terça-feira, 24 de janeiro de 2012

A insensibilidade

Há grávidas tão pouco sensíveis. A minha melhor amiga está a passar há mais de dois anos por uma dificuldade em engravidar. Não posso falar de infertilidade, pois apesar de há dois anos fazer exames e mais exames e consultar especialistas, o seu problema ainda não foi identificado. E ela chegou agora à beira do abismo. Ainda por cima o resto da sua vida também não tem sido fácil e agora toda a gente a sua volta está grávida.

Apesar de todos saberem do seu desespero, estas grávidas não se abstêm de partilhar com ela «ai nem imaginas o quanto é especial sentires vida a crescer dentro de ti», «ai sabes o bebé mostrou a carinha na ecografia», «ai o Miguel deu mais um pontapé», etc. Cada frase destas é como uma facada para ela.

Apesar de estar a viver uma fase que gosto de partilhar com as minhas amigas, abstenho-me de falar com ela, em pormenores. Já dei o recado e responderam-me que ela estava a ser egoísta de se sentir mal pela felicidade dos outros e que se fosse a minha amiga iria partilhar da minha felicidade. Mas eu sei que ela está feliz, mas sei que a dor que lhe provoco insconscientemente é ainda maior, por isso não há necessidade. Quando me faz uma pergunta, respondo vagamente e só falamos do seu problema quando quer. Não acho que ela esteja a ser egoísta. Só acho que esteja a fazer o mais certo. Se calhar porque já passei pelo mesmo.

Como li recentemente «O mal é a incapacidade de nos pormos no lugar do outro. É a incapacidade de imaginar os sentimentos do outro e de os sentir como se pudéssemos ser nós.» E esta frase aplica-se a tantas áreas das nossas vidas. Se mais gente conseguisse fazer mais pequenos sacrifícios em nome dos outros, não olhando tanto para o próprio umbigo, a vida seria mais fácil e não teria agora uma grande amiga à beira da depressão...

27 comentários:

rosa_chiclet disse...

é uma situação bastante complicada, pois de certeza que ela deve estar super contente por ti, mas ao mesmo tempo deve ser horrível...

Dá-lhe miminhos e tenta falar com ela sobre outros assuntos :)

kisses***

Pipa disse...

Tens razão. Só estando no lugar da outra pessoa é que sabemos avaliar o mal (involuntário) que lhe estamos a causar. Eu também prefiro assim. Falar só quando pedem. E isto aplica-se a varias situações, e não só as gravidezes. Há pessoa smemso muito insensiveis.

Beijinhos

Espero que esteja tudo a correr bem

Eu e Tu disse...

Dina, eu imagino como essa tua amiga se sente, comigo passa-se exactamente a mesma coisa e já pedi às minhas amigas grávidas que se controlassem nas conversas de "grávida". É uma tristeza profunda não se conseguir engravidar e ver à nossa volta todos a conseguirem e nós a ficarmos para trás. O pior da tua amiga é não haver um diagnóstico, o que nos leva a questionar o "porquê" de não se conseguir. A tua atitude foi muito sensata e acertada, só tenho mesmo pena que as tuas amigas grávidas não tenham percebido a mensagem e não sejam capazes de se colocar numa atitude empática com a primeira, que de egoísta não tem nada!
Beijinhos grandes ;)

M a f a l d a disse...

Tens a melhor atitude. Não digo não partilhares esse teu momento mágico com ela, mas fazê-lo de uma forma cuidada acha que demonstra que tens uma enorme sensibilidade perante os sentimentos dos outros. Ela pode sentir que tem uma grande amiga :)

Beijinho *

Moa disse...

Coitada, não é fácil, acho que fazes bem em tentar protege-la.

Nokas disse...

Não deve ser nada fácil para ela lidar com tudo isso à volta...é óbvio que ela deve ficar feliz pelas amigas mas não a censuro se algum dia ela pensar: então e eu?

abspinola disse...

Acertas te em tudo o que dizes, todo o sentimento é normal da tua amiga e fazes bem em falares o pouco possivel, apesar da tua alegria a infelicidade pelo que ela passa é duro e acredita que sei do que falo...

De certeza que um dia estão ambas a falar de alegrias juntas .

Bjstos e a força das amigas é essencial.

Tsuri disse...

Concordo plenamente contigo, até porque nada tem a ver com egoismo da parte dela, é apenas o "não esfregar-lhe na cara aquilo que ela não está a conseguir". Amiga és tu, uma grande amiga, por estares a segurá-la neste momento tão delicado.
beijinhos

MissBlueEyes disse...

