quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Casais inteligentes enriquecem juntos?


Rendo-me às evidências: sou démodé. Somos um dos poucos casais com quem convivemos que tem conta conjunta. Posso ser retrógrada mas dá-me urticária ouvir casais que estão casados e que têm contas. Tem lógica? É prático no dia-a-dia? Afinal, casamo-nos, tornamo-nos uma família e passamos a gerir um orçamento familiar...

A M. e o M. tem contas separadas porque o que é de um, é dele e ponto final. Ela paga as contas de luz, água, gás e condomínio; ele paga o crédito habitação. Despeças com restaurantes, paga quem convidar ou cada um paga o que comer... O Silva macho ganha 1000€ e acha injusto contas comuns porque a esposa só ganha 500€. A I. e o J. têm uma conta comum em que cada um coloca lá um valor previamente definido para despesas comuns e guardam o resto para gastar no que bem entenderem porque o outro não tem nada a ver se um quer comprar roupa, acessórios, etc.

Os meus pais sempre disseram que, num casal, quando cada um puxa para o seu lado, que nenhum chega a lado nenhum. Ganho menos que o L. mas nunca houve problemas. Os dois ordenados caem na mesma conta e pagamos tudo dali. Quando um quer comprar algo, não há problemas porque estamos bem cientes das nossas possibilidades e das prioridades do casal. E sabemos que não podemos ter tudo e que por vezes um tem que abdicar de algo porque o outro precisa de algo muito mais importante.

E vocês, ao que acham: casais inteligentes enriquecem juntos?

23 comentários:

Sono Stravaganza disse...

Aí está um bom tema.. e que dá muito que pensar ..

*

aprendereorganizar disse...

Adorei ler este post... Concordo inteiramente contigo...Tenho uma colega, em que k o marido paga o crédito do carro e ela as despesas de casa..Como partilham o carroquando se desentendem ela diz .. este mês não lhe dou mais dinheiro para gasóleo.. Isto faz me cá uma confusão no cérebro..
Beijinhos Catarina Correia

Diaboderoupacurta disse...

Eu concordo com o que tu dizes, os casais juntos, aqueles que vivem para aquilo que os une, ao terem uma conta juntos, podem enriquecer juntos, porque o dinheiro vai para o mesmo sitio, não sai dali sem o consentimento dos dois, o uso dele é pensado por duas cabeças. No entanto, não vejo o mal de terem contas separadas, afinal de contas cada um tem que saber gerir o seu dinheiro e têm necessidades diferentes que preferem satisfazer apenas e só com o seu dinheiro, sem mexer no dinheiro do outro :)

Me disse...

Uma casa com duas "carteiras" não é o ideal, de certeza. E olha que não foi essa a "educação" que eu tive, em casa dos meus pais existem duas carteiras. Não dessa forma exageradamente separada como descreveste, mas sim, os ordenados caiem em contas diferentes e cada um assumiu determinadas despesas.

Eu e o R. temos várias contas, conjuntas ou não, mas o ordenado dos dois vai para a mesma conta e as poupanças estão em contas dos dois, as nossas, as dele e as minhas...

Cá para mim, o que é meu é nosso e o que é dele é nosso.

Parece-me que são precisamente os casais com ordenados mais baixos que têm essa postura de contas separadas.

Sempre ouvi dizer que o dinheiro não traz felicidade, mas ajuda. E o que é certo é que, ao contrário daquilo que vejo à minha volta, eu nunca discuti com o R. por causa de dinheiro. Felizmente, por não termos falta mas sobretudo por ser dos DOIS.

Verinha disse...

Eu cá tenho conta conjunta onde cai os nossos ordenados, e acho que assim é que deve ser. Tbm me faz muita confusão aquelas pessoas que têm contas separadas! Em tempos também tivemos contas separadas, mas ainda assim o dinheiro era dos dois, se o dinheiro acabasse numa conta transferiamos de uma para a outra. Nunca houve cá "o meu dinheirou" ou "o teu dinheiro" sempre foi "o nosso dinheiro".
A minha mãe por exemplo tem conta separada do meu patrasto, por uma questão burocracias, mas ainda assim, anda sempre naquela "o meu dinheiro" "o dinheiro dele" e isso faz-me mesmo muita confusão.

Eu também tenho uma conta só minha, uma conta que tenho desde os 14 anos, mas serve para pormos algum de parte (teoricamente pk na prática quase nunca sobra para lá pôr lol) e serve para o meu me fazer transferências para uma poupança que me abriu, mas ainda assim, apesar da conta estar só em meu nome o dinheiro é nosso e não só meu.

anf disse...

a mim também causa urticaria contas separadas, e cada um gasta o seu.

Quem partilha a cama deve também partilhar os ordenados, as despesas tudo.

Brandie disse...

Tema diferente:) Não me parece estarem no tal compromisso que se pressupõe num casal. Ainda para mais se um ganhasse 500 euros e o outro 10 000 euros até seria uma diferença significativa, agora, parece que quanto menos têm, menos querem ter.
Eu conheço casais com diferenças tão significativas no ordenado que ela acaba por ficar sem despesas. O dinheiro é só para as futilidades dela. Ele paga tudo mas também é ele que fica com tudo. Ela nem direito à casa tem. Isto é mais polémico e diversificado do que antigamente, lá isso é.

