segunda-feira, 28 de maio de 2012

Sofrimento humano

Uma amiga teve de ser sujeita a um aborto terapêutico. E se já há temas que nos deixam chocadas em tempos normais, quanto uma pessoa está grávida, ficamos ainda mais sensibilizadas...

Nem quero imaginar a dor de uma mulher com mais de 22 semanas de gestação ter que abortar. E nas condições em que tudo acontece. Não tinha noção que num aborto terapêutico, uma mulher tem que parir o seu filho de qualquer forma. Sim, o parto é-lhe induzido. A única coisa que os médicos fazem ainda mais atenção é para ela não ter dor de parto. E a cesariana nunca é ponderada, porque a cesariana só existe para salvar a vida da criança, que neste caso está destinada a morrer. Mas depois estão na sua maioria das vezes mais de 48 horas em dilatação, num quarto com mais 3 mulheres. E cuidado, mulheres que estão ali para interrupções voluntárias da gravidez. Sim, mistura-se tudo! Contava-me que estava uma senhora toda feliz ao telefone porque tinha chegado a sua vez de se ver livre do problema.

Posso perceber que em termos médicos não haja muito mais a fazer. Mas não poderíamos criar um ambiente mais humano para estas mulheres que sofrem fisica e psicologicamente? Terá um custo tão grande aliviar esta crueldade com um quarto individual em que a mulher possa estar sempre acompanhada? Há abortos repetidos totalmente gratuitos e depois poupa-se em coisas tão importantes.

18 comentários:

Diana Teodoro disse...

Trágico, realmente! O mínimo que se pedia era um pouco de privacidade. Acho que o que acontece é que muitas vezes, as coisas são tão rotineiras nos hospitais, que se perde o lado humano. É uma pena.
beijinhos,
Diana do http://thegirlwhocouldntbeafashionista.blogspot.com/

Maria Pitufa disse...

não sabia que era assim...a questão é que para darem a essa tua amiga, que o teve que fazer por razões médicas, também teriam que dar a pessoas como aquela que estava toda feliz porque se ia livrar do problema!! Espero que a tua amiga recupere bem!

Vera disse...

eu estive 3 horas em "trabalho de parto",mas não havia bebé...foi um sofrimento atroz...ninguem merece.Ao meu lado estava uma gravida, à espera de cesariana. Teve de assistir àquilo...assustou-se, enervou-se...e eu só pensava que não estava sozinha...por isso é-me tão dificil perdoar a quem recorre a IVG's...não consigo perdoar, mesmo que afirme que cada um sabe se si, e que a mulher tem o direito de escolher se quer ou não levar a gravidez avante, mas não perdoo.

Rit♥Catita disse...

Realmente é uma situação muito dolorosa mesmo. E é incrível a falta de sensibilidade por parte dos profissionais de saúde. Tratam as pessoas apenas com a parte técnica e esquecem-se do humanismo.

Opinante disse...

Por vezes esquecem-se do mais importante...

O Outro Lado do Amor disse...

Meu Deus.
Acabaste comigo agora, desconhecia isto. que crueldade:(

Nokas disse...

Nem quero imaginar tal coisa, mas estar num quarto com outras mulheres que vão ter um filho, é crueldade da pura...

Alminhas disse...

Cada vez mais acho que a Lei do Aborto deve ser revista. Eu sou a favor do aborto, mas nos parâmetros em que ele é praticado não sou. É muito triste que por ano se gaste cerca de 48 milhoes de euros em abortos e depois se poupe nos tratamentos do cancro. É vergonhoso! Na minha minha opinião uma mulher só deveria poder recorrer ao aborto uma única vez. Posso parecer dura ao dizer isto, mas há por aí muita mulher a fazer do aborto, método contraceptivo. Enfim, nem taxas moderadoras pagam, são isentas! Sempre achei e depois de ser mãe tive ainda mais a certeza, que o aborto não uma coisa que se faça de ânimo levo... ou pelo menos não deveria ser!

Clara disse...

A minha irmã teve de fazer um aborto por causa de um embrião não evolutivo às 6 semanas. Como não abortou naturalmente, teve de ser submetida a uma "raspagem" no hospital público e, enquanto esteve internada, o que mais lhe custou, foi ter ficado na mesma enfermaria que as recém-mamãs!!! Foi duro, muito duro!!!

carina disse...

Eu tenho uma amiga que sofreu um aborto,já com algum tempo de gravidez, e que foi colocada num quarto com duas mulheres que tinham acabado de dar a luz...Se a situação já era dolorosa o quarto onde a colocaram não ajudou nada. Como se a parte psicológica não tivesse interesse...

Dina disse...

Alminhas: concordo totalmente ctg. Sou a favor que sejam feitos em ambientes hospitalares, mas no referendo ninguém votou a favor que seja gratuito! Nem vou mais longe: cada vez mais há exames não comparticipados às grávidas, e depois comparticipa-se totalmente IVG consecutivas. E sou a favor que algumas mulheres destas deveriam ser submetidas a laqueação. Mas quando digo isso muita gente olha para mim como se eu fosse um monstro...

Realmente não tinha pensado nisso. Mulheres a abortar junto de mulheres parturientes... A sensibilidade dos nossos hospitais é algo que parece que não existe...

*C*inderela disse...

Realmente não há muita sensibilidade. Já a situação em si é preocupante e depois ter que lidar com "ambientes" nada propicios é masoquista mesmo. Infelizmente poupa-se onde não se deve e não se tem em atenção estes casos.

Bjokas

Moa disse...

Que horror de situação...como é que misturam estas coisas!?

susiedesonho disse...

Minha Querida Dina, essa é uma realidade que tenho bem presente na minha vida (infelizmente porque o meu gabinete de trabalho fica em frente às IVGs) e acredita que os abortos pagos pelo Estado foram a pior coisa que poderia acontecer. Há muita, muita gente, principalmente miúdas de 13/14 anos que fazem-no como se de um anticoncepcional se tratasse. É tão triste... E depois há aquelas pessoas que querem muito e não conseguem...

Ana disse...

Está tudo perdido... tenho me apercebido de cada maldade no que toca a gravidez... horror!

ombemua disse...

É horrível querida.
A minha tia passou pelo mesmo. Acompanhei tudo de perto.
Foi lhe induzido o parto e depois de um dia inteiro de contracoes ela não conseguia "deitar nada fora" como gentilmente os médicos diziam.
Passou por tanto...não existe menor compaixão por essas mulheres. É horrível.....:((((

Guinhas disse...

Realmente é demais...

Tany disse...

Infelizmente é assim mesmo... quando eu abortei não fiquei no mesmo quarto, mas no mesmo sítio onde estão as grávidas à espera de terem dilatação suficiente para irem para o bloco de partos... e de cada vez que eu ouvi um CTG ligado era como uma facada!