terça-feira, 22 de outubro de 2013

Uma questão de cor


Não gosto das guerras de sexo e das típicas comparações.

Mas a verdade é que os homens são muito mais limitados do que as mulheres em termos de percepção de cor (e aqui excluem-se todos os homens com tendências gays e afins).

Para um homem um rosa será sempre um rosa. Simples. Uma palavra que resume um conceito perfeitamente definido e estanque. Para uma mulher um rosa pode ser choque, velho, framboesa, e poderá ter mais mil derivações. E isso para todas as cores. Há cores que os homens nunca ouviram falar, simplesmente.

É por isso que os homens não percebem a nossa gama de vernizes. Porque para eles temos 3 vernizes iguais, mas não: têm variações subtis de cores mas para nós faz toda a diferença. Ao ponto de precisarmos muito de um verniz idêntico ao que compramos na semana passada. Mas isso não interessa: nós não temos aquela cor específica.


O que vale é que isso acontece-me apenas com vernizes, mas sei de quem sofra deste mal também com batons…

4 comentários:

Jo disse...

Como te compreendo!! Eles não conseguem mesmo perceber as diferenças... e já nem falo só dos vernizes, mas às vezes tenho conversas surreais com o meu namorado a propósito de cores de carros com que nos cruzamos na estrada por exemplo...!!

Opinante disse...

Eles são tão práticos!

Dreams disse...

Explica isso ao meu marido :P

Sílvia disse...

Exatamente! Não podia concordar mais. Eu por exemplo tenho vários rosas, vários vermelhos e vários corais/laranja. Obviamente todos são diferentes (mesmo que não pareça)