Eu sou um bocado assim. Quando eu estava grávida e a minha melhor amiga engravidou 3 ou 4 semanas depois, entretanto perdeu o bebé, e ouve um afastamente, eu percebi perfeitamente. Não a incomodei, e quando falávamos da gravides, era o básico. Porque ela tb estava grávida e deixou de estar. Há pessoas muito insensíveis sim...

Passado Futuro e Presente disse...

Tenho uma colega que está a passar pelo mesmo. Não é fácil. E partilho a mesma opinião que tu. Deveriamos olhar também para o outro e pensar mais nos sentimentos dos outros e não somente nos nossos.

Mar disse...

Olá Dina,

A história da tua amiga parece a minha e de muitas outras que nós não sabemos e de certeza passam pelo mesmo, na minha até quem não queria engravidar engravidou, acredito que para todas havia um motivo para que assim fosse, nada acontece por acaso.

Compreendo o teu cuidado com a tua amiga és uma boa amiga, dá-lhe o teu exemplo que também não foi fácil e agora conseguiste.

Tudo tem o seu tempo a sua hora, saber esperar é que para nós não é fácil, temos de praticar a paciência, quando me apercebi que a minha volta todas davam fruto, o que tive realmente receio foi de ter “inveja” que é coisa que abomino, perdi a Deus que me guardasse e nunca permitisse te tivesse, só queria e quero desejar tudo de bom para as amigas, familiares, conhecidas e engravidaram, que a gravidez e os frutos sejam prefeitos tal como desejaria para mim. Diz-lhe que não desista por mais difícil que seja cada mês que a vida não acontece.

Na semana passada fui ao banco e conversa puxa conversa, e a senhora que me atendia também estava a 1 ano e meio a tentar, ainda estava mais optimista, e contou-me uma história que um casal amigo dela tinha uma situação bem grave, ele quase não tinha “espermatozóides “ vivos e ela nem “óvulos” tinha e já têm uma linda menina de 1 ano.

Tudo de bom para ti e em especial para a tua amiga um abraço apertadinho com muito amor de quem sabe o que fala.

E como gosto de dizer: O Melhor está para Vir…

Jinhos

Ba disse...

Se todos ajudarmos os problemas tornam-se menos difíceis. Boa sorte para a tua amiga e é bom ter uma amiga assim.

Purple disse...

No fundo isso sim é amizade. Respeitas a dor da tua amiga como ela respeita a tua gravidez, porque somos seres humanos e é impossivel separar sentimentos pelo menos na nossa cabeça. Beiju e parabéns pelo teu menino

susiedesonho disse...

Acho que ages muito bem. Evidentemente que ela fica feliz mas triste ao mesmo tempo. É tão fácil pormo-nos no papel dos outros mas o ser humano é egoísta.

Bj,

Susie de Sonho.

estrela disse...

concordo contigo Dina, tenho uma pessoa que está na mesma situação e eu simplesmente deixei de falar em coisas relacionadas com crianças...não tive esse problema mas imagino a dor que deve ser por isso respeito imenso...já li um livro sobre isso e tive ainda mais a percepção do sofrimento que esta situação trás à pessoa.
esperemos que a tua amiga não tenha que aguardar por muito mais tempo a noticia tão ansiosamente esperada!
bjs

Isa disse...

Eu não consigo engravidar, nem sei se algum dia vou conseguir (pelo menos sem técnicas de reprodução irá ser bastante difícil). Há 2 anos que estou metida no processo, e se inicialmente era difícil, e chorei muitas vezes depois de acariciar a barriga de uma amiga que fazia questão que eu o fizesse, agora vejo as coisas de outra forma. Custa-me muito muito menos! Gosto de saber o que se passa com a grávida, se for minha amiga claro! E não me importo nada de ter conversas sobre o bebé. Bem melhor do que falar da minha infertilidade...
Mas acho que não são muitas pessoas que vêm as coisas como eu, e compreendo (bem de mais!) o sofrimento da tua amiga, e fazes muito bem em respeitá-lo se ela não está à vontade com essas conversas. Só mostra a pessoa consciente e respeitadora que és!

Desculpa o testamento.
Beijinhos

Soneca disse...

Concordo contigo. Tem de se encontrar um meio termo. Falar mas não falar demais! Partilhar mas sem exageros. E isto aplica-se a quase tudo! Se cada um ao exibir o seu umbigo pensasse nos umbigos que o rodeiam, evitava-se muito sofrimento.
É quase como estares ao pé de quem passa fome a gabares-te do que comeste!
Chamo a isso insensibilidade e egoísmo!

