quarta-feira, 3 de abril de 2013

Se a estupidez se doasse...


Há certos tipos de pessoas que não se suportam: os arrogantes, os invejosos, os que pensam que são superiores, etc. Não gostamos deles, mas convivemos com eles porque assim ditam as regras sociais. Mas há um tipo de gente que nem sequer respeito: os que se recusam a ser dadores.
Acho que é a prova maior da pequenez moral de uma pessoa. Para mim simplesmente esta pessoa não vale nada. Como é que alguém é capaz de se recusar a ajudar outro com um pouco de si. E quando me dizem que só dão sangue ou medula se conhecerem a pessoa que precisa, fico furibunda. Que grande altruísmo!
Mas destes, os piores são aqueles que dizem que se recusam a doar órgãos depois de mortos. Em vida, ainda me podem vir com a história que têm medo de injecções (mas queria ver se fosse o filho deles a definhar numa cama de hospita,l se não queriam que todos superassem os seus medos para lhe salvar a vida). Agora quando se está morto, acabou tudo. Não precisamos de mais nada, porque afinal, tudo vai apodrecer. Não sentimos dor. E podemos salvar uma ou muitas vidas. E não há melhor forma de morrer do que fazer renascer outra vida. Há pessoas que se dizem muito generosas mas depois só o são quando não custa muito: quando não têm que se deslocar ao hospital, quando não têm que suportar uma pica.
 
Não há melhor exercício do que colocar-nos na pele dos outros, para repensar as nossas prioridades e argumentos. Mas há pessoas que só conseguem pensar quando realmente passam por elas, e às vezes até mereciam que ninguém lhes estendesse a mão...

8 comentários:

Mia96 disse...

Uma grande verdade, infelizmente...

Mamã Apuros disse...

A mim irrita-me quem diz que se cortarem as isenções aos dadores deixam de o ser. Acho horrivel. Venho de uma família de dadores e eles dão porque gostam, não porque ganham algo com isso. Eu já tentei ser, mas como estou sempre com anemia nunca me deixam :S

Mel disse...

post interessante e importante! bjinho

Neuza Mariano disse...

Concordo!
Isso já nada tem a ver com personalidade, mas de humanismo!
Enfim...

Muitos beijinhos
MUAH* <3
Neuza Mariano
Youtube

Dina disse...

Mamã Apuros: Tb oiço muitas vezes esta conversa e é uma estupidez tão grande. Só dão porque têm isenção: grande humanismo este. Em minha casa chama-se ser interesseiro

Sofia Carvalho disse...

Realmente também é coisa que me irrita profundamente! Sou dadora, quando tenho peso suficiente :) Só soube que existiam isenções quando houve a polémica toda... E agulhas, o cheiro de éter e essas coisas de hospital descem-me a tensão ao ponto de desmaiar! Não posso ver a agulha de a tensão desce a pique! Mas lá está, não me importo de fazer esse sacrifício porque caramba se ninguém der como é??? Se toda a gente pensa como essa gentinha as mortes aumentavam que era uma coisa louca!

Com o banco de dadores de medula é a mesma coisa ou pior, estou inscrita e quando vem a conversa oiço coisas como "ai nisso nem pensar, dizem que o processo de dar medula é doloroso, dizem que ficas um dia internando, dizem que..." e eu fico :| eiii gente, se formos compatíveis com alguém, pode ser que só nós possamos salvar essa vida!! Se muito mais gente neste mundo imenso estivesse inscrita no banco, quantas pessoas teriam sido salvas de leucemias e essas doenças??

E para terminar, o processo de dar medula já não é tão doloroso, já não é só por punção lombar, é bem mais simples que a forma antiga... Era bom que isso fosse mais desmistificado, porque muita gente diz "nem pensar" por causa disso!

*C*inderela disse...

Tinha uma colega de faculdade que andava com um cartão que proibia a doação dos seus orgãos em caso de morte! Ainda lhe perguntei para quê que ela queria os orgãos depois de morrer mas mais valia ficar na ignorância!!!

Bjokas.

Dona Ju disse...

Merecer muitos merecem ficar sem apoio mas quem tem bom coração não é capaz de deixar de dar a mão quando alguém precisar.
Se fosse um filho chorariam e fariam de tudo, mas só quando nos toca na pele é que sabemos que tipo de dor é essa.

Beijocas *