sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Perspectiva errada


Francamente estou a ficar cansada destas notícias sobre a importância das famílias passarem a poupar. Mas francamente acho que o problema já não é uma questão de poupança. Porque como eu, deve haver milhares de famílias:

Nunca tomo o pequeno-almoço fora, levo sempre almoço para o trabalho, bebo café no escritório, o lanche também vem de casa. Faço a pedicure, manicure e depilação em casa. Só o cabelo é que tem mesmo que ser num especialista. Raramente almoçamos ou jantamos fora. A maioria dos livros vou buscá-los à biblioteca municipal. Temos cuidados redobrados com desperdícios de energia eléctrica e água. Nas minhas compras no supermercado, tento sempre ir ao mais barato (ainda compro marcas porque a relação qualidade/ preço de algumas marcas brancas não compensa). Não enchemos a despensa de chocolates, rebuçados, bolachas e outros bens alimentares não tão essenciais. Os produtos de beleza resumem-se aos mínimos: um creme, um shampoo, etc., nada de paletes e paletes de maquilhagem...

Agora os jornalistas poderiam parar de dizer que agora as famílias devem ter cuidado e poupar no supermercado. Acho que a grande maioria dos portugueses já o faz há muito tempo. Agora a questão é saber onde essa gente vai arranjar dinheiro para comprar os básicos e marca branca no super. A questão não é o risco de apertar ainda mais o cinto, o problema é o rismo de FOME. Muita gente está num limiar insustentável de pobreza e fome. Há dias em que francamente tenho medo do futuro...

19 comentários:

ML disse...

De cada vez que ouço as notícias de "mais um aperto de cinto" penso exactamente como tu. Quero crer, e pelo que sei e vejo, que muitas famílias poupam em tudo que podem há muito tempo e mesmo assim chegam ao final do mês a contar os últimos cêntimos.

E estou como tu, o futuro disto tudo assusta, pois a coisa está mesmo preta.

Big Kisses

ML

Mami ( Sónia ) disse...

Penso o mesmo que tu. Muita gente não tem mesmo como poupar alias isso não passa de um mito para milhares de portugueses.
Este cenário é muito assustador muito mesmo...

Beijos

Vera disse...

oh oh também a mim o futuro me assusta...se já fazemos um esforço tremendo para poupar...como será daqui em diante...já não vou visitar os meus pais tantas vezes quanto gostaria pois isso implica um depósito de gasoleo gasto num fim de semana...tal como tu, depilação e afins tudo em casa. marcas brancas e roupinha nova é quando é mesmo necessário.passeios de carro só porque sim é para esquecer, noitadas nem vê-las, cinema quando o rei faz anos...e podia estar aqui a enumerar tudo...

problema são aquelas despesas que não dá para cortar...por exemplo pago todos os meses 57 euros de condominio...um roubo...no fim do ano dava para fazer umas belas ferias...e não posso mesmo cortar ai...o futuro assusta-me mesmo...porque o ordenado não aumenta e as contas para pagar não desaparecem...daí a minha vontade de mudar de vida...porque esta cidade é das mais caras em termos de alimentação...e juro que poupo muito...
Resta-nos acreditar que virão dias melhores

big kiss

Clara disse...

Dina, faço minhas as tuas palavras. Eu já não tenho mais onde cortar... a não ser que entregue a minha casa ao banco!
Tomo o peq. almoço em casa, almoço no escritório com comida que trago de casa, assim como o meu marido. Ir jantar fora é uma raridade e comprar roupa faço-o quase de ano a ano!!! Cabeleireiro é de 6 em 6 meses e o meu marido corta-o em casa (eu sou a sua hair stylist). Uso marcas brancas para quase tudo e poupo imensa água e luz... como tu, não sei mais por onde poupar...

formiga disse...

EStas conversas realmente já irritam, porque parece que desconehcem a realidade do pais. Como referiste já há imensa gente a fazer de tudo para conseguir chegar ao fim do mês com comida na mesa, quanto mais conseguir poupar. Se cortassem mais nos carros novos do "Sr" primeiro e nas viagens e tudo mais tenho a certeza que estariamos muito melhor.

formiga disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
formiga disse...