Pii Visconti disse...

Parabéns pelo seu site..
Já estamos seguindo vocês.
Beijos e até mais
Staff @obarquinho

http://barquinhocultural.blogspot.com

Miss disse...

Eu concordo contigo. Ela certamente se sente feliz, mas há uma mágoa inevitável pelo sofrimento que passa e as amigas também deviam sentir a dor dela.

Alice disse...

Talvez tu compreendas na perfeição o que ela sente. O que te terão feito a ti, ou que terás sentido na pele, estás a evitar que outras passem pelo mesmo.

Ao contrário do que muita gente pensa, o facto de um casal não conseguir engravidar tem muito impacto nos relacionamentos pessoais.

Tal como saberás, às vezes, parecemos sofrer de uma deficiência qualquer aos olhos dos outros, já que não conseguimos engravidar. Nem todos falam por mal, mas parece-me que essas amigas não tiveram(felizmente) a possibilidade de tomar o sabor a uma notícia tão marcante como a da impossibilidade de ter filhos.
Teriam mais sensibilidade para lidar com a situação e não criar infelicidade nos que, por designios da vida, não pode compartilhar da experiência que é a gravidez.

Certamente valerás por mil dessas "amigas" que estão prontas a "esfregar-lhe" na cara tanta felicidade.

Ninguém pode viver na felicidade, causando infelicidade a outras. Ainda mais num estado de graça tão belo.

Beijinho

Nicole disse...

Insensibilidade e falta de empatia são coisas que magoam porque nos levam das duas uma: ou a dizer-mos coisas que vão magoar os outros e nem nos apercebermos disso ou faz com que julguemos os outros depressa demais sem nos "colocarmos nos seus sapatos".

Beijinhos
E parabéns "It´s a boy!":))

Palco do tempo disse...

ando a ler um livro sobre isso. è uma situação complicada para vocês e para ela.

Guinhas disse...

Tenho uma amiga exactamente na msm situação e, por ex, qd o irmão dela foi pai ela chorou de alegria mas não conseguiu deixar de sentir uma certa frustração e acho que se entende perfeitamente. Claro q ficam contentes pelos amigos estarem felizes, mas é impossivel não haver um reflexo no que eles sentem! É verdade que se nos pusessemos no lugar uns dos outros, tudo seria mais facil e menos criticável

Leope disse...

Tive uma amiga minha nessa situação...e para mim era muito difícil partilhar com ela o que estava a viver só porque sabia que ela lá no fundo sofria com a situação.Mas tudo mudou e agora tb ela vai ser Mãe :)

Leope disse...

Tive uma amiga minha nessa situação...e para mim era muito difícil partilhar com ela o que estava a viver só porque sabia que ela lá no fundo sofria com a situação.Mas tudo mudou e agora tb ela vai ser Mãe :)

Sandra disse...

Olá Dina! Como te entendo...Já estive do outro lado da barricada: perdi dois bebés e, de repente, um baby-boom à nossa volta: amigas, primas, colegas de trabalho (só estas foram à volta de umas 15!!!)!
Foi muito duro, não porque lhes desejasse mal algum ou porque me sentisse infeliz...mas eu também queria estar grávida! Mas ficava feliz por ouvi-las contar as novidades, mas cá dentro doía como nunca pensei!
Fizemos vários exames e nada se descobria (tudo normal!)...o que é ainda pior, porque não há nada a combater!
Eis que, inesperadamente, em Outubro do ano passado, as duas risquinhas milagrosas apareceram no nosso teste e aqui estamos nós com quase 21 semanitas de um mundo azul! MAs também não falo muito sobre isto com as colegas que perderam bebés (recentemente uma perdeu gémeos) ou com aquelas que ainda não tiveram o milagre por que anseiam! Porque sei que dói...mesmo quando sorrimos!
Beijinhos e parabéns pela atitude!

disse...

Minha querida, depende muito da capacidade de cada um em separar as coisas. Penso que sabes da minha luta já com 4 anos e ao longo destes anos são já muitas as amigas que tiveram os seus bebés e eu reagi sempre tão bem a tudo, que nunca tiveram que se inibir de se manifestar à minha frente. Mas sei que é natural que algumas mulheres não tenham esta capacidade. Acontece a quase todas. Ainda bem que tem uma amiga sensível como tu.