terça-feira, 5 de abril de 2011

Queixas e mais queixas


Francamente estou a ficar cansada do pseudo-jornalismo que está no auge. Estou farta de ouvir lamuriar constantemente quem não deve. Claro que a vida está mais cara, os ordenados mais baixos e o medo do futuro é grande. Só não consigo ter pena de pessoas que passam a vida a lamentar-se porque «já só vão jantar fora uma vez por semana, porque já não vão tantas vezes ao cinema, porque agora só vão fazer férias 1 vez por ano no estrangeiro em vez das 2/3 vezes habituais, porque passaram a tomar o pequeno-almoço em casa, etc.». Isso são luxos. É verdade que se trabalhamos deveríamos poder ter acesso a esses mimos e a um nível de vida condigno. Mas não deixam de ser luxos. Para mim bem essenciais são comida, casa, água/ luz/ água e saúde (consultas e medicamentos). Há quem esteja sempre a mal com a vida, quando ainda continuam a ser uns previlegiados, sem se darem por isso.

Agora ligar a televisão e ver uma reportagem de uma senhora a queixar-se da crise quando gasta mais de 1000 euros em colégio privado, porque «é inimaginável o miúdo ir para um liceu público»?! E a cozinhar numa bimby?! Vendida dava para pagar quase duas prestações da casa: aí sim era crise...

O problema é que sempre fomos criados sem nos faltar nada, e assumimos tudo como bens essenciais. Mas não o são. Estou cansada e preocupada, mas opto por mudar de canal quando chega a hora do telejornal. Essas pseudo-vidas desgraçadas põem-me os nervos em franja, e isso sim é uma ofensa para as pessoas que fazem malabarismo para ter comida na mesa, pagar o crédito a habitação e pagar contas na farmácia.

20 comentários:

Lux disse...

Sabes que as pessoas, quanto mais tiveram, mais querem... E não se conseguem habituar a viver sem esses luxos...
Não, não são essenciais, mas não sabem viver de outra forma, porque tudo lhes foi dado de graça, normalmente desde pequenos.
Depois, em adultos tornam-se uns incapazes, que choram, porque não podem ir todas as semanas ao cabeleireiro...
Se vivessem como uma refora de €200, queria ver como se safavam... Acho que não conseguiam nem pagar a despesa na farmácia só em anti-depressivos!

xoxo
Lux

Pratos de Ouro disse...

Antes de mais, obrigado por ter publicado este meu comentário que humildemente vem divulgar o meu novo blog. A vida é uma correria, mas se por momentos nos dedicarmos nem que seja um pouco há cozinha, as coisas podem tornar-se muito mais fáceis. É um homem que escreve este blog, um homem que se viu na necessidade de cozinhar para si. Pratos simples que sejam, são como eu gosto de comer. Um blog para partilhar com todos os que gostam da arte de cozinhar, uma arte de faço e garfo. E agora, já vai uma garfada?

http://pratosdeouro.blogspot.com/

O Blog da Framboesa disse...

Também vi essa da Bimby!!! Também queria meter o meu filho num privado mas azar com o vencimento que ganho vai ter mesmo de continuar numa pública e férias, simplesmente n sei o que é há + de 10 anos deviso à precariedade de trabalho! E depois essa gaja da bimby vem queixar-se?!?!?!?!?! Tem é sorte e devia era de estar calada boa?!

A vida é mesmo assim, temos de nos habituar.

Bjcs

Verinha disse...

Também vi essa reportagem, só me deu foi vontade de rir, essa senhora tornou-se patética nessa entervista!
Tadinho do menino é grande mas só em tamanho porque ainda é um bébé! lol O puto parecia ter pelo menos uns 10 anos! Tadinho não pode ir para uma escola publica, deve morrer talvez!
Por amor de Deus!
Realmente as pessoas quixam-se de barriga cheia!

Eu tenho-me sentido minimamente feliz, as coisas têm aumentado, mas tenho conseguir manter-me com a cabeça fora de água para não me afogar, e é isso que importa! Deixamos de ir ao cinema, deixamos de comer fora (vamos ao mac quando vamos), deixamos de fazer passeios como faziamos, para podermos manter outras coisas que para nós são mais importantes como seguros de saude, não cortar na alimentação, etc.
O que importa que temos estado a conseguir gerir a situação sem ir ao fundo.

Mas voltando à entrevista, foi uma reportagem triste, ver assim na televisão como está o país deprime qualquer um...

Mas temos de lutar para manter a cabeça fora de á tona para não irmos ao fundo.
E quem se queixa de barriguinha cheia devia começar a pensar duas vezes antes de abrir a boquita!

Bjks***

Rabbit disse...

É bem verdade!
Nunca tive o hábito de jantar fora uma vez por semana ou fazer uma viagem de férias uma vez por ano! No entanto, já desfrutei de jantares fora e viagens nas férias! Nem imaginava que para alguns deixar de tomar um pequeno almoço fora poderia ser um trauma… lol
Considero que nunca me faltou absolutamente nada, mas também nunca tive esses pequenos luxos como adquiridos.

Considero-me um ser humano com uma grande capacidade de adaptação e simplesmente quando não é possível fazem-se outras coisas, porque o importante não é o que fazemos mas com quem fazemos! :D

hug * disse...

nao podia estar mais de acordo contigo...
o portugues tem a mania de se lamentar constantemente contudo continua a ter uma vida regalada sem qualquer privação... mais ainda, continua a ganhar 100 e a gastar 150... a viver e constante crédito por luxos desmedidos.

beijinhos

Anabela disse...

