sexta-feira, 1 de outubro de 2010

O Porquê..

Conhecemo-nos quando tínhamos 16 anos. E fomos crescendo juntos. Apesar de sermos diferentes, complementávamo-nos e o outro abria-nos novos horizontes. Os diversos cenários da vida fizeram-nos mudar claramente: curso, morte, doenças, cohabitação, etc. Mas sempre aprendemos a ultrapassar fases mais difíceis e continuamos a crescer juntos. A entrada dele para uma esquadra normal também o modificou. Para pior. Para algo com o qual não sei se serei capaz de conviver mais tempo. Não sei se quero que um filho seja criado assim. Com ódio, arrogância e discriminação.

Ele é boa pessoa, claro que sim.Mas tornou-se intolerante. Diz que a rua o tornou assim. Por viver de perto dos tumores da sociedade. Ele é tudo pelo qual sempre lutei. Fui criada na escola (França) e em casa por ideiais: a tolerância, o amor pelo próximo, a igualdade. Seria capaz de lutar até à morte por estes ideiais. Quem me conhece sabe que é verdade. E ele tornou-se racista e homofóbico. De tal modo que se torna constrangedor na rua.

Podem dizer-me que não é motivo para tanto, mas para mim é a base, a seiva de qualquer ser humano respeitável. Quem não consegue respeitar um preto só por ser preto, não me consegue respeitar a mim. Se não admito certas coisas à estranhos (porque nunca chegam a ser amigos), como é que posso o admitir a alguém que partilha a mesma cama do que eu? Ele diz-me que tenho que o aceitar como ele é. Que não vai fingir algo que não é. Para além que mudou mais, em pequenas coisas do dia-a-dia que fazem toda a diferença.

Quem demonstrar falta de tolerância para pessoas diferentes é como se me atingissem directamente a mim. Eu sou filha de pais emigrantes. E fui criada em bairros. Eu sofri a discriminação e a prepotência das forças policiais só porque sim. E eu acho que sou alguém decente.

Pode parecer estúpido o que sinto, mas sinto. Sou assim, complicada.

19 comentários:

Bailarina disse...

Não és nada complicada. Tens os teis ideais e lutas por eles e pelo, que acreditas. Mas também percebo, quando Ele diz que tens que o aceitar como ele é, logo que Ele aceite como és. Acho que tem que haver compreenção e tolerância mutua, se assim for acredito que tudo se resolverá. Quanto à forma de Ele se mostrar agora, acho que é normal. Acredito, que viver muito de perto, com a realidade da rua, nos deve mudar e deixar muito mais frios. Pode ser que com o tempo, as coisas mudem e Ele se habitue a deixar a rua à porta de casa, porque do lado de dentro está uma pessoa que supostamente Ama. Acredito que seja tudo muito dificil para ti, mas também acredita que se deve ao facto de teres passado uma má fase, muito má e ainda te sentires muito, muito sensivel. Espero, do fundo do coração, que as coisas mudem para melhor e que tudo se resolva.

Um Bjinho de muita força

teardrop disse...

Deves pensar bem o que queres... É normal que um relacionamento de tantos anos passe por momentos mais complicados. Ao fim de 9 anos com o meu namorado sinto que ele mudou, que eu mudei. A adaptação é muitas vezes complicada, já tivémos momentos de crise por termos mudado o nosso modo de ser e de pensar.

O que referes de facto é bastante difícil de gerir. Era suposto numa relação mudarmos mas continuarmos a evoluir juntos.

Muita calma e coragem! Beijinhos

Maçã e Canela disse...

E sentes com toda a razão.

Tany disse...

Tens toda a razão para sentires o que sentes. E não deve ser nada fácil conseguir conviver assim, mas vocês hão-de conseguir ultrapassar isso.

Tenta falar com ele numa altura que as coisas estejam mais calmas, pois quando se está chateado/revoltado não adianta, e explica-lhe o teu ponto de vista. Talvez ele até consiga entender e tente mudar um pouco.

Talvez o problema de ele pensar assim é por generalizar. É certo que muitos estrangeiros que cá estão fazem coisas erradas, mas também há aqueles que cá estão para melhorar a vida e se esforçam ao máximo para o conseguir. O meu marido é brasileiro, super correcto, mas quantas vezes já não se ouviu falar de assaltos e coisas do género que envolve brasileiros?! Alguns vêm para o mal, mas outros não...

Talvez falando com ele com calma e dando o teu exemplo e dos teus pais enquanto emigrantes consigas com que ele entenda isso.

E acima de tudo muita calma... Bjs*

Marta Inês disse...

Tu não és complicada, apenas estás a lutar por aquilo que sempre sonhaste ter ao teu lado. E agora estas a chegar a conclusão que a pessoas que tens ao teu lado não é a aquela que sonhaste.
Agora se o amas verdadeiramente tens que o aceitar assim como ele é! Não o tentes mudar.

beijinhos*

MissBlueEyes disse...

Dina, estás a passar uma fase complicada, calma!

EU compreendo e aceito o que o teu marido diz. Eu tb tenho uma amigo, que é chefe de uma esquadra na zona de sintra, Ele conta coisas que se Ele fosse meu marido, temia que numa destas noites Ele não chegasse a casa. Não é fácil, só quem anda no terreno é que sabe!

Eu ainda esta semana comentava com o meu marido que talvez venha a vender o apartamento que comprei em Agualva, porque muito honestamente, agora tinha medo de viver por ali. E a zona até é boazinha! Eu agora que moro a 80km de Lisboa, não me imagino a viver lá novamente, na minha tão amada Lisboa!

Um beijo enorme e um abraço cheio de boas energia minha querida!

Gelatina de morango disse...

