segunda-feira, 15 de abril de 2013

Amor não se mete em cifrões


Custa-me ver tantos pais e futuros pais tão preocupados com o bem-estar "económico" dos seus filhos. Quando há coisas que só os pais é que precisam delas por uma questão de ego social.

O meu tem o melhor apoio de saúde, tem a alimentação que considero a mais saudável, tem tudo o que precisa para viver em segurança e a melhor higiene. Depois, não tem uma única peça de roupa de grande marca (só os sapatos porque uma questão de saúde), tem brinquedos q.b, tem um quarto do IKEA. E tem uma coisa super importante: amor. Muito amor. E tempo de qualidade com os pais. Muitas brincadeiras. Tudo ao ritmo dele e pensado para ele. Ele é a prioridade do pai e da mãe. E isso sim é o que ele vai recordar, isso sim é que o vai tornar um adulto saudável, e não se a etiqueta do blusão era Chicco ou Primark.

As crianças não precisam nem de metade daquilo que nos fazem crer. E por vezes estamos tão preocupados em juntar dinheiro para coisas que não são assim tão importantes que nos esquecemos de passar tempo com as crianças. Quero acreditar que não há melhor plano para uma criança do que chegar ao fim-de-semana e poder ir andar de bicicleta com o pai, jogar a bola no parque, fazer um bolo com a mãe, rebolar na relva.
 
Porque há coisas a que eles não ligam nada. E é tão fácil fazê-los felizes. E sim, pode-se ser pobre e muito feliz!

18 comentários:

Pulseira disse...

linda perspectiva e sinceramente muito realista e feliz!

Ana Santos disse...

Existem tantas opções para fazer um filho feliz, sem qualquer estatuto social, como concordo com as tuas palavras.
Não é preciso ter um quarto recheado de brinquedos para os ver felizes, é o q.b, aqui em casa sempre foi o nosso lema com o nosso filho de 5 anos, e o próximo será educado sobre as mesmas regras.
Mas infelizmente o que vejo no dia a dia de muitas crianças é a interiorização que ter tudo quer brinquedos, bons quartos, e roupas de marca dá lhes um estatuto social acima dos outros e os Pais nao percebem o quanto estão enganados.

Beijinhos
Boa semana

Karochinha disse...

Um dia, enquanto estive grávida, li num livro que os melhores brinquedos para um filho são os pais e a sua companhia e atenção.
Partilho desta opinião e dou à minha filha apenas o essencial material porque sei que lhe basta. Pelo contrário, dou-lhe o máximo de mimo, amor, educação e atenção. E no futuro irei aprecia ro resultado deste investimento sentimental.
Beijocas nossas ;)

ce. disse...

Verdade,grande verdade. E é isto :)
bjs

Jo disse...

Acho que tens toda a razão. Havendo dinheiro para o indispensável e mais básico - higiene, alimentação, etc - então basta que haja amor!

Opinante disse...

Claro que sim :)

Moa disse...

É bem verdade o que dizes!

Miss L. disse...

Por aqui tb não se compram coisas de marcas xpto...tal como tu, à excepçao dos sapatos! Tudo o resto...muita roupa é das primas (e que jeito que dá) e as outras são de marcas bem banais!

O que itneressa é mesmo o tempo que passamos com eles! E ultimamente, se tenho a casa apor arrumar ou roupa por passar sei que irei ter tempo, mesmo que me tenha que deitar mais tarde...o que interessa é brincar com a minha filha...q também não precisa ter todos os brinquedos e mais alguns! Aliás...quanto mais têm menos valor dão!

Bjoka

Mail me!

me disse...

Concordo plenamente. Eu(ainda)não tenho filhos, e sim é bem verdade que se antes pensava que tinha que estar num determinado patamar de vida+carreira para depois pensar em filhos, é também bem certo que a vida tem-me ensinado o contrário. Acho que influenciada por certos baby blogs penso que é necessário IMENSO dinheiro para ter um filho para vestir assim ou assado. Hoje penso exactamente o oposto o importante é o q dizes:viver com AMOR, muito AMOR!AMOR dos pais, de quem os rodeia...é verdade que o dinheiro éimportante para lhes dar o q.b. mas não é o essencial. Se calhar hoje sou quem sou, pelo facto de nunca ter td mas sim apenas o essencial. E isto deveria ser o meu exemplo e está a sê-lo cada vez mais...Bjs Raquel

raquel disse...

Grande Post, grande Verdade!!! Adorei! Penso exatamente assim!! Nunca liguei a marcas e acho que o meu filho irá pelo mesmo caminho! Queremos é ser felizes e isso, não há marca que compre: A Felicidade! Beijinho ;)

Little m. disse...

Tens toda a razão, o amor que se dá às crianças é sem dúvida, o mais importante!

Miss Q disse...

100% de acordo. os pais ás vezes não têm noção o quanto prejudicam os filhos e da elevada e exigente responsabilidade que é educar uma criança.

http://qaoquadrado.blogspot.pt/

PrincesSu disse...


Adorei as tuas palavras!!!
Que lindas e tão verdadeiras :)

Concordo plenamente :)

Petra disse...

Tão verdade Dina, e as vezes o egocentrismo, a mania e a necessidade de afirmação e insegurança dos pais é que os torna preocupados, inseguros e os faz desejar coisas supérfulas que não interessam nada.

Guinhas disse...

Não podia concordar mais!!em contrapartida tb há muitas cheia de marcas e com falta de...amor!

Mundo em Vida disse...

Concordo plenamente! Há uma frase que o meu pai costumava dizer quando eu era criança "Pobrete mas alegrete".. fiquei nostálgica agora :)
* * *

vidasdanossavida disse...

Nem mais!! Beijinhos e muito boa sorte para a nova fase!!

amigos das onze horas disse...

Tens toda a razão!O que é preciso é tempo para os gozar e dar muito amor!
beijinhos