Não podia concordar mais contigo... Sinceramente acho que certas pessoas não têm noção do que é passar por dificuldades.
Bjs

Joana disse...

Eu tb me cruzei com essa reportagem mas olha tive que mudar o canal porque isto é coisa para mexer com o meu sistema nervoso.Eu não entendo, quem tenho visto a queixar-se mais com isto tudo são pessoas exactamente assim.Seja em tv, seja em certas crónicas de revistas de certas jornalistas como por exemplo a nossa tão conhecida pipoca.Eu já nem sei se ria se chore.Se vivem bem?se têm dinheiro para a bimby e para o colégio privado e mais para as férias aqui e acolá acho muito bem que o façam, agora depois virem-se queixar quando há pessoas que nem os medicamentos todos do mês podem comprar?Poupem-me.
Esta pseudo geração dondoca que depois se for preciso anda a comer pão com manteiga todos os dias irrita-me.

Beijinhossss*****

Não sei que diga disse...

Concordo plenamente. Também vi a reportagem e comentei exactamente o mesmo. Como é que poderam comparar as duas situações que apresentaram, a tal que tem o filho no colégio porque é um bébé!!!! e aquela senhora que está ela e o marido desempregados, que vão ao banco alimentar, que já venderam o ouro todo que tinham e que estão sujeitos a ficar sem casa. Isso é que é estar em crise!

Liliana disse...

Foi em que canal?
Não vi! Gostava de ver apesar de saber que também vai dar cabo dos meus nervos...! Como me atrofiam pessoas assim!

carla disse...

Gostei de ler o teu post, é que por vezes, penso se serei eu que estou errada.....exactamente pelos motivos que aqui indicas.

TÊm quase tudo o que querem, conseguem ter luxos que ha muito fazem parte do meu imaginário e ainda são motivo de reportagens pela crise?

Ridiculo!

Eu tambem gostava de colocar as minhas filhas num colegio, mas são duas e não foi por opção, são gemeas. São o meu maior tesouro, mas ao fim do mês nota-se bem. Até escola publica se torna pesada ao final do mÊs, porque neste país, para quem trabalha ate as 18:30h, tem de pagar dois prolongamentos (no meu caso particular, 4).
Auxilio????? ainda sou umas das privilegiadas do abono de familia, mas com um valor tão ridiculo que nem me lembro dele.

O meu lema ha uns largos tempos para cá é viver um dia de cada vez, com muita saude, com os meus amores.

Mas que estamos em pura crise de dinheiro, consciencia, valores e sociedade, lá isso estamos :(

Miss Apuros disse...

Pensei o mesmo quando vi essa senhora na reportagem... Devia ter vergonha, mas pronto é apenas uma coitadinha. bjux

Cacarol disse...

Preciso de dinheiro...

Ana FVP disse...

Faz-nos pensar...

Bomboca do Amor disse...

Não podia concordar mais contigo!
Beijinhos,
Bomboca do Amor.

Le Blonde disse...

Está é tudo muito mal habituado! Sabem lá eles o que é viver mal... :\

Eu, Tu e o Meu Blog disse...

Na minha modesta opiniao que nada conta acho que se andarmos na escola publica ou privada se tivermos que ser alguem na vida seremos.
depois o termo de pobreza pode ser subjectivo awuilo que é pobreza para mim pode nao ser para o A ou B, mas adiante a comunicação social tem que vender por isso, é que passam esse tipo de noticias.
Do meu prisma pobreza é querer comer e não ter dinheiro, é nao ter casa para morar.
Sacrificios, pouco dinheiro? pois esse é o dia a dia do Portugues normal, se é triste viver assim ?! é capaz de ser , mas é sempre melhor ter pouco do que nao ter nada.

formiga disse...

Eu também vi essa reportagem e achei essa senhora ridicula. Enfim.. eu sempre andei numa escola publica e o meu irmão também e não sou menos por isso. Também reparei na bimby...mais valia tar caladinha.

Beijinhos

*Lili* disse...

Sem dúvida, dou-te toda a razão do mundo, mas também concordo com o facto de hoje em dia toda a gente nascer com muita coisa dada...é tudo dado, pois bem eu confesso que sou uma dessas meninas mimadas que teve tudo de mão beijada porque a mamã sempre foi uma mamã atenciosa vá 'galinha' (embora que a melhor mae que jamais poderia ter)...Mas também sou honesta em relação a outra coisa, sou mimada? sou, mas não exagero...opah enquanto era criança pedia e se nao me davam chorava é natural era uma criança, hoje vejo se vir que posso comprar compro se não paciencia quando as coisas tiverem bem... Eu tive uma vida muito facilitada confesso, mas as coisas nem sempre foram assim e temo que nem sempre vao ser assim... Porque como já sabem as classes médias estão a passar para classe pobre...E temo mesmo muito isso, não por mim, porque se eu arranjar emprego sou capaz de abdicar dos meus estudos para ajudar os meus pais,... agora é pelos meus pais que se sentem mal por não conseguirem manter as condições em que as filhas(os) foram criadas...Verdade seja dita, isso preocupa-me porque eles auto-criticam-se porque não terem essa capacidade....bem eu critico-os por serem parvos! Não é o fim do mundo e as coisas se tudo correr bem vão ter solução.
*Oki mais um desabafo de ultima hora* Tenho dito... Desculpem lá meninas :)**

Lady Me disse...

Mas é que não poderia concordar mais contigo. Eles nem mostram a realidade do país. Até parece que o mal é mesmo dessas pessoas que mesmo assim ainda vivem bem. Enfim, é o país e as notícias que temos.