É uma situação complicada, sem dúvida. E é difícil aconselhar para quem está de fora. Eu tive uma relação com a mesma duração e quando começou a deixar de funcionar tão bem levei muito tempo (muito mesmo) a tomar uma decisão final. O que quero dizer, e não estou a querer dizer que a vossa relação vai terminar (não é nada disso, longe de mim) é que deves pensar muito, muito bem. Mas percebo o que queres dizer, sem dúvida, e não te acho complicada por isso.
Beijinhos

Rita G. disse...

Tens toda a razão nos ideais que defendes e na dificuldade em partilhar a vida com alguém que mudou tanto na sua forma de ver a vida. Eu tb tenho momentos em que questiono a minha vida, a minha relação, mas até agora temos conseguido encontrar um caminho. Força e que resolvas tudo pelo melhor...bj!

Chokkie disse...

A polícia que anda na rua ou mesmo nas esquadras tem que endurecer e criar uma carapaça para se proteger de toda a imensidão de problemas e quezílias com que se veem defrontados diariamente. Parece que o teu marido não consegue deixar a carapaça no trabalho e traz as defesas com ele para a vida pessoal, está a tornar-se um pouco no que ele é mas penso que é apenas fruto do meio onde ingressou. O amor quando começa muito jovem tem de ser ultra-resistente para persisitir porque as pessoas mudam muito ao longo da vida.É a situação que é complicada e não tu...Há ideias muito difíceis de tolerar sobretudo de quem mais amamos e se nos atingem bem no âmago. Há que ter calma para ir digerindo a situação mas alguma coisa vai ter de mudar...Espero que seja para melhor e que o amor persista e a crise se resolva mas se não também compreendo que te sintas farta...Bjos e bom fim-de-semana

Verinha disse...

Amiga não és complicada querida!

Eu compreendo perfeitamente o que dizes. Fui criada exactamente como tu.
E o B. também é um bocadinho como o teu marido.
Também já me stressei muito por isso, também já me fez muita confusão, também já o achei quase um "monstro" pelo o que dizia e achava.
Mas sabes consegui ultrapassar isso. Falei muitas vezes com ele sobre o assunto, não o consegui demover das ideias dele, ele continua a achar que tem toda a razão e eu é que estou errada. e como tal deixou-se de falar do assunto! Não podia largar o meu marido porque porque ele é racista e eu não.
Ele tem a opinião dele (quanto a mim errada) e eu tenho a minha, simplesmente não falamos sobre isso.
Quando por algum motivo ele começa com as parvoices dele, que deviam era fazer assim e assado aos pretos/amarelos/vermelhos/às bolinhas (não interessa), eu digo-lhe que a conversa fica por ali para ninguém se chatear e pronto. mudamos de assunto.
Ele apesar de ser racista, trabalha com pessoas de várias "cores", tanto no trabalho como nos bombeiros, e agora na escola, ele português e branco, é bem capaz de estar em minoria.
Na rua muito de vez em quando, manda aquelas bocas parva e tal, mas eu consigo controlar a coisa, e tento chama-lo à razão e ele costuma calar-se.

Sabes aqueles casais que ficam juntos até serem velhinhos, com certeza que todos eles tiveram divergências, mas todos eles se conseguiram adaptar um ao outro.

Se tu cederes um bocadinho e ele outro bocadinho, pode ser que a coisa passe e se encaminhe novamente.

Tenta falar com ele, tenta fazer com que ele se meta na pele das pessoas que sofrem o racismo, para ver se ele percebe que não tem justificação o que ele pensa.

Existem pessoas boas e más em todas as raças! Existem pessoas inteligentes e pessoas menos inteligentes em todas as raças!

Bjks grandes miga

Me disse...

Dina, as mudanças em nós e naqueles que nos rodeiam são constantes e eternas... Amar e querer estar com, passa por saber ultrapassar estas mudanças, por saber aprender a viver com elas, por também (espanquem-me) tentar mudá-las...

Amar, de forma perfeita, passa principalmente por não desisir!

Um beijinho grande

*C*inderela disse...

Todos nós mudamos, há situações que assim o obrigam. Não acho que sejas complicadas afinal são os teus valores, os teus ideiais que estás a defender. Na tua situação talvez também ficasse bastante 'desiludida' porque não foi essa pessoa que conheci e que agora mudou e tem atitudes contra aquilo que acho justo.

Eu e o meu namorado também temos alguns choques de ideias mas tentamos resolver e não dar importância. Espero que tudo se resolva pelo melhor linda, força*

anf disse...

Dina, todas as pessoas passam por mudanças, há umas gostamos mais que outras, ou aceitamos melhor, não não és complicada, apenas estás a passar uma fase menos boa,
sê forte, por vezes são apenas momentos,
um beijo grande

Olhos Dourados disse...

As mentalidades são o mais difícil de mudar.

Olhos Dourados disse...

As mentalidades são o mais difícil de mudar.

Olhos Dourados disse...

As mentalidades são o mais difícil de mudar.

a Gaja disse...

Se te compreendo, não sou filha de emigrantes mas também cresci com os mesmos ideais. Também me é difícil partilhar a minha vida com uma pessoa com ideais diferentes dos meus.

Luar disse...

Quando amamos alguém temos de saber aceitar os seus defeitos, tal como queremos que aceitem os nossos. E ao longo da vida as pessoas não são estáticas e mudam por uma série de razões. Tu própria mudaste devido ao que te aconteceu nos últimos tempos. E por isso quem ama também tem de estar preparado para sofrer, chorar, desiludir-se. Estás desiludida agora mas tudo é ultrapassável, haja vontade de ambos para isso. Tem calma, diálogo acima de tudo. =)

Fios de Vida disse...

Quando mudams a relação que temos com os outros que nos são mais próximos também muda. São situações complicadas de gerir. Muitos beijinhos e força.