terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Revolta-me


Se há coisa que me revolta e me sensibiliza é a maneira como alguns dos nossos idosos passam os seus últimos anos. Já nem vou dizer o quanto é revoltante haver pessoas que trabalharam toda a vida para agora usufruir de uma reforma de 300€, em que têm que passar fome ou abdicar de alguns medicamentos imprescidíveis.

É triste quando a saúde deles fica debilitada, ver a maneira como alguns dos filhos tratam dos pais. O meu pai esteve algum tempo dependente e fiz tudo por ele, para lhe garantir o máximo de conforto e dignidade. Teria pago tudo para o auxiliar. Mas há por aí tantos idosos que vivem na solidão e que são tratados piores do que cães. Este fim-de-semana fui visitar um tio do meu pai com 84 anos. Disseram-me que estava completamente senil e dependente. Cheguei, sentei-me junto dele e estivemos a falar um pouco e ele podia estar debilitado mas falou de forma muita clara e consciente. Até me admitiu que passava fome. E ele tem dois filhos riquíssimos na aldeia que nada ajudam.

Eu só olho para o céu e peço justiça: que esta gente seja tratada a mesma forma quando chegarem à idade dos seus pais. Para mim esta gente não vale de nada. Por essas e outras razões, já me inscrevi numa associação para voluntariado com idosos. Porque sei que lhes posso dar o carinho e respeito que merecem, e conversar com eles, porque muitos só precisam disso: de alguém que os oiça. E eles têm histórias sempre tão lindas para contar...

A nossa sociedade menospreza os nossos idosos, mas eles são sabedoria, são amor, e são frutos do nosso passado. E acredito que só uma sociedade que dê valor ao seu passado, consegue olhar para o futuro...

10 comentários:

Bailarina disse...

Eu trabalho constantemente com idosos, e não sabes o que às vezes me custa, o aperto que me dá no coração!! Não imaginas, nas condições que alguns vivem, com filhos com boas possibilidades de ajudar... Imagina, que eu já tive doentes a dizerem-me que os filhos os "despacharam", para o hospital só para se verem livres deles. Se pudesse, levava-os todos para minha casa. Sempre que isto me acontece, choro por dentro, mas infelizmente tenho que ser um pouco fria em relação a isso, se não, nem trabalhar consigo... Um dia, se os meus pais precisarem de mim, vou estar aqui para lhe dar tudo... Sei, que não vou poder ficar em casa a tomar conta deles, mas sei que há imensas soluções para os manter bem e confortáveis... Hei-de estar sempre ao lado deles, nem sequer me vejo longe deles... Acho que fazes muito bem inscrever-te, não seja este o ano internacional do voluntariado...

Filipe disse...

Há um ditado popular que uso frequentemente... "filho és, pai serás... assim como fizeres também o receberás!"
A sabedoria popular raramente se engana...
Quanto aos valores ridiculos que muita boa gente recebe de reforma, enquanto os politicos e legisladores não souberem o que realmente é viver com 200, 300 ou 400 euros por mês nada vai mudar!
Claro que o povo sempre se poderia revoltar com este estado de coisas mas isso... isso já são outros quinhentos!

Rita G. disse...

Eu trabalho num centro de dia que presta apoio a idosos, e não imaginas as situações tristes que encontamos por aqui...

garrauzita disse...

eu trabalho com idosos e é revoltante quando me dizem que os filhos não querem saber..dá-me um aperto enorme no coração..é triste ver que trabalharam a vida toda para darem tudo aos filhos e agora que precisam os filhos não querem saber..que triste

Sorriso ツ disse...

Sabes que nem todos os idosos são iguais e muitos deles são bem difíceis de lidar. Claro que com isto não quero dizer que devam ser menosprezados e abandonados. Nada disso! Aliás, dou-te um exemplo: cá em casa mora o meu avô com 87 anos. Está muito bem de saúde, não tem nada de nada e é totalmente independente. Mas, e este mas é importante, faz de tudo para chamar a atenção, desde fingir-se de doente, faz que cai, inventa coisas, faz-nos chamar a ambulância sem ser preciso, está constantemente a falar mal de nós aos vizinhos... Pior é que vigia tudo e todos: as sacas das compras, o lixo, o cesto da roupa para lavar, gavetas, armários... Ouve atrás das portas, mete-se em tudo o que é conversa, faz cenas para não sairmos ao fim de semana... Enfim, é das pessoas mais difíceis que conheço, com um feitio que nem qualquer um aguenta. No entanto, nunca pensamos em colocá-lo no lar. Pelo contrário. Está em casa das filhas, é bem tratado, não lhe falta nada e, apesar de tudo, é família. Além disso, não somos capazes de fazer uma coisa que não queremos que um dia façam a nós.
Tudo isto para dizer que, muitas vezes, não sabemos de tudo. Não defendo quem abandona os pais, muito pelo contrário, mas a verdade é que a grande maioria não tem paciência para feitios complicados e acredito que muitos não tenham mesmo condições e tempo para cuidar deles.
Mais uma vez digo que não defendo quem menospreza os idosos, mas tento, antes de julgar, perceber o porquê. Isto porque acredito que outros não aguentariam o que passamos com o meu avô. Acredita que tem alturas que é mesmo complicado...
Concluindo, sou da opinião que é bastante injusta a forma como a maioria dos idosos é tratada e menosprezada. E saliento que, sejam eles como forem, difíceis ou não, são, acima de tudo, seres humanos e devem ser tratados com dignidade e respeito. Infelizmente há quem não pense assim e não se lembre que um dia poderão estar nas mesmas condições...

