terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Une potiche


Há dias em que me sinto um mero objecto decorativo que se coloca num lugar de destaque numa sala. As pessoas vão lá observá-lo e dá-lhe valor sempre que necessitam dele: quando precisam de ajuda no trabalho, quando precisam de um conselho amoroso, quando precisam de desabafar as futilidades das suas vidas, quando precisam que eu vá tratar de mil burocracias. Mas depois, quando preciso de desabafar ou quando, em troca, só peço carinho e amizade, viram-me as costas e desaparecem. E voltam quando voltam a precisar.

Estou cansada desta injustiça. Sempre fui demasiado simpática e prestável. Trop bonne, trop conne. Mas estou numa fase em que também já não oiço ninguém. Despacho os supostos amigos com uma rapidez que os deixa a eles próprios estupefactos. E depois sou eu a cabra. Já aconteceu com amigos, com irmãos,  com outros familiares, etc. Mas agora quando se trata da minha própria mãe, a coisa dói de outra forma. Não consigo ser indiferente. Se calhar o problema é mesmo meu: nasci para ser criada e não pedir nada em troca. Pode não ser por mal, mas dói. Faz-me sentir sozinha ao mundo, sem família. A única verdadeira família que me resta é o meu marido. E quando discussões e acontecimentos destes acontecem, sinto ainda mais a falta Dele, em que aí sim era amor incondicional e mútuo. 

11 comentários:

Kikas disse...

como eu te percebo...não é fácil, mas...

tinha tanta coisa para te dizer acerca deste post, mas não o vou fazer, pq vou reviver coisas antigas outras actuais e não vale a pena.

D...como sabes a vida já foi um pouco ingrata comigo, e acredita que tive de ultrpassar td sozinha, quem eu mais queria que estivesse ao meu lado não esteve, pq não podia é um facto, mas haveria concerteza altura em que um simples abraço fazia todoa a diferença.

é como dizes...sempre disponivel para os outros, mas qd é p nos...talvez pq tds nos vejam como supermulheres que não necessitam de uma palavra amiga, de um carinho...como se não tivessemos sentimentos.

mas apesar de te conhecer apenas virtualmente, sabes que tens aki uma amiga...para falar, desabafar e se for caso disso e te fizer sentir melhor, até a M*** me podes mandar, ok????

Bjs linda

Bailarina disse...

É complicado, mas se calhar a tua mãe também não está a passar uma boa fase!! Tens que tentar ter calma...

Ana disse...

Percebo o que sentes querida. Tenta acalmar-te e pensar que ainda vale a pena sorrir, todos os dias.

Qualquer coisa que precises, estamos aqui :)

Beijinhos querida

Ana disse...

Percebo o que sentes querida. Tenta acalmar-te e pensar que ainda vale a pena sorrir, todos os dias.

Qualquer coisa que precises, estamos aqui :)

Beijinhos querida

Mariana disse...

Muita força! Todos nós e os que estão ao nosso redor temos fases más, mas acabam sempre por melhorar:)
Beijinho*

Mami ( Sónia ) disse...

Tem calma a tua mãe pode estar a passar uma fase complicada e não te dizer, e desabafa assim de outro modo.
Respira fundo e tenta falar com ela.
Beijinhos

Tany disse...

Ohhh, não gosto que fiques assim triste. É engraçado como só conhecemos as pessoas pelo seu blog e as coisas nos afectam tanto, como se fosse connosco!

Espero que seja só uma fase e que passe bem rapido para te poderes animar outra vez.

Bjs*

Dina disse...

Para perceberem o que aconteceu teria de me alongar demasiado. Eu sei que posso parecer egoísta e insensível para com a minha mãe. Mas disse coisas que me magoaram a sério. Se está a passar uma fase má, poderia dar mais valor à família, ao que lhe resta. Mas parece que só quere estar junto de nós quando interressa. E não percebe que é a unica família que me resta. E já é crescida para deixar de ser manipulada pela irmã, que sempre nos destruiu a todos na família.... Enfim, é triste. Faço tudo por ela, tudo! E é isto. Pode não ser por mal, mas dói...

Bomboca do Amor disse...

Eu também tenho momentos assim, mas felizmente, tenho outros momentos que compensam tudo isso.
Beijinhos querida,
Bomboca do Amor.

Mary disse...

Todas as famílias têm as suas particularidades... Há sempre pessoas mais dedicadas e outras mais egoístas! Mas como são da família tendemos a perdoar as suas falhas! No entanto, acho que a tua postura é a correcta, se não te apetece aturar falsidades, então não o faças. As pessoas que realmente te amam vão continuar a amar-te e vão respeitar-te mais!
Lembra-te apenas que não há pessoas e muito menos famílias perfeitas!
Força!
http://amarycanlife.blogspot.com/

a Gaja disse...

Compreendo perfeitamente. Este ano vivi uma situação com a minha mãe que esperava de qualquer pessoa menos dela. Não esqueci, mas perdoei porque ela é a minha mãe e acima de tudo tambem faço tudo por ela...mas é dificil porque quando mais precisei ela foi a primeira a virar-me as costas...são as coisas más da vida. Estou aqui, qualquer coisa sempre podes falar, silvylima21@gmail.com


Beijinhos e vais ver que uma dia fica perdoado...