quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Dos amigos

O nascimento de um filho cria uma triagem natural dos amigos que interessam e dos que não merecem o título de amigos. Neste último mês, tive mais provas disso. E perante o afastamento de um casal amigo “sem filhos”, decidi confrontá-los perante as circunstâncias. E ouvimos cada coisa…

Afinal somos pais demasiado fundamentalistas. Porque nunca queremos ir à praia com o Simão à tarde. Porque connosco é sempre de manhã ou no final do dia. Afinal não faz mal de vez em quando ir à praia fora de horas. Somos pais fundamentalistas porque têm outros amigos que têm filhos com a mesma idade que não fazem sestas e que são saudáveis na mesma. Somos fundamentalistas porque não queremos ir para cafés/bares à noite porque é hora de dormir e porque a música é demasiado alta e não achamos o local adequado para uma criança com esta idade. O Luís é um exagerado porque anda sempre cansado e é uma seca (tentem não dormir uma noite seguida há mais de um ano e trabalhar por turnos) e porque o Luís nas folgas fica em casa com o pequeno quando está doente em vez de o pôr na creche. Até ouviu recriminações por naquele dia em que o Simão foi levado de urgência para o Hospital ter deixado tudo e corrido ter com ele.

O que me alegra é que esta gente vai morder a língua quando tiver filhos. Ou não, e isso ainda me assusta mais.

Eu passei a ter um filho e as minhas opções de vida passam agora a ter em conta as suas necessidades. Eu faço tudo o que fazia antes, mas de outra forma. E há situações que, na minha opinião, não são saudáveis para crianças de um ano.


Mas eu é que sou fundamentalista. Tanto que já risquei mais um nome na minha lista de supostos amigos

23 comentários:

webshopcenter@gmail.com disse...

Acontece com todos, não só consigo, e às vezes a desilusão que temos com certos "amigos" é brutal.

Mas a vida é assim e com um filho as prioridades mudam, tão simples quanto isso (mal dos filhos se não mudassem digo eu)

o que vale é que também tempos algumas agradáveis surpresas!

E por eles (os filhos)..compensa tudo!
bj
Mary

Marisa Feliciano disse...

Parecem uns amigos um pouco ressabiados, não?? É que mesmo os meus amigos que não tem filhos, nunca tem esse tipo de comentários.. isso é já um exagero!!

Marisa Feliciano disse...

Parece uma conversa de pessoas ressabiadas... os meus amigos que não tem filhos, entendem sempre quando lhes falo das sestas, e o meu já tem 3 anos.. sair à noite c um miúdo de 1 ano?? sério q alguém diz um disparate desses? enfim...

Alminhas disse...

Existem pessoas que não percebem que um filho muda tudo e que essa mudança não é má. Quando eles nascem (às vezes até mesmo quando estão na nossa barriga)as prioridades mudam. O bem estar de um ser pequeno e indefeso está dependente de nós. Dar o melhor é fazê-lo crescer saudável, educado e feliz. Eu custa-me muito ouvir certas coisas e pior saber que algumas dessas pessoas são pais ou ainda o vão ser. O que alguns chamam de fundamentalismos ou chamo de regras, valores, educação, rotinas e são esses pequenos fundamentalismos que fazem uma criança feliz e saudável!

raquel disse...

:) :) Ainda vais ser mto mais criticada. Tenho um filho de 5 anos e sei do que falo! Por isso já tive um blog, q tu tb seguiste, e lá desabafei inúmeras situações dessas!... lamento informar-te, mas isso ainda é mto pouco, ainda é o começo. As pessoas têm a mania de criticar, até passarem pla mma situação.. agora, c quase 6 anos de mto mau juízo por parte dos outros...remeto-me simplesmente ao silencio! Pq cansa explicar algo que não atingem! Sabes que te digo, pensa no teu amor, nos que te apoiam e o resto que se f***! Desculpa! Um beijinho grande
RV

Dear Daisy disse...

Eu, que não tenho filhos, só te digo: mas que raio de gente é essa???
Amigos? Não, obrigada! Nem com Salvador, nem sem Salvador.
Enfim...

Maria João disse...

Nem vale a pena estares a aborrecer-te com isso!!! Não podem ser normais, ou então vieram de algum local onde não existem bebes.
Onde é que esses teus Ex-amigos deixaram a nave deles??????

Bjs e esquece,
MJ

Carol disse...

Ou não, e isso ainda assusta mais! Pode ser que mordam a língua e na altura repensem a atitude que tiveram...

Moa disse...

Tou farta de riscar Dina!

Me disse...

Tu tens uns amigos muito estranhos... A sério que tens.

No meu grupo de amigos, fomos os primeiros a ter filhos e por isso estaríamos mais sujeitos à diferenciação.

Mas até agora, a minha filha é a princesa dos olhos deles (homens e mulheres). Adaptam-se aos horários dela, fazem-lhe tudo, mimam-na... mas isso se calhar também é de mim que não sou daquelas mães paranóicas que não deixa mais ninguém dar a sopa à filha (conheço muitas assim e depois espantam-se quando toda a gente se afasta, não estou de todo a dizer que seja o caso).