Beijinhos

Mami ( Sónia ) disse...

é algo que me revolta imenso. Não entendo os filhos que viram assim as costas aos pais quando estes precisam. Mas a justiça há-de ser feita.

Nokas* disse...

Já fiz voluntariado num lar e fiquei impressionada com a quantidade de depoimentos de idosos que me diziam que poucas ou nenhumas visitas recebiam por parte dos familiares. Neste caso e apesar de tudo estavam num lar com condições.
A irmã de uma colega minha uma vez disse-me que tem que ligar às famílias para as "relembrar" que os idosos estão no lar e que seria bom receber visitas de filhos/netos de vez em quando...
Depois há aqueles idosos que não têm o mínimo de condições para usufruir da velhice que deviam merecer. Afinal acho que depois de uma vida dura de trabalho, era o mínimo que mereciam. E muitas vezes a família esquece-se deles. É triste mas é a palavra correcta: "esquece-se" deles.

Verita disse...

Adorei este post :))

Pena não haver mais pessoas a pensar assim!!

Eu trabalho com idosos e infelizmente não tenho tanto tempo como gostaria para os ouvir. Mas a verdade é que apesar de não terem dificuldades financeiras, às vezes a familia está ali ao lado e nem mete cá os pés!!

é uma revolta enorme, mas pelo menos têm o conforto e os cuidados que precisam. O resto nós tentamos compensar um bocadinho cada um ;)

beijinhos e um bem-haja para ti!!

Lígia disse...

Nunca comentei mas estou ali com a Sorriso...
Os meus avós maternos são um bom exemplo do contrário de tudo o que referiste. Sempre trataram mal as duas filhas, batiam-lhes com a vara de bater nas vacas, elas trabalhavam e tinham de lhes dar o dinheiro e eles não as deixavam casar pq precisavam das criadas. Eles reformaram-se aos 50 anos sem nunca ter descontado um cêntimo... Gastam o dinheiro todo em viagens de táxi para todo o lado, dizem mal das filhas (que, apesar dos maus tratos, nunca os abandonaram), a minha avó finge-se muito doente só para ir ao hospital e dar trabalho à minha mãe, fazem birras, fingem-se de coitadinhos perante as outras pessoas... Honestamente, eu compreendia se as filhas os abandonassem pois foi uma vida inteira de maus tratos. Mas sim, também sei de casos em que os idosos foram bons pais e agora estão abandonados...

Ana disse...

agora que tanto falam do caso da idosa encontrada morta em Sintra,so se lembraram agora dos muitos idosos que vivem sós,abandonados à sua (má) sorte.acho incrivel e mostra o quanto a sociedade está cada vez mais...desviada dos verdadeiros valores e principios.

é por isso que eu me identifico com as culturas orientais nas quais o idoso é tratado como um sábio,é aquele a quem recorrem quando precisam de conselhos,é digno,valorizado,bem tratado.

e o que eu vejo é isso mesmo:se nao lhes "dá jeito" as pessoas simplesmente abandonam-nos em lares,hospitais,dao moradas falsas...como se aquela pessoa nao fosse ninguem e eu pergunto-em: que cobardia é essa...como podem existir pessoas assim....

MESMO que um pai ou mãe alguma vez tenham tratado mal um filho(a),ainda assim sao seres humanso que merecem todo o Amor.Apavora-me pensar nestas coisas,choca-me ...para mim as pessoas que maltratam,sao pessoas ja foram maltratadas pelos pais delas mesmas. é uma questáo de compreendermos o passado,para tolerarmos melhor as acçoes dos outros.

está provado que,se uma pessoa tiver uma familia disfuncional,pais que maltratam,irá tambem desenvolver traços que vao prolongar esse mesmo ciclo na geração ftura,é so uma questão de Amor,dar amor e perdão....é a cura para tudo,

nao é facil mas so assim é que seremos uma sociedade Melhor.