quinta-feira, 22 de maio de 2014

Um filho


Vejo muitas mulheres que foram mães na mesma altura do que eu a voltar a engravidar. E sinto um nó no estômago. Não consigo deixar de pensar "porque não eu"...

Tenho imensas saudades de estar grávida (apesar da gravidez de risco e todas as maleitas pelas quais passei), quero tanto voltar a sentir todas estas sensações maravilhosas. Queria tanto passar pela experiência de um parto natural. E sei que viveria estes momentos com mais serenidade. Gostava muito de dar um irmão ao Simão, um companheiro de brincadeiras. De ter uma casa cheia. 

As condições económicas tem um peso na decisão de não avançar. Mas um peso mais pequeno do que se poderia imaginar. Não é como quem me diz que o segundo fica sempre mais barato. É tudo a multiplicar, como pode ficar mais barato? Mais fraldas, mais comidas, mais consultas de pediatria, mais vacinas, duas mensalidades de creche, casa maior, etc.

O que me assusta é a minha disponibilidade emocional. Ter tempo de amar convenientemente dois filhos. Ter tempo para me sentar e brincar com eles. Ir às festas dos dois na escolinha. Embalar e dar carinho aos dois, sem o fazer a correr porque tenho tanto que fazer. Sem me sentir engolida pelo ritmo quotidiano.

Afinal quero ter uma carreira sólida e sabe Deus o que pressupõe e os sacrifícios que devemos fazer para o conseguir. E não tenho família que me apoie. É assim por amor ao Simão e a outro possível filho que não avanço. Porque quero ser  mãe a 100%. Porque ser mãe é dar carinho, é ser um suporte incondicional e constante. 

7 comentários:

Alex disse...

Sou mãe de um filho único e já passei mil dúvidas dessas. Hoje ele tem 12 anos e para além de tudo o resto, já não tenho idade para voltar a ser mãe. Quer dizer, ainda poderia mas acho que já não conseguiria ter disponibilidade física e mental. Apesar das enormes saudades de estar grávida. Beijinhos!

Isa disse...

Apesar de compreender o que dizes (se eu não tivesse ninguém perto de mim seria 100x mais dificil de criar a minha filha), dar um irmão aos nossos filhos é também proporcionar-lhes outro tipo de amor que não só o dos pais. Um amor que muitas vezes é mais que suficiente para os pais não terem de estar sempre lá! Agora que é dificil estar a 100% em tudo, é! É dificil ser mulher, profissional, mãe, amiga, etc... é verdade...

Isa disse...

Apesar de compreender o que dizes (se eu não tivesse ninguém perto de mim seria 100x mais dificil de criar a minha filha), dar um irmão aos nossos filhos é também proporcionar-lhes outro tipo de amor que não só o dos pais. Um amor que muitas vezes é mais que suficiente para os pais não terem de estar sempre lá! Agora que é dificil estar a 100% em tudo, é! É dificil ser mulher, profissional, mãe, amiga, etc... é verdade...

Opinante disse...

Esse é um dos meus receios, porque se for mãe, não ambiciono um só filho...

Dany Lacerda disse...

Sou mãe de um menino de 3 anos, tenho 35 anos e gostaria muito de poder ter mais um. Mas minha maior duvida è por causa das condições do meu casamento, alèm da minha idade è claro. Hoje vejo o quanto a estabilidade familiar è importante para crescer uma criança de bem.

Caco disse...

Esse receio é comum a todas as mães. Vais saber quando chegar a altura certa. Baby Caco ainda não tem irmãos, mas está nos planos. É verdade que nos dias que correm não é tarefa fácil, mas havendo amor, tudo acaba por se arranjar.

James, Patudinhos e Amor disse...

Como te compreendo...