segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Das dietas de ano novo











Nunca gostei de fundamentalismos, no que diz respeito a religião, a questões sociais, ... e claro no que toca a dietas. Odeio ouvir pessoas a dizerem orgulhosas que deixaram de comer tal alimento (por exemplo hidratos de carbono), sem haver uma questão de saúde associada. Não sou apologista de detox ou de dietas super restritivas que ao mínimo deslize nos faz ganhar peso, que prejudicam a nossa saúde e que nos deixam com um humor de cão.

Há um segredo nas dietas: comer limpo, comer saudável, e sempre com prazer. Variar, comer colorido. Este é o meu verdadeiro segredo: comer o menos processado possível, isto é, apostar nos frescos: fruta, legumes, peixe, carne, frutos secos, leguminosas e produtos lácteos simples. Ouvi em tempos esta frase: "comer saudável, é escolher os alimentos com menos resíduos plásticos". 

Como de tudo, mas tenho um cuidado redobrado quando planeio as refeições familiares. Tento comer verdes a todas as refeições. Faço refeições ao jantar só de sopa. Opto por massa, pão e arroz integrais (ou basmati). Opto sempre pelas versões mais "magras" e pelos produtos com melhor composição nutricional: aprender a ler etiquetas é fundamental para avaliar excessos de gordura, açúcar e sal nos alimentos. Prefiro bolachas de milho e marinheiras. Estou sempre à procura de receitas fit para variar nos lanches. Em casa, comemos muita fruta (e não me venham com a conversa do açúcar, porque é um açúcar bom, em nada comparável com o açúcar processado). 

E o melhor é que sei que estou a treinar o paladar do Simão. Com 4 anos, não liga a hamburgueres, pizzas, douradinhos e outras comidas que os miúdos adoram. Delira com bróculos, couves de bruxelas, cenoura, peixe grelhado e sushi. Como tudo na vida, a alimentação é um processo de aprendizagem e habituação. 

E mais uma vez não sou de fundamentalismos: apetece-me um doce, pizza, uma massa gratinada, etc., como. Porque o nosso corpo precisa de variar. O importante é comer bem a maior parte do tempo. Definir um dia específico da semana para cheat meal não é comigo. Há semanas em que posso cometer vários "pecados" e depois passar semanas sem me apetecer. Não gosto de certos controlos, que nos limitam a espontaneidade e o prazer. Porque temos de ter prazer à mesa, porque senão saímos da mesa e vamos a correr para o pacote de batatas fritas. E lembrem-se de que não ter certos alimentos em casa ajuda-nos muito a não cair em tentação. 

Apostem nos grelhados e nos assados acompanhados por legumes, deliciem-se com caldeiradas, com estufados leves, ... e sejam felizes à mesa!

Digam lá se a comida das fotografias não é apetitosa?

4 comentários:

Isa disse...

Concordo com esta visão, que é a minha opção por cá. Só acrescentar que a sopa é mesmo uma grande aliada principalmente para controlar as doses da refeição. Como um bom prato de sopa para começar, e depois a refeição principal em doses menores.

Evy Percebes disse...

As fotos são deliciosas! O que tu fazes é o certo :) Beijinhos e Bom Ano!!

Jo disse...

Concordo totalmente! :)

cozinha100segredos disse...

Até nisto somos parecidas! Beijinhos