quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Por treze razões | Jay Asher


Trata-se de um livro para adolescentes e jovens adultos que retrata temas polémicos e sensíveis como o bullying, violência entre jovens, afirmação entre os pares, amor, vingança, etc. Faz-nos pensar em como pequenos acontecimentos isolados podem tomar proporções incontroláveis e podem ter um impacto na vida de certas pessoas. Pequenos incidentes que, somando-se a outros, transformam a vida de um adolescente, e o pode isolar dos seus pares e levá-los a situações extremas. 

O livro começa assim: "Olá, sou a Hannah Baker. [...] Põe-te confortável. Porque vou contar-te a história da minha vida. Mais especificamente, por que razão a minha vida acabou. E se estás a ouvir esta cassete, é porque tu és uma das razões". 

Clay Jensen é um dos conhecidos de Hannah Baker que acompanha a sua história através das cassetes gravadas por ela. É uma maneira original de descobrir o que aconteceu, e como cada personagem está envolvida. Não é um livro fantástico, mas é uma leitura agradável e interessante. 

8 comentários:

TheNotSoGirlyGirl disse...

eu vi a serie. é mesmo triste...

TheNotSoGirlyGirl // Instagram // Facebook

Carpe Diem disse...

Obrigado pela partilha :) vai ficar na minha lista.

Beijinhos

Mary disse...

Eu vi a série e confesso que fiquei com a opinião de que todos os pais a deviam de ver.

Um Mundo a Três disse...

Eu vi a série e gostei muito.

ML disse...

Eu vi a série e apesar de ser para adolescentes fez-me pensar...

Dina disse...

Concordo plenamente: é um tema tão atual e que nos pode tocar a todos. Deveríamos falar mais sobre bullying e de uma forma mais informada, para consciencializar mais os pais e as crianças.

Cynthia disse...

Eu não li o livro, mas vi a série. E adorei. Não fiquei com a ideia que fosse para adolescentes e jovens adultos apenas, acho que todos os pais e educadores também deviam ver. Trata temas muito actuais, demasiado correntes hoje em dia e graves, que, na maioria das vezes, passam ao lado de quem está próximo.

Dina disse...

Cynthia: Concordo plenamente!