sexta-feira, 29 de outubro de 2010

O inferno do álcool


O alcoolismo continua a ser um tema tabu na nossa sociedade, principalmente se for uma mulher a sofrer desse mal. Infelizmente, conheço pelo menos uma mulher que tem problemas com álcool. E digo-vos: quem sofre mais é, mais uma vez, os filhos.

Não consigo perceber o que leva uma pessoa a beber assim, sem fim. O que leve uma pessoa a tirar satisfação de beber sozinha até acabar, uma, duas garrafas. Gosto de beber em ambiente social, a acompanhar bons petiscos e boas  conversas. Agora beber por beber. Dizem-me que é para esquecer os problemas da vida? Eu também tenho a minha vida virada ao contrário, mas não me atrai a bebida, porque sei que quando me passar a ressaca tudo na minha vida estará igual. Pior ainda porque passado uns meses a saúde começa a degradar-se, sem falar da vida familiar que parte à deriva...

Francamente não sei como se lida com isso, nem como se pode obrigar alguém a curar-se. Mas francamente, e apesar de se tratar de uma pessoa muito próxima, não estou preocupada. A vida tem-me tornado mais fria e egoísta. Pode parecer contraditório mas é verdade...

[O livro Pedaços de Ternura da Dorothy Koomson, que li há pouco, também aborda (de forma leve) esta temática...]

11 comentários:

Tany disse...

Ainda hei-de o ler. Estou a acabar de ler "A filha da minha melhor amiga! e estou a adorar.

Infelizmente há muitas pessoas alcoolicas por esse mundo fora. Também não entendo o que conseguem ver na bebida.

Verinha disse...

Ainda esta noite, não consegui dormir muito bem, e meti-me a pensar numa pessoa que também conheço assim.
É uma pessoa da familia do B. que já ficou sem a mulher, sem a filha, sem a casa, sem o carro, sem tudo!
É pessoa para vender tudo e mais alguma coisa para depois gastar em macieiras e afins.
Inicialmente eu tinha pena dele, mas agora só me causa repulsa.
Ainda por cima agora arranjou uma rapariga bem mais nova que ele, com um ar mega frágil, acabadinha de sair de um colégio/convento de freiras, não sei no que é que aquilo vai dar, mas tenho tanta pena da rapariguinha...

Acho que o alcol é como a droga, às tantas torna-se um vicio dificil de deixar.

Bjks***

Bailarina disse...

Infelizmente é uma coisa, que cada vez acontece mais!! Também não entendo, como se chega a essa decadência, mas não condeno... Nunca sabemos o que está por trás e há pessoas menos fortes que outras...

Kikas disse...

não posso condenar, mas não entendo...eu nunca fui de beber, fumar.

a vida tb foi madrasta comigo, mas eu sempre disse que temos 2 caminhos a seguir:

ou ficas a tona e sofres (e muito) e ultrpaassas

ou vais para baixo, para um buraco sem fim


por vezes as pessoas fazem isto, como uma forma de chamar a atenção "hei, estou aqui, preciso da tua ajuda"
mas por vezes não vemos ou não queremos ver esse pedido de ajuda.

mas custa, principalmente se existem crianças envolvidas...



www.olhostristes-kikas.blogspot.com

Faz de Conta disse...

Eu não conheço ninguém com esse problema, pelo menos que eu saiba... Mas também é coisa que não me entra na cabeça, esse e muitos mais vícios...

Dina disse...

Também não condeno, porque costumo dizer muitas vezes: «nunca sabemos como vamos acabar». É um vício sim, e terrível como todos os outros...

onixa disse...

Por mais ajudas que se tentem dar, as pessoas com esse tipo de vícios e outros iguais ou piores, não querem deixar de ser dependentes dessas substâncias que as iludem e as deixam "anestesiadas" para a vida.

Agridoce disse...

Só quem já passou por isso, é que pode verdadeiramente perceber e (tentar) explicar. De resto, são só especulações, comentários, apontares de dedo, sobre uma realidade que se desconhece.

Miss Gloss disse...

Tb já li esse livro.Acho que já li quase todos desta escritora. Muito bom. Recomendo sem duvida nenhuma!

beijinhos

Nokas* disse...

O problema do alcoolismo acaba por afectar a totalidade da família, sobretudo a que está mais próxima, e não apenas a pessoa dependente desta substancia. É muito complicado o tratamento e acabo por achar que muitas vezes só com ajuda médica é que se pode conseguir resultados.

Rita disse...

Eu também não percebo, mas se calhar só quem passa pelas situações é que pode fazê-lo. *