EStas conversas realmente já irritam, porque parece que desconehcem a realidade do pais. Como referiste já há imensa gente a fazer de tudo para conseguir chegar ao fim do mês com comida na mesa, quanto mais conseguir poupar. Se cortassem mais nos carros novos do "Sr" primeiro e nas viagens e tudo mais tenho a certeza que estariamos muito melhor.

C disse...

De acordo com o dizes-te, eu também tento poupar ao máximo evitando fazer gastos desnecessários. O futuro é incerto, mas só espero que não piore... a ver vamos.

Artemisa disse...

Não dirir melhor. Poupar mais? Só se passarmos fome.

Bjx

Tany disse...

E tens toda a razão. Quem já era poupado vai poupar onde mais? Também não entendo! Isto vai de mau a pior e o pobre que aguente!

Bjs*

a Gaja disse...

Eu também tenho medo do futuro. Estive quase a comprar casa sozinha mas por medo do que vem desisti...

Nokas disse...

Acho que a comunicação social também exagera!!

Fiona disse...

Subscrevo totalmente aquilo que dizes. Quando os portugueses já fazem tanto nas suas compras do supermercado (pelo menos falo por mim que tento sempre avaliar muito bem todas as compras que faço), ter que levar com a ladaínha destes jornalistas todos os dias já não há paciência mesmo nenhuma...

bymiminhos disse...

Infelizmente vejo-me obrigada a concordar com o teu post. Inda ontem uma amiga me disse exactamente o mesmo. Eu quanto a mim falo. Comprei casa este ano e pela 1ª vez tive de lidar com contas e organizações que não haviam antes. Não somos um casal de luxos. Somos poupados, organizados e "com cabeça". Já temos uma vida relativamente equilibrada em relação a gastos, e felizmente não sentimos necessidade de cortar em nada,mas não invalida que todos os dias não sejamos imaginativos para descobrir novas maneiras de poupar. Cada vez temos que ser mais criativos na organização do quotidiano. Hoje tudo se transforma num pequeno luxo - o simples facto de tomar o peq.almoço no cafe é 1 luxo (como é possivel??)...

Mas também admito que tanta especulação sobre o assunto também não ajuda. As pessoas por vezes estão mal informadas, um rumor aterroriza e só leva a um maior alarme.

É preciso ter calma e ser organizada e imaginativa - ter o chamado "jogo de cintura" para nos adaptarmos às diversas situações em que somos colocados.

Força! Bjs

teardrop disse...

Querida Dina,
Até tirar o curso e começar a trabalhar tive alturas muito complicadas na minha vida, em que tinhamos que esticar muito bem o orçamento lá em casa para chegar com comida ao fim do mês.
Graças a Deus, depois de começar a trabalhar consigo ter uma vida relativamente desafogada e já ajudei bastante os meus pais e irmã (que entretanto também acabou o curso e começou a trabalhar), pelo que me sinto bastante grata e neste momento sou daquelas pessoas que não se pode mesmo queixar de nada. Mas por saber como é não ter muitas coisas em casa perto do fim do mês, tenho muito medo de ficar sem emprego...
Vejo muita pobreza a aparecer, o que me deixa bastante transtornada porque não vejo que se façam as mudanças necessárias para ajudar as pessoas!

Manuela disse...

Dina, concordo plenamente com o que dizes no teu post e reafirmo que na maior parte das famílias, não haverá muito mais, por onde cortar nas despesas.No entanto, porque deverá ser considerado um luxo, as pessoas por vezes almoçarem ou lancharem fora, ir à manicure, etc? O ordenado não deveria chegar para a maioria das pessoas somente sobreviverem e sim, para viverem!
Beijinhos e bom fim-de-semana :)

Verinha disse...

Nem me digas nada, estou a ver isto cada vez pior!
Tenho dias que me revolto mesmo.
Eu também não tenho muito mais por onde cortar!

Bjks***

Nokas* disse...

Há famílias que não sabem poupar, que não têm noção de como o fazer. Eu diria que as reportagens que passam na televisão são mais nesse sentido. tens noção de como poupar mas há tanta gente que nao!

Rita disse...

Concordo contigo.. Para poupar agora, só se for no supermercado..
*