mundo num momento como este... Preocupa-me continuar a perder nível de vida por redução de rendimentos e um dia poder faltar alguma coisa aos meus filhos. Quanto às concessões, são mais que muitas... mas tudo se justifica para poder usufruir da magia de o ter nos meus braços...
Beijinho