segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Desabafo


Não sou pessoa de me vender. Sou o que sou e gosto que as pessoas assumem o que sou. Se não me apreciarem assim, não mudo a minha maneira de ser simplesmente para agradar à multidão. Tenho os meus defeitos e sou a primeira a assumi-los e claro que faço concessões nas minhas relações amorosas, de amizade, familiares ou profissionais, mas não deixo de ser quem sou.

E eu dou sempre o benefício da dúvida às pessoas. Primeiro, depois de uma fase inicial de ambientação, dou-lhes total confiança. Depois as pessoas têm que se mostrar dignas dessa confiança ou não. E a relação continua, melhora ou piora. E perdoo facilmente, sem rancor. Mas se chegar a um ponto sem retorno é difícil fazer-me voltar atrás. Se não for mesmo impossível.

E dói que alguém que me pariu, me criou e cuidou, e parecia conhecer-me tão bem até há alguns meses não respeite os meus sentimentos e me coloque frente à parede. Sei que se não fizer o que ela quiser irei perder um pouco mais dela. Mas para que tal não aconteça, teria que perder mais um pouco de mim. E neste momento, não sou capaz de perder-me de mim pelos outros. Já não... Crio esta ponto sem retorno para me proteger, para não sofrer, mas conseguem afectar-me na mesma. Hoje a semana não começou bem.

13 comentários:

Mammy disse...

Beijinhos

Rita disse...

:(

força!

Tsuri disse...

Não é uma situação nada fácil, nada mesmo e tão pouco deveria ter-te sido colocada. Força.
beijinhos

Guinhas disse...

Que situação....tem calma e, acima de tudo, acho que deves agir de acordo com a tua consciência!!Força **!!!

Joa disse...

Eu compreendo...ânimo e coragem!
http://joa-nices.blogspot.com/

Moa disse...

Força! Não faz mal nenhum colocares-te à frente dos outros.Não podemos ser sempre nós a perder.

Turista disse...

Querida Dina, como te compreendo!
Um abraço.

i. disse...

oh, Dina! :( eu costumo dizer que qualquer relação tem que ter um ponto final quando já demos tanto de nós que estamos a perder a nossa essência, a perder-nos.. chegou o ponto de parar. força!!

Maria disse...

Força e aprendi a ser um bocadinho como tu...Bjinho*

susiedesonho disse...

É uma situação difícil e se de quem estás a falar é a pessoa que penso, muito menos meter-te entre a espada e a parede.

Força!

Opinante disse...

Sei do que falas, forcinha querida*

Gija disse...

Estou a viver uma situação do genero ,em que fui encostada á parede pelas pessoas que me devia conhecer melhor e respeitar, e quando vi o olhar de decepção que me deram eu mais uma vez cedi, mas não ando bem com essa decisão, e se me conheço bem bem qualquer dia destes vai haver uma explosão brutal e sei que as consequências não serão boas para ninguem.
Por isso, se não cedeste, tens a minha admiração e fica com a certeza de que fizeste a coisa certa!!!

Mulher, Woman et Femme disse...

Pois é Dina, a família tem muito que se lhe diga...
pode ser o nosso maior porto de abrigo e refúgio quando tudo parece correr mal... mas também a nossa maior fonte de sofrimento...

Sê tu mesma!
Só posso admirar-te por isso.

Um beijinho e muita força,
Filipa