quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Ser migrante...


Ontem foi dia de ver Para lá da Fronteira. E fez-me lembrar que sou uma alma sem terra, sem destino. Nasci e fui criada em França até aos meus 16 anos. Vim para Portugal e vivi dois anos em Vila Flor. Depois mudei-me para a Guarda onde estive 5 anos. E finalmente estou aqui na Região de Lisboa.

Eu senti o que é ser emigrante, porque sofri na pele a humiliação de ser estrangeira. O meu próprio pai o diz: «nunca senti o que é ser estrangeiro na pátria dos outros. Mas no meu país é algo constante». Foi uma realidade para mim não comer porque não sabia pedir, ser gozada pelo meu sotaque, enfim ser gozada e humiliada por ser francesinha. Fui humiliada da pior forma na minha primeira aula de português, pelo meu professor. Mas eu era forte, chorei de raiva e vinguei-me. A partir do momento em que a francesinha passou a ser melhor nas aulas do que todos os portugueses, aí começaram a respeitar-me.

Hoje respeito muito os estrangeiros neste país e odeio recriminações e discriminações. E é por isso que sou totalmente contra a nossa política de imigração. Eu sei que há muitos deliquentes estrangeiros mas também há muita gente que só quer vingar na vida e ter um futuro com melhores e mais oportunidades. Afinal, somos um povo com tantos emigrantes que deveríamos respeitar melhor do que ninguém os outros.

O meu sonho? Um dia escrever a história dos meus pais. Por eles. Por nós, os seus descendentes que tiveram outra vida graças aos seus sacrifícios. Por todos os que sofreram em nome da sua felicidade.

7 comentários:

Jojozinha disse...

Escreve a história aqui, teria muito gosto em Lê-la. :)

Olha não sou estrangeira, mas também odeio discriminações de qualquer espécie, porque acredito que é uma mente aberta que nos faz evoluir em todos os sentidos.

;)
Valoriza mesmo esses momentos maus do passado, porque te ensinaram muito e te fizeram a pessoa que hoje és.

*

N disse...

Ora aí o género de livro de que gosto. Mas romanceado ;)

(*humilhada)

Neni disse...

Adorei o post, Dina. Penso exactamente como tu. A forma como os portugueses tratam os estrangeiros é vergonhosa, esquecendo-se dos tantos portugueses por este mundo fora.

Um beijinho

Kel disse...

Viveste na Guarda? E foi lá que aconteceram os episódios que narras?

Myself disse...

Partilho da tua opinião.
Nasci em Moçambique (o meu pai tava lá na tropa),vim com 3 anos para Portugal, vivi na Praia da Vieira até aos 6 anos, depois em Monte Real até aos 15 anos depois em Beja até aos 19, em Vila Nova de Gaia onde tenho a familia paterna até ao dia de hoje...e partir de 1 de Abril mudo-me para Lisboa!!!!! lol

Só falta o Algarve, onde o meu mais que tudo diz querer gozar a reforma ;)

Discriminada???? sim já fui, mais pelo meu tom de pele (sou morena) e mais em criança e é muito mau mesmo.

De qualquer maneira não podemos generalizar há de tudo no nosso pais como nos outros tb.

Bjs e cabeça levantada :):)

Sono Stravaganza disse...

Conta a história aqui :)

*

Ana'Space disse...

Se escrever o livro eu compro :)

Anna*