quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

O mal dos outros


Nos momentos de dificuldade é bom sentir o apoio dos amigos. Posso até dizer compaixão. Mas há quem abuse na sua demonstração de preocupação. Chegam-se ao pé de mim a lamentar-se profundamente, como se eu estivesse moribunda.
 
Sim, o desemporego é uma situação complicada, principalmente com uma criança tão pequena a cargo. Mas não há nada que não se ultrapasse. E enquanto não se ultrapassa, vive-se como se pode. Felizmente ainda tenho direito a subsídio o que ajuda bastante. Mas mesmo assim há quem me venha chorar aos ouvidos a minha situação deplorável, como se a minha vida tivesse acabado. Costumo responder  que as consultas e tratamentos de psiquitatria são demasiados caros para me dar ao luxo de ficar com depressão. E depois o importante é haver saúde, porque o resto vem atrás.
 
Não quero parecer mal-agrdecida, mas há pessoas que exagerem. Parecem que só estão bem a ver os outros no fundo do poço e a afundá-las cada vez mais...

19 comentários:

D* disse...

Não ligues a essas pessoas... deixa-as falar. Um dia a tua vida há-de melhorar...As lamentações não levam ninguém muito longe.

Beijinhos querida

Na Província disse...

Há pessoas que de facto não tem sentido de oportunidade.
Um beijinho

MissApuros disse...

Há pessoas que têm gostinho em ver os outros mal, nem que tenham de contribuir para isso de alguma maneira. Felizmente ainda existem pessoas que têm uma postura completament diferente e o discurso delas só nos puxa para cima. Não ligues a esse gente, mostrar-te superior. Beijinhos

Alexandra disse...

Substitui a palavra desempregada por actividade laboral sem remuneração... ser mãe é um trabalho a tempo inteiro e sim, as pessoas adoram quando os outros estão na merda! Ah... mas nós somos superiores a isso!


beijo!

Me disse...

Compreendo tão bem o que escreveste. Senti precisamente o mesmo quando a minha irmã morreu (e por vezes ainda sinto)... parece que as pessoas ficam satisfeitas se estivermos pior ainda do que já estamos.

Mas sim, o espírito é esse. Há coisas bem piores :)

Um beijinho querida

Tsuri disse...

Concordo contigo Dina. Eu tenho o marido desempregado mas nem sequer dá hipótese a alguém de fazer dele um coitado para o deitar abaixo. É sempre ao contrário.
Acho que fazes bem em manter-te numa posição assim e sempre positiva.
beijinho

Rosa Chiclet disse...

as pessoas abusam.. bola para frente que vais encontrar alguma coisa..

kisses***

Opinante disse...

Apenas te deixo um abraço apertado e muita paciência para lidares com essa gente!

Dina disse...

Alexandra: é bem verdade :) trabalho tenho eu a cuidar deste reguila e da casa. Ganhei ainda mais respeito pelas donas de casa

eu mesma disse...

é bem verdade, mas gosto desse teu espirito.

força ;)

vidasdanossavida disse...

Sim, há pessoas que gostam de deitar abaixo. Eu também fiquei sem o meu trabalho a tempo inteiro e tenho aproveitado para curtir o meu filho ao máximo, ir buscá-lo mais cedo à escola (excepto nos dias em que a avó pede para ir ela como fazia quando eu trabalhava a tempo inteiro), ir ao parque, brincar mais, dedicar mais tempo à casa, à família e aos amigos. São fases. Não vale de nada lamentarmo-nos, mas sim aproveitar o melhor. Bjs e bom ano

Lu Mar disse...

Este povo é muito pessimista, é o que é!
Gosto muito de te ler, continua sendo quem és e não dando ouvidos a quem não merece ;)

http://keepcalmtivemosumbaby.blogspot.pt/

Jo disse...

Percebo o que queres dizer e concordo inteiramente! Há que procurar manter uma atitude positiva e continuar a aproveitar a vida, acreditar que mais cedo ou mais tarde a coisa se resolve! Mas há pessoas que são tão pessimistas que parece que só estão bem a criticar, a queixar-se ou quando tudo está mal.. irra! Não há paciência.

Guinhas disse...

Também acho..há gente que não dá valor às coisas que têm, só olha para o mau e assim nem saboreiam as coisas.Só dão valor quando perdem.

Cookie disse...

Compreendo-te bem... Tenho uma pessoa de familia próxima que acabou de ficar desempregada e eu só penso que tenho é q fazê-la pensar noutras coisas e ficar bem disposta. E quando falamos sobre o desemprego é sempre numa perspetiva objetiva e procurando dar ideias e motivá-la.

Sónia disse...

Sei o que isso é, mas o desemprego não é o fim do mundo, e não nos podemos dar ao luxo de ficar deprimidas com isto.
Beijinhos doces

Dina disse...

É mesmo assim: as coisas têm sempre duas faces: a boa e a má. Há que saber aproveitar a boa. Aproveito para criar o meu filho e acompanhá-lo nesta fase tão boa :)

Petra disse...

Pessoas que só desajudam... bjo

D. disse...

Vim aqui parar e este foi logo dos primeiros post que li.
Sei do que falas. Também eu estou desempregada vai fazer agora no final do mês um ano.
A sorte é que há outras pessoas que são o oposto e dão-te força e falam de outras coisas para além de tentarem sempre ajudar.
Também ganhei mais respeito pelas donas de casa e as minhas filhas ficaram no delírio. Agora a mãe vai levá-las e buscá-las à escola.
Há que ver as partes positivas dentro do menos positivo.