Um beijinho

Tsuri disse...

Credo! Mas isso é um perfeito absurdo... Acho egoísmo puro, falta de amizade e coerência, mas enfim. Não temos filhos e no entanto adaptamos a rotina aos nossos amigos com filhos... Até ficamos com bebés quando é necessário...
Acho que o peixe morre sempre pela boca, logo quero ver qual a volta que a vida vai dar a esse casal.
Beijinho

Isa disse...

Isso nem parece uma descrição real... Com amigos desses quem precisa de inimigos? Risca à vontade que não fazem falta!!

Dina disse...

Alminhas: Não podia ter dito melhor!

Me: Eu nem sou fundamentalista. Eu até empresto o meu filho às amigas que estão a planear ter filhos e que se sentem inexperiente :) A principal diferenças entre a maioria dos amigos (com ou sem filhos) que tenho é que somos dos poucos que não têm família perto. E então há muita gente que não percebe que quando não se tem o apoio de avós, por vezes as coisas têm que ser diferentes. Mas sim, atraio pessoas estranhas :)

Saltos Altos Vermelhos disse...

Tu põe estranho nisso! Risca que realmente não devem mesmo valer a pena. Não saber respeitar os outros é defeito.

vidasdanossavida disse...

Nem vale a pena ligar. Há-de haver sempre alguém a criticar e a tentar dizer como é que se deve fazer.

Ritokas disse...

Dina, é que nem ligues a essa gente isso não são amigos não são nada, não te merecem nem aos teus. Os amigos são para todas as ocasiões e por isso é que lhe chamamos amigos. Beijo Grande

Pulseira disse...

Concordo completamente como que dizes, eu não tenho filhos mas penso que a tua atitude perfeitamente normal, seria anormal se não agissem assim! Não ligues a gente que não sabe como as coisas são e que nem têm noção de nada!

Petra disse...

Risca mesmo da tua agenda, gente intolerante e maldosa.

Fernanda disse...

Se isso é fundamentalismo, abençoado fundamentalismo que zela pelo superior interesse da criança. Dina, deixe-os poisar! Deixe-os poisar! Ou então, não e serão uns pais péssimos e egoístas.

CS disse...

Não me espanta que haja pessoas que pensem assim, pois não são pais. Espanta-me sim quem pense assim e já seja pai. Bebés em bares noturnos, bebés em birras constantes por privação de sono, bebés que vivem a vida social dos pais como se fossem adultos.
Cada um sabe de si.
A vida por si vai fazendo a seleção natural de quem nos acompanhará e de quem ficará para trás...
bj

Boboquinha disse...

Ora, se te abriram a boca para serem sinceros, decerto que não está tudo perdido. Olha que há tantos falsos que contornam as situações. E tudo é relativo. Depende do ponto de vista. Cada pai tem a sua forma de educar e criar uma criança. Difere sempre, mas sempre, das noções dos outros. Jamais vais encontrar quem ande a par e passo com as tuas crenças.

Acho que devias relevar. Porque assim como começas o texto a dizer que ter um filho serve para fazer uma triagem nos amigos, existem muitos amigos solteiros a se queixar que quando os amigos se casam e têm filhos tudo está perdido.

E ambos têm razão. Que tal se encontrarem a meio-campo e não disputarem com a criança pelo meio quem é que tem razão?

Pipita de Chocolate disse...

Tive um episódio semelhante há umas semanas e o bebé ainda não nasceu! Fomos passar um fim de semana com um casal amigo ao Algarve à casa do meu sogro, que fica mesmo ao lado da casa dos avós paternos do meu marido. Uma vez que o avô dele teve um AVC há 2 meses, mas que graças a Deus recuperou bem, é natural que o meu marido quisesse ajudar um pouco mais os avós. E eu grávida também já me custava estar muitas horas na praia (já não tinha posição para estar...e o calor...!). Mas eles foram com a ideia de praia, praia, praia... e não foram minimamente compreensivos com a nossa situação... depois nós somos o tipo de casal que não pode andar a jantar fora dia sim dia não, então somos mais o estilo de comprar peixe e grelha-lo em casa (já que tinhamos espaço ao ar livre para isso). Mas eles que gostam de comer fora não pareceram entender isso... Enfim não os riscámos da lista, mas nota-se que ficaram algo melindrados com a situação, e nós também.

Este ano estive de férias com um casal amigo com um miúdo de 3 anos e correu lindamente. Nós respeitamos as horas que eles podem estar na praia, e não nos preocupamos minimamente!

Beijinhos

Guinhas disse...

Eu acho que já disse que não tenho filhos, num outro comentário. Agora acho que quem os tem deve adaptar se, especialmente nos primeiros anos da criança, ao seu filho e ter os cuidados. É obvio que uma criança muda a nossa vida mas os amigos têm de respeitar isso! O que seria tu não teres saido a correr do escritorio quando o Simão foi para o hospital!!
Acho é que há pessoas que não entendem que os registos mudam..e isso sim, como dizes, é uma forma de vermos os amigos. Os amigos crescem connosco, apoiam nossas decisões e, acima de tudo, ficam felizes connosco e por nós