Jorge Freitas Soares disse...

Olá

Excelente post. Partilho completamente a tua visão, quando duas pessoas decidem partilhar a sua vida, decidem partilhar tudo, dinheiro incluído. Se não confiamos no outro para partilhar o dinheiro, como podemos confiar a nossa vida?

Jorge Soares

Isa disse...

Cada um sabe de si! Nós temos contas separadas, mas temos autorização para mexer na conta de cada um. E paga quem tiver o cartão mais há mão.

Kika disse...

Bom.. Em primeiro eu acho que cada caso é um caso. Nós temos uma conta separada para cada um, onde cai o ordenado, e uma conta conjunta. Grande parte do dinheiro vai para a conta conjunta, de onde tiramos o dinheiro para contas, supermercado, jantares.... Da conta de cada um e do dinheiro que lá fica, fazemos o que quisermos, apesar de falarmos sempre como se fossem contas dos dois. A questão é que, se lhe quiser fazer uma surpresa ou oferecer um presente é mais fácil. E poupa-se algumas discussões, porque no nosso caso temos maneiras de "organizar" o dinheiro muito diferentes.

Kika disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Liliana disse...

Nós temos contas separadas, não por nenhum motivo em especial, mas porque assim calhou. Porém, eu tenho o meu nome na conta do J., o que não acontece ao contrário, mas por uma questão de que para ele mudar o nome também para a minha, tinhamos que ir à minha agência e é longe!
Estabelecemos algumas despesas para um e para outro é certo, mas sempre que é necessário transferimos o € de uma conta para a outra!
Concordo perfeitamente com contas conjuntas, temos uma de poupança que era do J. e que tb ficou com o meu nome.
Já pensei em ter uma só para nós onde pusessemos os ordenados, mas da forma cm estamos neste momento sei que eu consigo poupar um bocadito mais que ele...e não sei cm seria em conjunto...lol! Entendemo-nos muito bem quanto a isso e é o que interessa! E sabemos que podemos contar com o nosso dinheiro, independentemente da conta (minha ou dele)!

Inês disse...

Os meus pais tem contas separadas mas eu e o meu namorado ja falamos sobre isso e estamos em acordo termos a conta em conjunto.
Possivelmente depois teremos uma pessoas só para juntar uns trocos ou uma PPR.

beijinhos*

Claudia disse...

Olá.
Parabéns pelo blog.
Concordo contigo, a mim também me dá cá uma urticária. Então quando o casal já tem filhos, nem sei como funciona. Mas já ouvi filhos a dizerem coisas do género: "queria ir para a música mas o meu pai já me paga a ginastica e a minha mãe a dança...tenho que ver a quem vou pedir..."

revelacoesdeumacarteirade20kg.blogs.sapo.pt

Sara disse...

Nós temos várias contas, umas separadas e outras em conjunto. O mais importante é o casal entender-se independentemente de ter um ou vários sítios onde coloca o dinheiro.
E não me mete confusão nenhuma os casais que têm contas separadas, desde que tenham uma conta em conjunto para as despesas comuns, como é o nosso caso.

Goma disse...

Ainda não estou casada nem vivemos juntos, mas já decidimos que a conta vai ser conjunta! Acho que tem mais lógica!!

hoje vou casar assim disse...

E como é que fazem com as prendas de um para o outro?

Miss Mau Feitio disse...

Olá...sou completamente de acordo. Eu e o meu R. também funcionamos com conta conjunta. E acho que assim é que é... :)

Beijinhos

Elisabete disse...

É um tema bastante complexo realmente!
Mas também concordo em contas conjuntas, independentemente do que cada um ganha! Parece-me o mais lógico num compromisso, numa vida em conjunto!

a girl * disse...

é complicado mas eu tb sou da opinião dos teus pais

Dear Daisy disse...

O meu marido ganha bem melhor q eu, apesar de eu ter habilitações superiores às dele..:(
Ele sempre disse: "Se eu quiser ir de férias para o Brasil, eu vou e tu ficas? Claro q nao..és minha mulher. Vamos onde pudermos ir os dois!!"
Conseguimos ter um vida satisfatória os DOIS juntos. Com os bens que eu já tinha adquirido em solteira (nomeadamente a habitação) e com os salários que ele consegue. O meu salário ajuda? Claro q ajuda..
Se o dinheiro está na minha conta, na dele ou na nossa? Isso não tem importância..

Rita Moura disse...

Contas independentes ou conjuntas, o mais importante é o casal falar e chegar a um consenso.. ; ) ***

Mónica disse...

Este é sempre um tema que tem várias formas de estar. Cá em casa, nós temos uma conta conjunta que existe desde que namorávamos e começámos a pensar nas coisas para a casa. Nessa altura colocávamos os dois o mesmo valor, desde que casámos passamos a colocar os ordenados dos dois. O M ganha mais do que eu, mas gastamos o que precisamos e poupamos o restante, sem estar a pensar quem gastou mais ou menos.
Os valores que tinhamos de solteiros, ficaram nas contas individuais de cada um, mas se houver uma emergência, está lá para ser usado para o que for preciso.
Bjs
Mónica